Conhecimentos específicos para Técnico-Administrativos

Dicas gerais sobre a prova de Conhecimentos Específicos do cargo de Assistente em Administração de Universidades Federais, válidas também para outros órgãos federais.

Concursos na área federal não cessam de acontecer, em todos os níveis de escolaridade. Por exemplo, Universidades e Institutos Federais estão publicando editais ao longo de todo o ano. Exemplos deste momento de 2016 são os concursos abertos para UFAM, UFLA, IFNM, UNIFESSPA, UFRN, entre outros órgãos, que contemplam vagas no cargo de Assistente em Administração.

Se você pensa em concorrer a uma dessas vagas na área de Técnico Administrativo em Educação, separamos algumas dicas que serão úteis para a realização da prova de conhecimentos específicos. Estas informações também são válidas para diversos outros concursos federais.

Os temas que serão cobrados nas provas de questões específicas da área, serão:

1. Lei 8.112/90 (atualizada)

A Lei 8.112/90 regulariza o Regime Jurídico dos Servidores Públicos Federais, logo, tem como objetivo delimitar o que é permitido ou não aos cargos federais e quais as diferenças básicas entre servidor público, funcionário público e concursado. O foco é delimitar como será a atuação e a efetivação, desde os aspectos relacionados aos benefícios das carreiras, o provimento, a nomeação, entre outras normas.

2. Princípios básicos da organização (abordagem clássica, neoclássica e burocrática)

Há muitas teorias da administração. Entre as principais, está a abordagem clássica, que consiste no primeiro processo de estrutura organizacional administrativa. Essa abordagem tinha como objetivo gerenciar uma cadeia de comando baseando-se na produtividade, eficiência, e, de tal forma, na exploração do trabalhador, que acaba sendo “comprado” pelo salário e tornando-se um empregado totalmente mecânico.

Já a teoria neoclássica pode ser considerada um "upgrade" da clássica: é mais flexível e foca no conceito de aliar a teoria à prática, dando mais concretude à estrutura organizacional.

A doutrina organizacional burocrática, por sua vez, leva em conta a racionalidade do indivíduo ao ambiente de trabalho. O que conta não é a emoção ou o sentimento, mas sim sua máxima eficiência em realizar tarefas e, assim, aumentar a sua produtividade.

3. Diferenças gerais entre Eficiência e Eficácia

Para entender melhor esses dois conceitos, utilizaremos a explicação dada pelo Pai da Administração, Peter Drucker. Enquanto a Eficiência está conectada ao nível operacional, em que você precisa fazer as coisas de maneira correta e da forma mais rápida com menos tempo gasto, a Eficácia consiste em fazer as coisas certas, como se você precisasse tomar decisões certas, estando conectada ao enfoque ou nível gerencial.

4. Delegação

Delegação é quando o chefe entrega uma função, uma tarefa para o seu subordinado cumpri-la. Logo, ele delega (transfere) ao subalterno uma obrigação que deve ser feita corretamente no tempo determinado. Dessa forma, há um maior aproveitamento de recursos e uma melhora na relação interpessoal, por conta da confiança depositada.

5. Centralização versus Descentralização

Tanto a Centralização quanto a Descentralização precisam ser adequadas para a necessidade da empresa. Enquanto a Centralização está voltada para o topo da organização, como se fosse o "centro" fosse o dono da empresa, a Descentralização é definida como a prática de delegar tarefas para níveis hierárquicos inferiores, levando-os a tomar decisões, tais como os gerentes fazem nas corporações. Dependendo do grau da decisão, pode ocorrer dentro da mesma empresa formas centralizadas e descentralizadas de organização.

6. Planejamento

Planejamento é quando você estabelece estratégias a fim de cumprir prazos e executar ações que poderão influenciar no objetivo final. O planejamento serve para que o futuro se torne realidade, logo, é um conjunto de diversas ações que, juntas, poderão oferecer maiores vantagens.

7. Tipos de planos

Na administração há três tipos de planos que atuam dependentemente. Enquanto o plano estratégico irá estabelecer quais ações serão executadas para atingir um objetivo comum, o plano tático "traduzirá" as estratégias, a fim de que elas possam dar certo, se concretizem, tendo como foco o imediatismo e o envolvimento de cada departamento. E o plano operacional é a burocracia e a documentação dos outros planos, é onde será colocado no papel os recursos necessários para a implementação das ações, os responsáveis, os prazos e quais seriam as expectativas.

8. Organização (função administrativa)

O dinamismo de uma empresa faz com que o empresário tenha que tomar decisões conforme o mercado trabalha. Sendo assim, a organização é vista como função administrativa para que possa sempre se adaptar e se adequar ao ambiente, superando as expectativas e sobrevivendo no meio da sociedade.

9. Direção

A direção surge como um controle para que o resultado seja obtido dentro daquele prazo, para que a empresa fique organizada e que as tarefas (já planejadas) sejam executadas por esse processo, essa direção, por meio de funcionários comprometidos.

10. Controle

O controle nada mais é do que a verificação de que as tarefas estão sendo executadas conforme planejadas, tal como observar se houve erros ou falhas em algum processo para que não se repita novamente.

11. Departamentalização

O objetivo da departamentalização é de organizar melhor aquela empresa que cresceu e que precisa dividir funções para melhorar o desempenho e administrar os seus objetivos. Entretanto, esse tipo de divisão deve ser feito adequadamente, para não influenciar um comportamento extremamente competitivo ou instável. É também a forma de agrupar atividades específicas, tais como o departamento de recursos humanos, recursos financeiros, entre outros.

Boa prova e sucesso aos concurseiros!

Confira mais dicas sobre Conhecimentos Específicos aqui.

Mais Dicas