Dicas para provas de Técnico de Enfermagem e Condutor Socorrista

Dicas sobre Política Nacional de Medicamentos, Assistência Farmacêutica no SUS e os Conceitos básicos em epidemiologia e saúde coletiva. Confira noções básicas sobre esses assuntos.

Política Nacional de Medicamentos

A Política Nacional de Medicamentos (1998) faz parte da Política Nacional de Saúde. Consiste em apresentar medidas que auxiliem a população em relação à busca e ao uso de medicamentos. O objetivo é promover assistência e, para isso, essa política explica como utilizar os medicamentos de forma racional, além de atestar a qualidade deles, a fim de não comprometer a saúde das pessoas.

No escopo dessa política há diretrizes que apontam para a inspeção adequada, aquisição e distribuição de medicamentos. Sabe-se que o mercado farmacêutico hoje exerce um papel preponderante no estímulo para que as pessoas cuidem melhor da saúde (ainda que saibamos que as finalidades veladas sejam essencialmente comerciais, mercadológicas por natureza). O lado ruim dessa superexposição de produtos farmacêuticos é o estímulo crescente à cultura da automedicação, que prevalece evidenciado na sociedade. Sobre isso, a Política propõe que tanto à população quanto aos profissionais de saúde que sejam instruídos a utilizar racionalmente os medicamentos, ainda que irregularidade do abastecimento em ambulatórios e hospitais e a dependência do SUS se tornem fatores agravantes.

Na Política, a primeira diretriz adotada é em relação aos medicamentos essências. É vital que estes estejam disponíveis à população, bem como presentes nos ambientes de saúde, por conta da sua eficácia, qualidade e segurança. Já a segunda contempla o registro de medicamento e questões relacionadas à vigilância sanitária. Na quarta diretriz, informa-se sobre o uso racional dos medicamentos, a fim de atentar-se para as prescrições médicas e educar a população quanto ao uso correto das substâncias. Nas diretrizes seguintes, abordam–se temas como o da produção e da qualidade dos medicamentos.

Assistência Farmacêutica no SUS

A Assistência Farmacêutica, do ponto de vista de um serviço instituído, iniciou-se antes da criação e implementação do SUS, em 1971. Teve como principal objetivo o fornecimento de medicamentos de qualidade e seguros para pessoas que não possuem condições econômicas de adquiri-los. Logo, essa assistência tem como foco a distribuição e a aquisição de medicamentos. Mais tarde, a Assistência Farmacêutica no SUS incorporou normas presentes na política de medicamentos da OMS (2001). Assim, ela contempla: a seleção de medicamentos essenciais, a disponibilidade, o financiamento, o suprimento, a regulação, a garantia de segurança, o uso racional, o monitoramento e, claro, a constante, avaliação.

Conceitos básicos em epidemiologia e saúde coletiva

Por definição, epidemiologia é a ciência que estuda, no coletivo humano, a relação saúde-doença. Tem como objetivo descobrir informações sobre o controle e erradicação das doenças e propor, por exemplo, medidas de prevenção. Além disso, busca-se identificar os fatores etiológicos das enfermidades (grosso modo: as possíveis causas das doenças).

O método epidemiológico é dividido em duas categorias básicas: a descritiva e a analítica. No método descritivo, aborda-se o tempo (quando foi afetado?), a pessoa (quem foi afetado?) e  o lugar (onde ocorreu?). É nesse método que se torna possível detalhar o perfil e estudar a frequência e distribuição das doenças. E na metodologia analítica, as questões relativas aos porquês e ao modo como se podem comprovar as associações casuais. Como dissemos antes, é na epidemiologia que se observa qual a causa daquela doença.

Há também o sistema de vigilância epidemiológica, que procura acompanhar e, de certa forma, detectar os surtos de epidemias, propiciando medidas de controle imediato, ao mesmo tempo em que se estuda determinada doença.

Compartilhe

Comentários

Mais Dicas