Como foram as provas do concurso Polícia Federal? Descubra AQUI

Segundo candidato do concurso PF, houve aglomeração na entrada e na saída de seu local de provas. A etapa teve 120 itens objetivos e parte discursiva. Confira.

Como foram as provas do concurso Polícia Federal: brasão da Polícia Federal em parede

As provas da PF foram realizadas no último domingo, dia 23 de maio. - Foto: Wikimedia Commons

Após controvérsias, o STF formou maioria para manter as provas do concurso Polícia Federal. Elas foram realizadas no último domingo, dia 23 de maio, com 120 itens objetivos e uma parte discursiva. Ao todo, era esperado comparecimento de 321.615 pessoas que se inscreveram para os cargos de: Delegado, Agente, Escrivão e Papiloscopista. Todas as vagas serão destinadas para profissionais com nível superior.

O candidato James de Souza Guedes, de 24 anos, respondeu as provas no Centro Universitário Maurício de Nassau (UNINASSAU), em Salvador. Formado em Gestão Financeira e residente de Brumado, na Bahia, o profissional não teve uma boa impressão sobre os protocolos sanitários adotados pelo Cebraspe, responsável pela organização. Abaixo, você confere mais detalhes a respeito de sua experiência.

Protocolos sanitários e aglomerações no concurso PF

"Logo quando cheguei, notei muita aglomeração", disse. Foto: James de Souza Guedes

James de Souza Guedes se inscreveu no concurso PRF, com provas aplicadas no dia 09 de maio, e no da PF, que foi realizado no dia 23 do mesmo mês. Para o candidato, os protocolos de segurança sanitária para o concurso da PF não funcionaram da mesma maneira como ele percebeu durante a realização das provas da PRF.

“Logo quando cheguei, notei muita aglomeração (e olha que cheguei cedo). Meu horário para entrar era da turma das 13:15 às 13:30. Contudo, todos resolveram chegar cedo. Apesar de os portões terem sido abertos com duas horas de antecedência, os candidatos não entraram na faculdade”, explicou. O candidato notou que muitas pessoas ficaram do lado de fora para revisar o conteúdo.

“(...) sempre tem aquele que quer dar uma revisada antes da prova e, por isso, muitos ficaram do lado de fora da faculdade. Nesse momento, houve muita aglomeração”, complementou. Por outro lado, James disse que houve aferição de temperatura corporal logo na entrada da UNINASSAU. Cada fiscal contava com álcool em gel, que era oferecido aos candidatos quando iam para o banheiro.

Para James, o problema foi a questão dos protocolos sanitários na sala em que ele respondeu as provas da PF. O candidato disse que as janelas ficaram fechadas durante a aplicação da etapa, sendo que a única ventilação vinha do ar-condicionado. “Havia cerca de 8 pessoas na minha sala com 4 faltas”, explicou. Ao sair da UNINASSAU, James também notou nova aglomeração, como aconteceu nas provas da PRF.

“Já na saída, houve bastante aglomeração, pois os candidatos estavam procurando Uber ou táxi para irem embora”, relatou o candidato. Quanto às provas da PRF, James informou que respondeu as questões no Colégio Estadual Góes Calmon, que fica no Bairro de Brotas, em Salvador/BA. “Na saída, tinha aproximadamente umas 40 pessoas na porta da escola", disse sobre sua experiência com as provas da PRF.

Nível de dificuldade nas provas da Polícia Federal

As provas do concurso PF contaram com 120 itens que deviam ser julgados como “certo” ou “errado”, além de uma parte discursiva. Para o cargo de Delegado, foram cobradas as disciplinas de:

  • Direito Administrativo;
  • Direito Constitucional;
  • Direito Civil;
  • Direito Processual Civil;
  • Direito Empresarial;
  • Direito Internacional Público e Cooperação Internacional;
  • Direito Penal;
  • Direito Processual Penal;
  • Criminologia;
  • Direito Previdenciário;
  • Direito Financeiro e Tributário.

No caso dos demais cargos (Escrivão, Agente e Papiloscopista), foram cobradas questões sobre Língua Portuguesa, Noções de Direito Administrativo, Noções de Direito Constitucional, Noções de Direito Penal e de Direito Processual Penal, Legislação Especial, Estatística, Raciocínio Lógico, Informática, Contabilidade Geral, Arquivologia (apenas para Escrivão e Papiloscopista).

Aqueles que se inscreveram nas vagas para Papiloscopista, por sua vez, também tiveram que responder questões relacionadas com Biologia, Física e Química. O candidato James de Souza Guedes, que está concorrendo para o cargo de Agente da Polícia Federal, teve a impressão de que as questões objetivas estavam complexas, mas não como nas provas da Polícia Rodoviária Federal.

“A prova estava bem complexa, principalmente em estatística”, disse. O candidato também comentou que não teve dificuldades em conciliar os estudos para ambas as provas. “Boa parte das matérias são correlatas...Isso facilitou muito. O que eu fiz foi encaixar, no meu plano de estudos, Contabilidade e Trânsito... e, assim que abriu o edital, nos finais de semana, eu estudava assuntos novos”, comentou.

Sobre a etapa discursiva, James não sentiu muita dificuldade. “A prova discursiva foi tranquila... basicamente tratava da polícia em relação aos direitos fundamentais, diretos humanos e o papel da PF nesses assuntos. Achei o tema bem tranquilo. O da PRF também achei tranquilo”, concluiu. Vale lembrar que o gabarito preliminar das provas será liberado a partir das 19h do dia 25 de maio, pelo site do Cebraspe.

Bruno Destéfano
Redator
Nasceu no interior de Goiás e se mudou para a capital, Goiânia, no início de 2015. Seu objetivo era o de cursar Jornalismo na UFG. Desde o fim de sua graduação, já atuou como roteirista, gestor de mídias digitais, assessor de imprensa na Câmara Municipal de Goiânia, redator web, editor de textos e locutor de rádio. Escreveu dois livros, sendo um de ficção e outro de não-ficção. Também recebeu prêmios pela produção de um podcast sobre temas raciais e por seu livro-reportagem "Insurgência - Crônicas de Repressão". Atualmente, trabalha como redator web no site "Concursos no Brasil" e está participando de uma nova empresa no ramo de marketing digital.

Compartilhe

Especial Auxílio Emergencial

Veja mais »