Dicas de estudos para o próximo concurso da Caixa

Dicas de estudos para os concurseiros interessados no próximo concurso da CAIXA, que ainda não tem data para ser aberto. Confira também questões comentadas de Raciocínio Lógico, Matemática e Português.

A primeira informação que precisa ser dada neste artigo é a mais óbvia: ainda não há, oficialmente, previsão de concurso para a Caixa Econômica Federal em 2016. Especulações fantasiosas precisam ser evitadas, principalmente porque o Brasil passou em 2015 por um momento de "entressafra" de concursos públicos, com anuncios de crises no setor e a expectativa de que a situação ainda se desenrole no ano de 2016. Porém, há fortes indicadores de que o banco estatal formará novo cadastro de reservas.

No entanto, não podemos descuidar de indicar a tônica do momento: é preciso planejar os estudos com uma boa antecedência, ainda mais se o projeto é passar no concurso da Caixa. Assim, o melhor momento de se preparar para um concurso é quando não há mesmo evidência imediata de que o edital seja lançado.

De acordo com o que foi divulgado no DOU de 23/12/2015, o limite máximo de empregados públicos permitido para o banco é de 97.732 funcionários e, como a Caixa ainda não atingiu esse "teto", existem esperanças de que parte dos aprovados no concurso de 2014 seja convocada. Mas, caso essas convocações não aconteçam até o vencimento dos concursos (junho de 2016), pode-se pensar na abertura de novo edital.

Retrospectiva

Nos anos de 2012 e 2014 quão grande não foi a felicidade dos milhões de concurseiros que se inscreveram nos dois últimos concursos públicos da Caixa Econômica Federal. A oportunidade de 2012 foi exclusivamente voltada para a formação de cadastro reserva no cargo de Técnico Bancário Novo ou Escriturário (nível médio) e outros cargos de nível superior. Já o certame de 2014, sob a responsabilidade do CESPE/UnB, abriu cadastro para Técnico Bancário Novo, Engenheiro (áreas Agronômica, Elétrica, Mecânica e Civil) e Médico do Trabalho.

A história recente dos concursos da Caixa revela que, de fato, todos são para a formação de cadastro de reserva, tendo a vigência de um ano, prorrogável por mais um. No entanto, o que se deve esperar de novidade para o novo concurso da Caixa a partir de 2016 é que seja pensada a necessidade de se oferecer vagas imediatas. A principal razão para essa tendência é a mudança ocorrida nos concursos do Banco do Brasil, que não mais abrirá concurso apenas para formação de cadastro.

Momento de estudar com calma

No momento, há uma certeza: se o candidato a começar os estudos com bastante antecedência, não sentirá aquela velha sensação de "retardatário" tão comum de se sentir assim que um grande edital é lançado.

Os professores de preparatórios dizem - e nós concordamos - que a melhor época de se estudar para um grande concurso é quando sequer existe previsão de lançamento de edital. É por isso que este atual momento de "crise" tem se caracterizado como promissor. (Não acredita? Leia isto).

A Caixa, assim como o Banco do Brasil, avaliou seus últimos candidatos por meio de provas objetivas e discursivas, com duração de quatro horas. Sabendo disso, a primeira coisa a ser feita pelo candidato é desenvolver seu cronograma de estudos, lembrando que ele terá pela frente meses suficientes não somente para estudar a matéria, mas para revisá-la frequentemente

Primeiramente, vamos repassar o conteúdo da prova de Técnico Bancário:

Prova objetiva

A proposta geral do Cespe em 2014, conforme a descrição padrão feita, é "avaliar habilidades que vão além do mero conhecimento memorizado, abrangendo compreensão, aplicação, análise, síntese e avaliação, com o intuito de valorizar a capacidade de raciocínio" do candidato.

Assim, foram cobrados os conhecimentos básicos de:

LÍNGUA PORTUGUESA: 1 Compreensão e interpretação de textos. 2 Tipologia textual. 3 Ortografia oficial. 4 Acentuação gráfica. 5 Emprego das classes de palavras. 6 Emprego do sinal indicativo de crase. 7 Sintaxe da oração e do período. 8 Pontuação. 9 Concordância nominal e verbal. 10 Regência nominal e verbal. 11 Significação das palavras.

NOÇÕES DE INFORMÁTICA: 1 Conceitos e modos de utilização de aplicativos para edição de textos, planilhas e apresentações: ambiente Microsoft Office, BR Office. 2 Sistemas  operacionais: Windows e Linux. 3 Conceitos básicos e modos de utilização de tecnologias, ferramentas, aplicativos e procedimentos associados à Internet e intranet. 4 Conceitos de organização e de gerenciamento de informações, arquivos, pastas e programas. 5 Certificação e assinatura digital. 6 Aplicativo AutoCAD. 7 Aplicativo MS-Project. 

MATEMÁTICA: 1 Rendas uniformes e variáveis. 2 Planos de amortização de empréstimos e financiamentos. 3 Cálculo financeiro em contexto inflacionário. 4 Avaliação de alternativas de investimentos em economia estável e em ambiente inflacionário. 5 Taxa de retorno, taxa interna de retorno. 

NOÇÕES DE DIREITO: 1 Organização Administrativa do Estado Brasileiro. 2 Princípios da Administração Pública. 3 Serviços públicos: conceito e natureza, modalidades e formas de prestação, o perfil moderno do serviço público. 4 Concessão, Permissão e Autorização. 5 Leis nº 8.666/1993 e nº 10.520/2002, Decreto nº 5.450/2005 e legislação posterior - regime jurídico da licitação e dos contratos administrativos: obrigatoriedade, dispensa, inexigibilidade; procedimentos, anulação e revogação; modalidades de licitação. 6 Transferências de recursos da União mediante  convênios e contratos de repasse (transferências voluntárias). 7 Regime Diferenciado de Contratações Públicas – RDC (Lei nº 12.462/2011, regulamentada pelos Decretos nº 7.581/2011 e nº 8.080/2013), regimes de execução indireta e documentos técnicos integrantes do edital. ÉTICA: 1 Conceitos: ética, moral, valores e virtudes. 2 Ética aplicada: noções de ética empresarial e profissional. 3 A gestão da ética nas empresas públicas e privadas. 4 Código de Ética da CAIXA (disponível no sítio da CAIXA na internet). 5 Código de conduta da alta Administração Pública.

RESPONSABILIDADE SOCIAL E EMPRESARIAL: 1 Noções sobre os princípios do Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social. 2 Critérios para etiquetagem energética de edificações por meio do Programa Brasileiro de Etiquetagem (PBE). 3 Noções de acessibilidade a pessoas com deficiência.

Prova discursiva

A prova discursiva, de caráter eliminatório e classificatório, consistiu na resposta a duas questões discursivas, de até 20 linhas cada, a respeito de temas relacionados aos conhecimentos específicos do respectivo cargo. O objetivo foi avaliar "o conteúdo – conhecimento do tema, a capacidade de expressão na modalidade escrita e o uso das normas do registro formal culto da Língua Portuguesa". 

O texto motivador da prova de Redação de 2014 foi o seguinte:

"O conforto trazido pelos avanços tecnológicos é inegável, mas você é capaz de avaliar o impacto que TVs (e seus controles remotos), computadores, telefones móveis e carros podem ter na vida e na saúde das famílias? Recente estudo de universidade canadense mostrou que essas comodidades da vida moderna aumentam muito o risco de obesidade, principalmente nos países em desenvolvimento, em que parcelas significativas da população melhoraram sua condição econômica e passaram a adquirir esses bens de consumo. Isso não é exatamente uma novidade nos países desenvolvidos. Não é à toa que, por exemplo, ingleses, norte-americanos e canadenses lutam contra uma verdadeira "epidemia" de obesidade há décadas. A novidade é a migração desse padrão para países em desenvolvimento, o que pode onerar ainda mais os seus sistemas de saúde pública, que já enfrentam inúmeras limitações de orçamento. A pesquisa apontou a relação entre esses itens de consumo, maior sedentarismo e risco aumentado de obesidade e doenças dela decorrentes (como diabetes e hipertensão)".

Jairo Bouer. O peso da tecnologia. In: O Estado de S.Paulo, 16/2/2014, p. A28 (com adaptações).

A questão pedia que o candidato considerasse "que o fragmento de texto acima tem caráter unicamente motivador", redigisse "um texto expositivo-argumentativo acerca do seguinte tema:

IMPACTOS POSITIVOS E NEGATIVOS DOS AVANÇOS TECNOLÓGICOS NA VIDA MODERNA"

Dicas gerais - Redação

Ainda que candidatos com "personalidades fortes" prossigam evitando começar primeiro pela redação, acreditamos que escrever antes de assinalar é o melhor caminho. Uma boa lida no texto motivador e no tema proposto, aliada à disponibilidade de tempo inicial para começar um texto sem pressões, pode propiciar um melhor desempenho geral na escrita do texto dissertativo. Independente de qual seja a banca futura, o candidato deverá comprovar ser capaz de escrever um texto dentro dos padrões considerados aceitáveis pela norma gramatical culta brasileira, sem descuidar do fato de que necessitará demonstrar um domínio aceitável do pensamento escrito, que seria essa capacidade de organizar logicamente as ideias no papel.

A bagagem cultural de cada um poderá fazer toda a diferença nesta hora e não o fato do concurso contemplar muitos candidatos que já possuem nível superior (apesar de exigir nível médio). O candidato de nível médio não deve se deixar levar pela falsa impressão de que possuidor de nível superior automaticamente tem mais experiência intelectual. Existem pessoas que nunca fizeram uma graduação que possuem um hábito de leitura muito mais internalizado do que muitos graduandos ou graduados.

Na prova de Redação, muitas surpresas podem acontecer, portanto, a dica é prosseguir insistindo na leitura de bons textos (contos, romances, editoriais, jornais, por exemplo). Hoje em dia, fala-se muito que a nossa capacidade de concentração está em vias de se fragmentar, graças ao avanço das tecnologias em rede e a consequente leitura em meio digital. Mas, que tal, se desligar um pouco, pelo menos uma hora por dia, para ler algum produto que não dependa de internet, a exemplo de um livro de papel, ou menos um bom livro já baixado? Pode valer muito à pena.

Não há fórmulas para se fazer um bom texto, pois existem características individuais. Porém, escritores que, por exemplo, organizam em tópicos os seus pensamentos antes de escrever o texto em parágrafos, tendem a conseguir se realizar melhor na escrita. Tomando como base a prova de 2014, o candidato poderia elabolar tópicos, tais como:

- A tecnologia moderna veio para ajudar o homem a interagir com seu semelhante e encurtar distâncias

- Essa ilusão de que "tudo está disponível com um clique" tem contribuído para o cultivo de uma vida sedentária

- O avanço da tecnologia de comunicação tem gerado nas pessoas a ilusão de que a realidade desejada é a virtual, e não a real

- É preciso tomar consciência de que a vida online é somente uma parcela mínima da vida real, que ainda precisa ser vivida.

A partir de tais pontos de vista, o candidato poderia elaborar o seu texto, tendo o cuidado para estruturá-lo com um começo, um meio e um fim plausíveis. Entretanto, continuamos a reforçar um conselho básico: em escrita, vale muito a tática de ler e treinar. Quanto mais você treinar a escrita, mais terá possibilidade de desenvolver um bom texto no "dia D". Não espere acontecer aquela "inspiração" somente no dia marcado, "quem sabe faz a hora, não espera acontecer".

Dicas gerais - conteúdos teóricos

Em Informática, acredita-se que pouca alteração haverá, salvo nos casos típicos de atualizações de programas, tais como o Microsoft Office (2010 ou 2013) e o Libre Office, que veio tomar o lugar do já antigo BR Office. Sobre Sistemas  operacionais, provavelmente a prova futura deverá se debruçar sobre o Windows 7, uma vez que o Windows 10 praticamente acaba de ser lançado neste segundo semestre de 2015.

As provas de língua portuguesa das principais bancas têm primado pela compreensão global do texto e a assimilação dos principais usos linguísticos da atualidade, no tocante ao que é padrão culto.  Talvez seja por isso que o conteúdo não evoca, em si mesmo, novidade alguma, a não ser aquilo que é considerado quase como "obrigação" de todo candidato em saber, pelo menos, o mínimo de cada um daqueles assuntos. O problema, no entanto, é o tipo de formulação que bancas como Cespe ou Cesgranrio (candidatas fortes a organizar o próximo concurso) darão às questões cobradas.

Para todos os outros conteúdos, a dica é muito sensata e sem novidades: além de estudar muito e mais de uma vez, será preciso  realizar uma bateria exaustiva de testes. Então, não perca mais tempo, comece a se programar agora!

Questões comentadas de Raciocínio Lógico/Matemática - Caixa - Técnico Bancário

(Caixa, 2014)

Em cada um dos itens a seguir, é apresentada uma situação hipotética, seguida de uma assertiva a ser julgada com base nas seguintes informações: determinado banco oferece a aplicação financeira X, que remunera a uma taxa de juros compostos de 1% ao mês e tem liquidez imediata.

Para adquirir um bem apenas com recursos investidos na aplicação financeira X, Carlos dispõe das seguintes opções de pagamento:

opção A – pagamento à vista, com desconto de 3% do valor de tabela; ou

opção B – pagamento em duas parcelas, cada uma delas igual à metade do valor de tabela do bem, a primeira vencendo 1 mês após a compra e a segunda vencendo 2 meses após a compra.

Nessa situação, a opção A é financeiramente mais vantajosa para Carlos.

Vamos analisar cada uma das opções. Para decidir qual a mais vantajosa precisamos comparar quanto dinheiro Carlos terá no banco em um mesmo momento. Na opção B Carlos só terminaria de pagar pelo item dois meses após a compra. Então esse é um bom momento para comparar a quantidade de dinheiro que continuará no banco em cada uma das opções. Para facilitar a notação vamos chamar de Y a quantidade de dinheiro que Carlos tinha no momento da compra, e de C o custo (sem desconto) do bem que Carlos vai comprar.

Opção A:

Ao pagar a vista pelo bem Carlos terá que pagar 97% do seu preço: 0.97xC. Dessa forma ele ficará com Y- 0.97xC em sua conta. Após 2 meses essa quantidade será remunerada por juros composto e o montante que Carlos terá será:

M(A) = (Y- 0.97xC)x(1+0,01)2

M(A) =(Y- 0.97xC)x(1,01)2 = Y x(1,01)2 - 0.97xCx(1,01)2 ≈ Y x(1,01)2 - 0.99xC

Opção B:

No momento de pagar a primeira parcela o dinheiro no banco terá rendido um mês de juros composto e o montante será:

M1 = Y x (1+0,01) = Y x 1,01

Após efetuar o pagamento da primeira parcela ele ficará com: Y x 1,01 – 0,5 x C

Ao pagar a segunda parcela o dinheiro que ficou no banco terá rendido mais um mês de juros composto levando a um montante de:

M2 = (Y x 1,01 – 0,5 C) x (1+0,01) = Y x (1,01)2 – 0,5 x C x 1,01

Após o pagamento da segunda parcela, a quantidade de dinheiro presente no banco será:

M(B) = Y x (1,01)2 – 0,5 x C x 1,01 – 0,5 x C

M(B) = Y x (1,01)2 – 0,5 x C x 2,01 = Y x (1,01)2 – C x 1,005

Comparando o valor presente no banco dois meses após a compra do item vemos que M(A)>M(B), portanto é mais vantajoso usar a opção A.

(Caixa, 2014)

Considerando a proposição “Se Paulo não foi ao banco, ele está sem dinheiro”, julgue os itens seguintes.

Se as proposições “Paulo está sem dinheiro” e “Paulo foi ao banco” forem falsas, então a proposição considerada será verdadeira.

A proposição considerada diz que “Paulo não foi ao banco” (R) implica em “Paulo está sem dinheiro” (S).

R -> S

Ela diz que R ser verdadeiro é uma condição suficiente, mas não necessária, para que S seja verdadeiro. Para que essa proposição seja verdadeira é preciso que:

- Se R for verdadeiro S deve, necessariamente, ser verdadeiro.

- Se R for falso, S pode ser verdadeiro ou falso.

- Se S for falso R necessariamente é falso.

Resumindo:

RSR -> S
VVV
VFF
FVV
FFV

Afirmar que “Paulo está sem dinheiro” é uma proposição falsa é equivalente a S ser falso. Já, dizer que “Paulo foi ao banco” é falso é equivalente a “Paulo não foi ao banco” ser verdadeiro, o que equivale a R verdadeiro. Olhando na tabela vemos que “R verdadeiro” e “S falso” equivale a “R -> S falso”. Assim, a proposição seria falsa nesse caso e a afirmação estaria incorreta.

Leia também:

Tópico: Caixa Econômica Federal

Compartilhe

Comentários

Mais Dicas