Como estudar sozinho para concurso público

Você quer estudar sozinho para concurso público, mas não sabe nem por onde começar? Calma que a gente separou algumas dicas valiosas para você. Confira!

Como estudar sozinho para concurso público: enquadramento médio em pessoa escrevendo em caderno. Com a outra mão, ela está digitando em notebook

Estudar sozinho para concurso não precisa ser uma prática “solitária”. - Foto: Unsplash

Estudar sozinho para concurso público nunca foi uma tarefa simples, já que exige bastante disciplina e autoconhecimento. A maioria das pessoas está acostumada a frequentar aulas presenciais, sendo especificamente desenvolvidas de acordo com o cronograma dos professores. São os docentes que ditam o ritmo para ministrar determinado módulo da disciplina e isso já é meio caminho andado.

Cabe aos estudantes apenas fixar aquele conteúdo que foi abordado em sala de aula e revisá-lo para não se dar mal no dia das provas. Quando o assunto é estudar sozinho para concurso público, entretanto, as coisas mudam de figura: será necessário planejar a sua própria rotina, encontrar bons materiais de estudo, verificar o que funciona para si mesmo e controlar os prazos.

Tudo pode parecer bastante complicado no começo, ainda mais quando o concurseiro não tem outra opção a não ser lidar com os estudos por conta própria. No entanto, com a prática, a jornada tende a ser mais fluida e menos atribulada. Aos poucos, a rotina de aprendizado vai se adaptando à realidade de cada um e acabará se tornando um hábito do dia a dia.

O importante é nunca perder as motivações de vista e otimizar o tempo de estudo de uma maneira que faça sentido, tendo em vista as outras tarefas importantes que não podem ser deixadas de lado.

Para te ajudar nessa missão de se planejar com eficácia, selecionamos algumas dicas essenciais para quem está pensando em estudar sozinho para concurso. Até o final da leitura, será possível entender a importância de:

  • Transformar o estudo em hábito;
  • Entender o modo como você aprende com mais facilidade e quais são as suas limitações;
  • Adaptar o seu local de estudos;
  • Encontrar bons materiais de estudos com base no conteúdo programático e sempre se manter atualizado;
  • Enumerar as suas tarefas diárias para encontrar espaços vagos;
  • Elaborar um cronograma de estudos completo, com prazos para teorias, simulados e revisões;
  • Estabelecer pequenas recompensas e tempo livre para fazer atividades que gosta.

1. Qual é a sua motivação? O que te deixa determinado?

Antes de se entregar aos estudos, muitas pessoas se esquecem de estabelecer os objetivos a curto, médio e longo prazo. São justamente eles que vão nortear tanto o ritmo quanto o planejamento pessoal. Então, vale a pena parar por um momento para calcular a “rota” e enxergar o caminho pelo qual você está disposto a trilhar.

Não adianta elaborar um planejamento super completo de estudos se você vai acabar desanimando no meio dele. Para que isso não aconteça, é sempre bom ter em mente o que te motivou a ser concurseiro e a escolher por um determinado cargo público. Algumas perguntas podem servir como ponto de partida:

  • Onde eu quero chegar com a aprovação em determinado concurso? Essa é realmente uma das minhas metas de vida?
  • Eu me vejo fazendo as atividades profissionais ligadas ao cargo em que eu quero concorrer? E o mais importante: eu me vejo feliz ao longo desse processo?
  • Para além da estabilidade financeira, por que ingressar na carreira pública e não na iniciativa privada?
  • Estou escolhendo este cargo público por afinidade ou pelas expectativas que os outros depositaram em mim?
  • De onde vem a minha disciplina e o meu foco? O que me fortalece para não desistir perante qualquer dificuldade que eu possa encontrar na minha jornada?

Eu sei que todas essas perguntas podem desencadear uma verdadeira crise existencial em você, mas é preciso ao menos refletir sobre alguns pontos. Afinal, a gente não pode estabelecer metas pensando nas experiências de outras pessoas e no que eles esperam. Se não fizermos por nós mesmos, quem é que fará?

Seja honesto com o caminho que quer traçar (1), entenda que não será tranquilo o tempo inteiro (2), reconheça as suas limitações devido às demandas do dia a dia (3) e sinta-se satisfeito com os objetivos definidos (4). Seguir esses quatro passos é o pontapé inicial para o seu sucesso e também para evitar futuras frustrações desnecessárias.

Lembre-se de que estudar sozinho para concurso público pode ser desafiador para quem não conhece a si mesmo e está totalmente atrelado às expectativas dos outros.

É necessário ter um contato maior com o seu “eu” interno, no sentido de entendê-lo para aperfeiçoá-lo. Sem esses exercícios de autoconhecimento, seu foco tende a não ser tão forte a ponto de resistir às adversidades futuras.

2. Transforme o estudo em atividade corriqueira

Já conseguiu entender o que te deixa motivado para seguir o seu planejamento rumo à aprovação no concurso? Agora, está na hora de naturalizar o estudo dentro de seu dia a dia.

O primeiro passo é transformá-lo em atividade essencial, como escovar os dentes e tomar banho. Faça com que a prática de aprender assuntos novos se torne um hábito antes mesmo de executar o seu planejamento de estudos.

Dedique parte de seu tempo para desvendar um tema relacionado ao conteúdo programático, nem que seja por meio de vídeos no YouTube. Mantenha sempre um caderninho ao lado para anotar tudo o que for importante.

No dia seguinte, retome o que escreveu e repita em voz alta para parafrasear os conceitos. Normalize esse processo e aplique-o até mesmo para assuntos que fujam das disciplinas cobradas no concurso.

Com o tempo, o simples ato de estudar fará com que você se sinta mais revigorado. E o melhor de tudo: o hábito de aprender coisas novas também vai te ajudar a perceber quais os melhores métodos para aperfeiçoar o aprendizado.

Algumas pessoas preferem elaborar sínteses por meio de tópicos estruturados. Outras já são mais visuais e conseguem entender o conteúdo com desenhos, infográficos e mapas mentais.

3. Estudar sozinho para concurso não precisa ser uma prática “solitária”: faça adaptações!

Muitas pessoas estão acostumadas a aprender conteúdos com amigos ou em sala de aula, não é? Mas olha só: estudar sozinho para concurso não significa que você automaticamente precisará se isolar do universo.

Entre em grupos via Skype, WhatsApp e Facebook para compartilhar informações sobre o concurso ou algo do tipo. Se achar necessário, também faça contato com professores para aprimorar a sua experiência de estudos. Você pode estar “sozinho” em corpo, mas não precisa se sentir “solitário” ao longo de sua rotina.

Existem vários caminhos para se alcançar a tão sonhada vaga em concurso público e nenhum deles tem que ser pesado ou complicado demais. Encontre o meio termo e trabalhe para que a sua saúde mental também seja levada em consideração.

4. Planeje o seu espaço de estudos

A organização do lugar em que você estuda também conta muitos pontos para a prática se tornar cada vez mais eficaz. Tente reservar um espaço destinado somente para os estudos. Afinal, é bastante comum associarmos cômodos da casa com sensações. Já reparou nisso?

Como o quarto geralmente é nosso santuário para descanso, fica difícil se concentrar vendo uma cama quentinha logo ao lado. “Mas eu moro em um lugar pequeno e praticamente tudo fica no mesmo cômodo. O que fazer nesse caso?”. Bom, você pode adaptar a mesinha de estudos com itens que te despertem o sentimento de que “esse lugar não é feito para dormir!”. Sabe?

No entanto, além disso, não se esqueça de deixar o cantinho com cara de “seu”. Coloque porta-retratos ou qualquer item de decoração que te faça se sentir bem. A experiência de personalizar o espaço pode incentivar sensações boas acolhedoras.

5. Explore os itens do conteúdo programático

O conteúdo programático geralmente aparece no final do edital de abertura, sendo acompanhado de referências bibliográficas. A quantidade exata de questões tende a aparecer no mesmo tópico ou naquele que descreve os detalhes a respeito das provas objetivas (disponível no edital ou em anexo separado).

Antes de montar o seu cronograma definitivo de estudos, dedique um tempo para identificar as matérias que já foram estudadas, aquelas que ainda precisam passar por revisões mais detalhadas e as que você precisará começar “do zero”.

Organize uma lista com todos os itens do conteúdo programático e marque “ok” para os que já foram explorados anteriormente. Dessa maneira, será possível ter uma noção maior do que levar em conta na hora de montar o seu cronograma. Se já havia aprendido determinado item em estudos passados, você somente precisará revisar e responder simulados.

“O edital do concurso que eu quero ainda não foi publicado. Como montar um cronograma de estudos dentro dessas condições?”. Você poderá usar os documentos de certames anteriores, mas não terá acesso a nenhuma informação oficial. Então, o seu planejamento corresponde à época de “pré-edital”, ou seja, serve somente para antecipar uma coisa ou outra.

6. Selecione materiais de estudo com base no conteúdo programático

O universo da internet está repleto de bons materiais de estudos, mas lembre-se de que quantidade não quer dizer qualidade. Não adianta se aprofundar em um assunto que nem consta no conteúdo programático. Para não bagunçar a sua rotina, selecione apenas aquilo que realmente faça sentido para o cargo pleiteado.

Existem empresas que fornecem apostilas e cursos online feitos especialmente com base no edital correspondente. Vale a pena buscar opções viáveis para otimizar o aprendizado.

Entretanto, caso não seja possível comprar os materiais de estudo, tudo bem! Recorra às pesquisas pela internet para ver se encontra cursos gratuitos e textos de apoio. Por exemplo: o Senado Federal montou um site com várias referências bibliográficas que podem servir como um suporte na preparação do seu próximo concurso.

7. Crie o seu cronograma e otimize o tempo para estudar

Mantenha a sua produtividade e não se perca na logística! Para definir um ótimo cronograma de estudos, é necessário levar em conta:

  • Critérios previstos no edital de abertura;
  • Dia em que a prova objetiva vai ser aplicada (prazo final de estudos);
  • Matérias cuja teoria completa você ainda deve conferir;
  • Conteúdo que só será preciso revisar;
  • Tempo necessário para responder os simulados;
  • Horários disponíveis para estudar; e
  • Possíveis eventos que você não poderá faltar nesse meio-tempo.

Estabeleça prazos, metas e prioridades: o tempo despendido deve ser proporcional ao nível de dificuldade de cada disciplina. Por outro lado, é possível que você não consiga estudar tudo o que gostaria. Acontece, viu? Não se culpe por isso. O importante, nesses casos, é otimizar os estudos em matérias com peso superior às demais.

Observe, abaixo, um exemplo de modelo simplificado para montar a sua própria agenda de atividades:

Dia da semanaHorárioDescrição da atividade

Você pode personalizar o cronograma da maneira que achar melhor, inclusive usando um calendário mesmo. O importante é organizar a sua rotina de estudos dentro de prazos específicos.

8. Reserve um tempo livre para você

Sobrecarregar a cabeça de conteúdo nunca será o melhor caminho, porque a qualidade dos estudos ficará comprometida. Por isso, reserve algumas horinhas para fazer coisas de que gosta. Tire o atraso de sua série favorita, pratique esportes e se reconecte consigo mesmo.

Aliviar a sua rotina depois de longas horas de estudo é de extrema importância. Até porque você conseguirá ter tempo para processar tudo aquilo que acabou de ler. Quando for revisar o conteúdo, as coisas vão fluir de uma maneira mais leve e saudável.

Ficamos combinados assim? Agora que você já teve acesso às nossas dicas, está na hora de colocar todas elas em prática! Não se esqueça de conferir outros conteúdos de nosso site, como simulados e notícias. Temos certeza de que existe um material feito especialmente para você.

Explore:

Bruno Destéfano
Redator
Nasceu no interior de Goiás e se mudou para a capital, Goiânia, no início de 2015. Seu objetivo era o de cursar Jornalismo na UFG. Desde o fim de sua graduação, já atuou como roteirista, gestor de mídias digitais, assessor de imprensa na Câmara Municipal de Goiânia, redator web, editor de textos e locutor de rádio. Escreveu dois livros, sendo um de ficção e outro de não-ficção. Também recebeu prêmios pela produção de um podcast sobre temas raciais e por seu livro-reportagem "Insurgência - Crônicas de Repressão". Atualmente, trabalha como redator web no site "Concursos no Brasil" e está participando de uma nova empresa no ramo de marketing digital.

Compartilhe

Comentários