Auxílio emergencial: 7 motivos para atrasos nas análises dos cadastros

Muita gente ainda está esperando a aprovação para receber o auxílio emergencial. Contudo, existem alguns pontos que podem causar o atraso na análise de dados.

auxílio emergencial: notas de 100, 50, 20 e 10 reais formando um leque ao lado do computador

Descubra possíveis erros que provocam esse atraso. - Foto: Concursos no Brasil

Apesar de já estarmos caminhando para a quarta parcela do auxílio emergencial, ainda existem pessoas aguardando pela aprovação do seu cadastro. Muitas pessoas questionam o porquê de sua solicitação continuar “em análise”. Essa demora acontece devido ao processo de avaliação feito pelo Governo para identificar quem tem e quem não tem o direito ao benefício.

O órgão responsável por analisar cada um dos cadastros é o Dataprev, que recebe os dados coletados por meio do aplicativo e site do auxílio de R$ 600. A Caixa já pagou R$ 112,5 bilhões para cerca de 65 milhões de brasileiros dos mais de 101 milhões de cadastros processados.

O grande contingente de pessoas solicitando o benefício pode ser uma das causas do atraso do auxílio emergencial. Outra especulação são as fraudes descobertas de pessoas que não se encaixam nos critérios da ajuda, mas receberam o dinheiro por omitirem ou mentirem informações em seus cadastramentos.

Como é feita a análise dos dados

Para evitar que os recursos da União cheguem à população que não tem direito, a Caixa precisou melhorar sua análise. Dessa forma, é feito um cruzamento de dados com sistemas antifraudes e de segurança da informação para garantir que o benefício chegue às mãos de quem é devido. Assim, a Dataprev utiliza o Cadastro Nacional de Informações Sociais (CNIS).

O CNIS possui mais 33 bilhões de pessoas em situações vulneráveis registradas. A plataforma tem informações do Ministério da Cidadania e do Ministério da Economia. Bem como de secretarias especiais de Previdência e Trabalho, da Receita Federal e do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Essa quantidade de dados permite uma identificação mais real de quem se encaixa nos critérios do auxílio emergencial.

Esse processo ganhou o apoio da Controladoria-Geral da União e segue os seguintes passos:

  1. Cadastramento do cidadão no aplicativo ou site;
  2. Cruzamento de dados feito pelo Dataprev;
  3. Homologação do conjunto de requerimentos pelo Ministério da Cidadania;
  4. Verificação das informações e aprovação ou não dos registros pelo Ministério;
  5. Conferência realizada pela Caixa antes de fazer o pagamento.

Erros que podem gerar atraso do auxílio emergencial

Podem acontecer alguns erros no momento do cadastro que provocam o atraso da análise do auxílio emergencial. Por exemplo:

  • Não se encaixar em algum dos critérios estipulados;
  • CPF irregular;
  • Se marcar como chefe de família, mas não indicar os dependentes;
  • Não inserir informação de sexo;
  • Dados incorretos como CPF e data de nascimento do solicitante ou de algum membro da família;
  • Mais de uma pessoa da mesma família fazer o cadastro;
  • Colocar uma pessoa já falecida como membro da família.

As informações divergentes podem levar um tempo a mais para analisar se aquela pessoa tem o direito ao benefício de R$ 600. No caso de o status chegar como “dados inconclusivos”, a pessoa pode refazer seu cadastro. Porém, se o resultado for "não aprovado”, o solicitante pode entrar com recuso de contestação.

Veja também:

Compartilhe

Comentários