Dicas para provas de Técnico de Enfermagem

Noções sobre os cuidados com o corpo após morte, conhecimento essencial para participar das provas para o cargo de Técnico de Enfermagem.

Concursos para o cargo de Técnico em Enfermagem despontam a todo o momento pelo Brasil. Exemplo disso é que um dos assuntos de prova recorrentes é: "cuidados com o corpo após morte". Para auxiliar nos estudos, confira algumas informações sobre o tema.

Por mais difícil de lidar emocionalmente, o profissional Auxiliar de Enfermagem deve estar preparado para realizar os procedimentos técnicos, sempre priorizando o respeito do indivíduo e ao preparo do seu corpo. Logo, tanto o profissionalismo quanto a ética são vitais para compreender a morte.

É válido ressaltar que o objetivo desse procedimento é preservar a aparência do corpo, de forma natural, deixando-o limpo e evitar que haja secreções ou saída de gases. Há alguns aspectos que precisam ser levados em consideração durante o preparo do corpo.

Primeiro passo

Após constatar o óbito e antes de levar o corpo ao necrotério, é função do enfermeiro (ou técnico/auxiliar de enfermagem, na ausência do princila) permitir que os familiares se despeçam da pessoa, dando-lhes um tempo. Além disso, os objetos pessoais do cadáver são recolhidos e entregues à família. Em seguida, deve-se preparar o corpo e realizar anotações precisas no prontuário.

Segundo passo

O segundo passo é preparar o corpo. É necessário cercar o leito com biombos, calçar luvas e aventais e começar o procedimento:

Anotar a hora;
Fechar os olhos do cadáver;
Deixar os membros alinhados;
Retirar sondas e outros aparelhos que esteja no cadáver;
Cobrir o corpo com lençol, retirando as roupas extras;
Colocar curativos, se necessário;
Tampar com algodão orifícios, se necessário e indicado (e quando não houver restrição religiosa, embalsamamento ou necropsia);
Fixar a mandíbula, punhos e tornozelos;
Colocar a etiqueta de identificação no tórax do cadáver;

Observações

Não se pode esquecer que o cadáver deve ser respeitado durante todo o procedimento e o enfermeiro deve ausentar-se de sentimentos, realizando sua profissão com responsabilidade e ética.

Na hora da retirada dos drenos, sondas, ostomias ou acesso central, por exemplo, deve ser feita com muito cuidado e atenção, anotando todos os dados em relação ao tipo, localização no corpo, curativo, débito, e assim por diante. O aspecto de inserção também precisa ser levado em consideração no momento de descrição do prontuário.

Aliás, deve-se saber os tipos de óbitos possíveis. São três: definido, mal definido e caso de polícia. O primeiro é quando a causa da morte é identificada e reconhecida. O segundo é quando não se sabe a causa da morte, levando ao corpo para a necropsia. E o terceiro é quando há comprometimento legal, em que o corpo será encaminhado para o IML (Instituto Médico Legal).

O material utilizado para o preparo do corpo após morte inclui: lençol, pinça, luvas, gaze, avental não esterilizado, separar uma bandeja para o procedimento, tesoura, material para higiene (se necessário), ataduras, máscara cirúrgica. A higiene do enfermeiro é essencial também, sendo preciso lavar as mãos com água e sabão. Aliás, há casos que algum familiar acompanha o procedimento, não sendo totalmente obrigatório.

Joana Lech (org.) Manual de procedimentos de enfermagem. Martinari. Hospital Alemão Oswaldo Cruz., 2006.

POTTER, P.A.; PERRY,A.G.. Fundamentos de Enfermagem. 7ª Ed. São Paulo: Elsevier, 2009.

Compartilhe

Comentários

Mais Dicas