Entre o trabalho e os concursos: o que dá para ser feito?

Acompanhe dicas sobre como conciliar trabalho e estudos a partir da experiência de concurseiros e de especialistas.

Marcel Oliveira é um concurseiro baiano, que ainda trabalha oito horas por dia em uma loja de vendas de colchão de onde tira o sustento. Além de comerciário, também se considera um concurseiro pelas três horas que passa todas as noites dentro de uma sala de cursinho preparatório e ainda mais uma hora e meia revisando os assuntos em casa. "Sei que o termo 'concurseiro' é dado para as pessoas que se dedicam exclusivamente em estudar para concursos, mas não tem como deixar de ver uma pessoa esforçada como parte deste grupo", opinou Marcel. Você duvida de que ele seja, de fato, um concurseiro?

A realidade de Marcel é a mesma de muitos brasileiros que viram no funcionalismo público a chance de não sofrer prejuízos com as variações do mercado privado e que ao mesmo tempo necessitam trabalhar para pagar as contas. É com este ritmo de vida, bem parecido ao de Marcel, que a estudante de engenharia ambiental Luma Antunes, residente em Salvador, afirma que trabalhar, estagiar e ainda ter tempo para ir às aulas do cursinho tem sido uma "loucura" no seu dia-a-dia, mas prefere seguir em frente. Luma está no front dessa batalha por confiar que será bem sucedida no concurso da Petrobras. "É difícil, muito difícil, porém com muita determinação é possível conciliar o trabalho com os estudos", aconselha a futura engenheira ambiental.

Cuidado para não cometer excessos

Embora a força de vontade seja um requisito essencial para se conseguir a aprovação dos sonhos, é preciso ter cuidado, pois a saúde é uma só e os concursos se repetem, após o devido intervalo de tempo. A psicóloga Patrícia Boaventura, formada pela Faculdade de Tecnologia e Ciências (FTC), salienta que os obstinados concurseiros devem sempre fugir dos excessos de responsabilidades, pois esse comportamento pode levar a um colapso nervoso extremo, capaz de trazer complicações futuras bastante indesejadas - algo que em certos casos pode interromper alguns dos sonhos dessas pessoas.

Concurseiro, encontre seu ponto de equilíbrio

A especialista Patrícia Boaventura relatou ao Concursos no Brasil que, em seus estudos sobre Psicologia Organizacional voltada para a qualidade de vida do trabalhador, constatou que a saúde das pessoas que se envolvem em muitas metas tende a ficar seriamente comprometida. O dilema ainda pode ser mais grave se todas estas metas estiverem exigindo do indivíduo uma dedicação quase que exclusiva e ao mesmo tempo. "Não dá para se fazer tudo, com excelência, ao mesmo tempo, por isso estes estudantes precisam ver qual a prioridade para eles, começando a separar mais tempo para o que realmente desejam em primeiro lugar e vendo como secundários os outros projetos", aconselha.

Esta dica já segue a concurseira Rayzza Sampaio, que optou por um trabalho de meio turno e seguir com os estudos para o INSS e Caixa Econômica. Para conseguir esse ponto equilíbrio, foi preciso uma dose de sacrifício: ela teve que trancar o curso de enfermagem (para quem não sabe, trata-se de um curso que exige muita disponibilidade mesmo!), a fim de que sobrasse mais tempo para revisar as matérias, tanto básicas quanto específicas de ambos os concursos. "Tem dado para estudar e trabalhar ao mesmo tempo, mas sei que não posso, pelos próximos meses, assumir mais responsabilidade alguma, já que entrar para o funcionalismo público se tornou meu foco principal", disse.

Desde que adotou tais medidas para a sua vida, Rayzza afirma que tem conseguido dar conta dos conteúdos de estudo, sobrando tempo para tirar todas as dúvidas nas matérias, tem se sentido segura para responder as questões e ainda segue trabalhando para pagar os compromissos. "Aprendi que se devo escolher algo na vida, que seja pelo mais importante e ver meu nome na lista de aprovados do INSS e da Caixa é que o mais quero no momento".

Sucesso a todos os concurseiros!

Compartilhe

Comentários

Mais Guia do Concurseiro

Especial Concurso BB

Veja mais »