Dicas para as provas do concurso da FUNAI

Confira o que vai cair nas provas da FUNAI 2016 e as principais características da ESAF, banca organizadora.

Estão abertas as inscrições para o concurso da FUNAI - Fundação Nacional do Índio, desde o dia 02 de maio. Ao todo, são disponibilizadas 220 vagas de nível superior e um dos postos mais atrativos é o cargo de Indigenista Especializado, cujo valor salarial alcança iniciais R$ 5.345,02.

As vagas estão distribuídas pelos estados do Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará, Rondônia e Roraima. Confira a seguir algumas características gerais da banca escolhida para organizar este concurso:

A Escola de Administração Fazendária (ESAF) é uma das principais aplicadoras de provas para concurso público do país. As questões costumam ser de grau elevado de dificuldade, sendo a maioria de múltiplas escolhas. Por isso estudar através de provas anteriores irá aumentar suas chances.

Nas questões de Português, você irá encontrar textos longos e complexos. Assim, você poderá encontrar questões "trabalhosas", que exigirão do candidato o debruçar-se sobre o texto e maior atenção nas questões. A gramática normativa (ortografia, semântica e morfossintasse) parece ser a tônica da maioria das questões de Português, embora também traga questões interpretativas.

O mesmo traço caraterístico (textos longos) se percebe nas questões sobre as matérias de Direito Administrativo e Direito Constitucional, que também costumam ser extensas, devendo o candidato considerar o uso do tempo com sabedoria. A dica aqui é: não olhar o relógio com muita ansiedade, para tentar aplacar a pressão.

Uma boa estratégia é resolver as questões mais fáceis, primeiramente. Deixe àquelas que envolvam alto grau de raciocínio para depois, dessa forma, você não desperdiçará pontos considerados garantidos.

Nas provas de Direito e Legislação, costuma-se cobrar sobre a doutrina dos juristas e principalmente a jurisprudência do STF. Boa parte das questões relacionadas a Informática cobram sobre noções de sistema operacional Linux.

Além desse perfil, a ESAF:

- É uma banca vinculada ao governo federal (Ministério da Fazenda), que tem demonstrado muita qualidade nos processos de recrutamento empreendidos em todo o país. Realizou, entre seus tantos concursos de peso, o mais recente da ANAC;

- Tem seriedade na organização dos certames, baixíssimos indicadores de fraudes, portanto, possui confiabilidade e passa segurança para os concursandos;

- Como grandes concursos da área federal/financeira são realizados pela ESAF, os concursandos encontrarão muitas provas anteriores de concursos considerados de "elite", a exemplo da Receita Federal do Brasil e do Ministério da Fazenda;

- O concursando não deve esperar facilidade: provas das ESAF são consideradas por muitos analistas como difíceis. Ela elabora questões de média e alta complexidade, até mesmo com bastante profundidade;

- Geralmente, como diversas outras bancas de renome, as questões são do tipo múltipla escolha A, B, C, D, E;

- Há indicações de que a ESAF é uma banca que "gera" bastante recursos pós-provas, haja vista a divergência existente entre doutrinadores, na área dos Direitos;

- Reforçando o que foi dito antes, os candidatos devem estar atentos ao estudo da "letra da lei";

- O tempo para resolução das provas da ESAF é precioso. A experiência de muitos candidatos e professores tem demonstrado que até mesmo aqueles mais bem preparados utilizam o tempo da prova por completo;

- Para os concursos da ESAF que exigem conhecimentos em Língua Inglesa, os candidatos devem redobrar a atenção para o estudo do vocabulário. Para isso, é essencial rever e revisar provas anteriores de Inglês. Geralmente, os textos motivadores trazem questões da atualidade.

Como estudar para o concurso Funai

Comece pelas matérias mais difíceis: a parte de Direito tem um grande peso e pode ser a mais difícil para a maioria das pessoas. Seria interessante desenvolver um plano de estudos onde você estudaria todos os dias legislação exigente. O melhor plano é separar duas frentes de estudo por dia: durante o período da manhã você estuda Constitucional e no período da tarde estuda Português. No dia seguinte você estuda Direito Administrativo e à tarde Informática. Procure focar naquelas que você sente mais dificuldade, já que o tempo de estudo para as mais fáceis poderá ser flexibilizado.

Materiais online: hoje em dia, com os recursos da internet é muito comum encontrar boas aulas de Português, de Informática, de Direito Administrativo e diversas outras gratuitamente. Você precisa fazer uma seleção de materiais que ache válida, com uma linguagem e organização compreensíveis. Caso tenha um tempo sobrando (e dinheiro também), invista em materiais particulares e professores que conseguirão dar mais atenção aos seus questionamentos.

Pratique: procure fazer simulados online, ou mesmo responder a provas anteriores completas. Com os simulados online, você ganha tempo e comodidade, enquanto que com as provas anteriores “reais”. você vai se adaptando à exigência de tempo necessária para resolução das questões. Além disso, o “treino” traz familiaridade com os enunciados das questões, além, é claro, de testar o conhecimento que vem sendo adquirido através dos estudos.

Monte uma agenda: coloque metas e horários definidos para se dedicar única e exclusivamente aos estudos, garantindo maior rendimento. Utilize aplicativos online para agendamento de tarefas (por exemplo, o Trello.com, uma plataforma de anotações digitais que organiza suas tarefas de curto, médio e longo prazo, sempre salvando-as na nuvem). Você verá que terá mais tempo hábil, já que deixou tudo programado e pré-definido. A organização é um ponto chave para quem deseja alcançar o sucesso.

Critérios de desempate: preste atenção no edital sobre as matérias que podem desempatar a seleção dos aprovados. Critérios de desempate não costumam “salvar” muitas pessoas nos concursos, mas em situações de tensão “pré-provas” é sempre bom reunir mais de uma estratégia de estudos.

Dá para passar começando a estudar agora?

Se você não começou a estudar somente a partir de maio de 2016 é de suma importância que comece "com o pé direito" e sem desânimo, a fim de criar um excelente plano de estudos.

Em se tratando de concursos organizados pela ESAF, vale lembrar que há muito conteúdo pela internet, o que poderá auxiliar nos estudos. Alertamos que não devemos confiar apenas na "intuição" e achar que tudo o que se encontra é de boa qualidade. Assim, não hesite tanto quando ter que investir dinheiro na compra de materias de melhor qualidade. Não confie 100% no que está sendo oferecido gratuitamente.

Dicas para um bom plano de estudo:

- A determinação do concurseiro é um dos primeiros pilares para a construção de um bom plano de estudo;

- Saber a dimensão da concorrência pode ajudar;

- Provas anteriores;

- Conteúdos específicos, básicos e redação;

- Apostilas e materiais de qualidade. Use seu caderno, agenda, computador, smartphone ou tablet, com o que você se sentir e mais a vontade para colocar suas sugestões, cronograma de estudo, etapas. Aproveite também para anotar os dias da semana que você pode estudar, se no caso for estudar todos os dias, anote e cumpra horários (no mínimo, 04 horas por dia) em algum tipo de tabela.

O importante é fazer uso desse roteiro de estudos, com inteligência, avaliando seus avanços e retrocessos, editando-o, se necessário for.

As provas objetivas terão questões de:

1) Conhecimentos Gerais

– Língua Portuguesa: compreensão textual. Ortografia. Semântica. Morfologia. Sintaxe. Pontuação. Falácias argumentativas. E redação oficial.

– Raciocínio Lógico e Quantitativo: lógica e raciocínio lógico: problemas envolvendo lógica e raciocínio lógico. Proposições: conectivos. Conceito. Conceito de proposição. Valores lógicos das proposições. Conectivos. Tabela-verdade. Operações lógicas sobre proposições: negação de uma proposição. Conjugação de duas proposições. Disjunção de duas proposições. Proposição condicional. Proposição bicondicional. Tautologias e Contradições. Equivalência Lógica e Implicação Lógica. Conceito e propriedades da relação de equivalência lógica. Recíproca, contrária e contrapositiva de uma proposição condicional. Implicação Lógica. Princípio de substituição. Propriedade da implicação lógica. Argumentos: conceito de argumento. Validade de um argumento. Critério de validade de um argumento. Sequências e séries: sequência numérica. Progressão aritmética. Progressão geométrica. Série geométrica infinita. Probabilidade. E análise combinatória.

– Direito Constitucional: Constituição da República Federativa do Brasil (1988). Princípios fundamentais. Aplicabilidade das normas constitucionais. Normas de eficácia plena, contida e limitada. Normas programáticas. Direitos e garantias fundamentais. Direitos e deveres individuais e coletivos, direitos sociais, direitos de nacionalidade, direitos políticos, partidos políticos. Organização político-administrativa do Estado. Federalismo brasileiro: União, Estados, Distrito Federal, Municípios e Territórios Federais. Administração pública. Disposições gerais, servidores públicos. Poder Executivo. Atribuições e responsabilidades do presidente da República. Poder Legislativo. Estrutura. Funcionamento e atribuições. Processo legislativo. Fiscalização contábil, financeira e orçamentária. Comissões parlamentares de inquérito. Poder Judiciário. Disposições gerais. Órgãos do Poder Judiciário. Organização e competências, Conselho Nacional de Justiça. Composição e competências. Funções essenciais à justiça.Ministério Público, Advocacia Pública.Defensoria Pública. Meio Ambiente. E índios e terras indígenas.

– Direito Administrativo: Estado, governo e Administração Pública: conceitos, elementos, poderes, natureza, fins e princípios. Direito Administrativo: conceito, fontes e princípios. Ato administrativo. Conceito, requisitos, atributos, classificação e espécies. Invalidação, anulação e revogação. Prescrição. Contrato Administrativo. Lei nº 8.666/1993. Agentes administrativos. Investidura e exercício da função pública. Direitos e deveres dos funcionários públicos; regimes jurídicos. Processo administrativo: conceito, princípios, fases e modalidades. Lei nº 8.112/1990 e suas alterações. Poderes da Administração: vinculado, discricionário, hierárquico, disciplinar e regulamentar. Princípios básicos da Administração. Responsabilidade civil da Administração: evolução doutrinária e reparação do dano. Enriquecimento ilícito e uso e abuso de poder. Improbidade administrativa: sanções penais e civis — Lei nº 8.429/1992 e suas alterações. Serviços públicos: conceito, classificação, regulamentação, formas e competência de prestação. Organização administrativa. Administração direta e indireta, centralizada e descentralizada. Autarquias, fundações, empresas públicas e sociedades de economia mista. Controle e responsabilização da Administração. Controle administrativo. Controle judicial. Controle legislativo. Responsabilidade Civil do Estado. Decretos Presidenciais nº 1.171/1994 e nº 6.029/2007.

– Legislação Indigenista: Lei nº. 5.371, de 05 de dezembro de 1967. Lei nº. 6.001, de 19 de dezembro de 1973. Convenção nº. 169 da Organização Internacional do Trabalho, sobre Povos Indígenas e Tribais, de 27 de junho de 1989, ratificada no Brasil em 2002 e promulgada em 2004. Decreto Presidencial nº. 26, de 04 de fevereiro de 1991. Decreto Presidencial nº. 1.775, de 08 de janeiro de 1996. Portaria do Ministério da Justiça nº. 14, de 09 de janeiro de 1996. Decreto Presidencial nº. 3.108, de 30 de junho de 1999. Decreto Presidencial nº. 3.156, de 27 de agosto de 1999. Declaração da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre os Direitos dos Povos Indígenas, de 13 de setembro de 2007. Decreto Presidencial nº. 7.778/2012 (corrigido por retificação). Portaria do Ministério da Justiça nº. 2.498, de 31 de outubro de 2011. Decreto Presidencial nº. 7.747, de 05 de junho de 2012. Portaria da Presidência da Funai nº. 1.733, de 27 de dezembro de 2012. Decreto Presidencial nº. 8.593, de 17 de dezembro de 2015.

– Informática Básica: conceitos fundamentais de informática. Organização, arquitetura e componentes funcionais (hardware e software) de computadores. Sistema operacional: ambientes Linux e Windows. Redes de computadores: princípios e fundamentos de comunicação de dados. Conceitos de Internet e Intranet. Utilização de tecnologias, ferramentas, aplicativos e procedimentos associados a Internet e Intranet. Ferramentas e aplicativos de navegação, de correio eletrônico, de busca e pesquisa. Aplicativos para edição de textos e planilhas, geração de material escrito e multimídia (BrOffice e Microsoft Office). Conceitos básicos de segurança da informação. Procedimentos de cópias de segurança. Conceitos de organização e de gerenciamento de informações, arquivos, pastas e programas. Software livre.

– Administração Pública: Estado, governo e sociedade: conceito e evolução do Estado contemporâneo; aspectos fundamentais da formação do Estado brasileiro; teorias das formas e dos sistemas de governo. A Administração Pública brasileira: processo evolutivo; reformas administrativas, seus princípios, objetivos, resultados e ensinamentos; patrimonialismo, burocracia e gerencialismo. Atual conformação da Administração Pública em face dos preceitos constitucionais e legais; aspectos contemporâneos da gestão pública. O Sistema de Freios e Contrapesos. O processo de modernização da Administração Pública. Evolução dos modelos/paradigmas de gestão: a nova gestão pública. Governabilidade, governança e accountability. Governo eletrônico e transparência. Qualidade na Administração Pública. Novas tecnologias gerenciais e organizacionais e sua aplicação na Administração Pública. Gestão Pública empreendedora. Ciclo de Gestão do Governo Federal. Processo decisório: técnicas de análise e solução de problemas; fatores que afetam a decisão; tipos de decisões.

2) Conhecimentos Específicos

As questões que contém matérias de conhecimentos específicos podem variar de acordo com o cargo ofertado. Os candidatos podem conferir a lista diretamente no edital.

Compartilhe

Comentários

Mais Dicas