Teste físico em concurso: como se preparar para a prova

Repetir as séries de treinamento não basta na hora de se preparar para o teste físico em concurso. Antecedência e cuidado são palavras-chave. Entenda:

teste-fisico-em-concurso

Todos nós somos movidos por diferentes metas de vida, ainda mais quando estamos falando sobre aquele concurso dos sonhos. Assim como qualquer grande desafio, é necessário planejar-se com antecedência para não se deparar com surpresas ou imprevistos. Uma das fases mais temidas está diretamente ligada ao teste físico em concurso. Afinal, é esse bicho de sete cabeças mesmo? Qual seria o segredo para ultrapassar este temido desafio de caráter unicamente eliminatório?

Sabemos que a primeira etapa da maioria dos concursos é voltada para as provas objetivas e/ou discursivas, no sentido de fazer com que o candidato se adeque às exigências intelectuais e inerentes ao cargo. No entanto, o teste de aptidão física (TAF) também é bastante comum nas carreiras como as da Polícia Militar, Bombeiro, Polícia Federal, Agente de Trânsito e Guarda Municipal.

O que ambas as etapas têm em comum? Assim como o candidato precisa se dedicar com antecedência à prova de múltipla escolha ou discursiva, o mesmo deve ser aplicado ao teste físico em concurso. O erro reside em subestimá-lo ou não ter confiança o suficiente para se preparar mesmo sem saber o resultado da prova objetiva.

Afinal, o intervalo entre ambos os processos é de geralmente 5 ou 6 semanas. Isso é muito pouco se formos levar em consideração o tempo para garantir um bom condicionamento físico, hábitos alimentares saudáveis e constantes práticas de exercícios.

Quer saber como se preparar para o teste físico em concurso? Conversamos com o personal trainer Ycaro Mota para desvendarmos todos os mistérios por trás deste assunto. Acompanhe a matéria!

Saiba com que você está lidando desde a divulgação do edital

Não é possível conquistar a tão sonhada vaga no concurso público se você não dominar todas as etapas. De acordo com o personal trainer Ycaro Mota, o candidato deve alcançar o mínimo de condicionamento para superar até mesmo as inseguranças. Só realizar o preparo após ter certeza que passou na prova objetiva? Nada disso!

Todo bom treinamento deve ser feito com antecedência e de maneira constante, no sentido de entender plenamente todas as diretrizes do edital. Dessa maneira, o candidato conseguirá extrapolar a repetição da rotina de exercícios e entender sobre o que o teste realmente se trata.

“O foco deve sempre estar direcionado aos exercícios adotados pelo edital. Mas é importante perceber que repetir a rotina do TAF não é treinar de fato. O principal erro é a simples repetição”, começa. “De forma prolixa, defendo que o dever do candidato é manter-se fisicamente ativo a partir do momento que tem intenção de participar de concursos nos quais exigem TAF”.

A pressa é definitivamente inimiga da perfeição. Sem o planejamento, não há como prevenir acidentes ou alcançar o condicionamento ideal para o teste físico em concurso.

Conheça o seu corpo e o percurso do TAF

A dica-chave do profissional é a seguinte: “há pessoas que não trazem consigo o controle motor ideal. Portanto, desperdiçam energia para realizar movimentos simples como andar, correr e saltar. Seria interessante efetuar treinos com dificuldades graduais, níveis crescentes até que haja superação nas valências físicas”. Afinal, cada corpo tem as suas necessidades particulares.

Um bom condicionamento físico dependerá de estratégias singulares para cada biotipo, sendo fundamental acompanhar a sua relação de massa corporal. “O IMC (Índice de Massa Corpórea) é um protocolo bem simples, mas pode auxiliar no norteamento da estratégia”, o profissional recomenda.

Além disso, conhecer o percurso em que o teste será realizado influencia significativamente no desempenho. Estar “à vontade” com o espaço promove “a segurança de fazer as tarefas exigidas”, sem a surpresa de desconhecer o terreno. Ycaro Mota enfatiza que “em questão de aspectos psicológicos, conhecer o percurso definitivamente favorece o candidato que executará o teste físico em concurso”.

Se possível, busque acompanhamento profissional

Ycaro Mota afirma que, de uma maneira geral, o conhecimento exigido para executar o teste físico não é complexo. Porém, pode ser desafiante para quem não tem costume de treinar e se exercitar diariamente.

“Caso seja possível, o candidato pode fazer parte de algum grupo de estudos em escolas preparatórias ou, pelo menos, pode consultar um professor de educação física”, Mota aconselha. O ideal seria buscar acompanhamento profissional para entender como as atividades devem ser feitas. Isso evitaria acidentes, lesões ou treinos mal aproveitados.

Trabalhe com as suas possibilidades e dentro de seus limites

A antecedência é importante para você avaliar as condições do corpo e entender os seus limites. Qual a dinâmica lhe faz sentir-se mal? Se “jogar” no treinamento não ajuda em termos práticos, mas é importante desafiar-se no processo.

Ycaro Mota diz que é complicado explicar de maneira resumida como funciona o processo biológico. No entanto, o treino perfeito poderia estar mais ou menos no intervalo entre os extremos. “O ideal seria realizar um treino que lhe tire da zona de conforto, mas que não comprometa a sua dignidade e saúde”.

Dicas de como se preparar bem para o teste físico em concurso

Mesmo que você não seja “expert” no assunto ou nos treinos, nada é impossível de se alcançar. Basta praticar com antecedência e realizar os testes de acordo com as normas do edital. Elas podem variar bastante e, por isso, é fundamental conhecer todos os detalhes que serão cobrados.

O personal trainer ressalta que a configuração do corpo influencia no desempenho, mas praticamente tudo é treinável. “A utilização dos aparelhos de musculação pode ser uma aliada no processo de condicionamento físico, aumentando gradualmente a força da musculatura”.

Barra fixa, impulsão horizontal e flexão

Ycaro Mota enfatiza um princípio básico na hora de se preparar para os testes, especialmente os de barra fixa, impulsão horizontal, flexão abdominal e flexão abdominal de quatro apoios.

Sabe qual é? A relação de “peso e força”. Quanto mais exercícios para que os músculos resistam ao cansaço, melhor. Assim, eles terão mais força para “aguentar o tranco” e você poderá executar os movimentos com mais agilidade e eficiência.

É preciso dar condições para que os músculos se adaptem, conhecendo a quantidade de repetições, o número de séries e a frequência semanal para cada exercício. “A rotina de treinamento é o que vai fazer com que o candidato evolua nas valências para o TAF. Força e Cardiorrespiratório”, o personal trainer Ycaro informa.

Corrida e natação

Já a constância no ritmo é fundamental para o teste de cooper, corrida de 4-12 minutos ou natação. Nem muito rápido e nem devagar demais: na medida certa para que você não desista no meio do caminho. Entender os seus limites e a maneira como o seu corpo funciona é um pré-requisito essencial.

Abdominal (tipo remador)

Além disso, o segredo para se sair bem no teste de abdominal (tipo remador) é somente um: técnica. O candidato precisa estar posicionado de barriga para cima, com braços e pernas estendidas.

A partir dessa posição, eleva-se o tronco no mesmo instante que o recolhimento e flexão das pernas. Lembrando que os braços devem estar acima da cabeça!

Os calcanhares precisam estar no rumo do quadril e os cotovelos devem passar a articulação dos joelhos. A orientação de um personal trainer é um diferencial para quem não tem costume de realizar esses movimentos.

Como evitar acidentes no período de treinamento?

Dar tempo ao tempo! Ycaro Mota ressalta que saber seus limites e se planejar tem o potencial de condicionar o corpo. Assim, é possível evitar acidentes que prejudiquem o desempenho no dia do teste físico.

“Em caso de candidatos que não mantém uma rotina de treinamento, será comum sentir desconforto físico. Risco de lesões? Iminente”, o profissional avisa.

Oportunidades iguais

Com o objetivo de não prejudicar candidatas em razão de circunstâncias naturais, o projeto de lei 2429/19 regulamenta o TAF para gestantes. De acordo com o texto que tramitou no Senado, elas têm o direito de realizar o teste em data diferente da prevista.

O projeto informa que a etapa deve ocorrer entre 30 e 90 dias após o término da gravidez. No entanto, é necessário comprovar a situação por meio de exame laboratorial ou declaração de profissional médico.

Ycaro Mota diz que é completamente possível manter o treinamento para o TAF durante a gravidez, desde que respeitado o eixo de volume e intensidade. Depois do fim do processo gestacional (mínimo de 30 dias), a candidata conseguirá cumprir o exigido pelo teste físico em concurso.

O que fazer nos últimos dias antes do teste físico?

Depois de tanto treinamento e preparo físico/mental... O que fazer quando o famigerado dia estiver chegando? “O candidato deve manter a boa alimentação, focar em alimentos energéticos, hidratação e descanso”, diz. Poupar energias é fundamental e nada melhor do que um descanso revigorado!

No dia do teste, não se esqueça de levar alimentos que deem suporte energético. A principal ideia ao fazer isso, de acordo com Ycaro Mota, é a de inibir as possíveis fadigas durante a prova.

E você, está em processo de preparação para o teste físico de algum concurso público? Qual vaga você está disputando ou pretende disputar? Compartilhe sua experiência nos comentários!

Este conteúdo faz parte do Guia do Concurseiro, uma página especial com os passos para você entender como o universo dos concursos públicos funciona. Continue sua jornada, clicando aqui!

Bruno Destéfano
Redator
Nasceu no interior de Goiás e se mudou para a capital, Goiânia, no início de 2015. Seu objetivo era o de cursar Jornalismo na UFG. Desde o fim de sua graduação, já atuou como roteirista, gestor de mídias digitais, assessor de imprensa na Câmara Municipal de Goiânia, redator web, editor de textos e locutor de rádio. Escreveu dois livros, sendo um de ficção e outro de não-ficção. Também recebeu prêmios pela produção de um podcast sobre temas raciais e por seu livro-reportagem "Insurgência - Crônicas de Repressão". Atualmente, trabalha como redator web no site "Concursos no Brasil" e está participando de uma nova empresa no ramo de marketing digital.

Compartilhe

Comentários