Prefeitura de Lambari - MG abre vagas

Prefeitura de Lambari, em Minas Gerais, abre 16 vagas para candidatos de vários níveis de escolaridade. A remuneração pode chegar até R$ 1.944,00.

A Prefeitura de Lambari, em Minas Gerais, torna público o edital de processo seletivo n.º 004/2018, destinado a selecionar candidatos de níveis fundamental, médio e superior, para ocupação de 16 vagas em caráter temporário.

Serão contratados Psicólogo, Atendente, Atendente Secretaria, Assistente Social, Motorista, Motorista de Ônibus, Operador Administrativo, Visitador do Programa Criança Feliz e Auxiliar de Serviços Gerais, para trabalhar em regime de até 40 horas semanais. A remuneração ofertada vai de R$ 954,00 a R$ 1944,00.

As inscrições devem ser feitas até o dia 20 de julho de 2018, das 8h às 11h e das 13h às 16h, na Secretaria Municipal de Assistência Social.

O prazo de validade do processo seletivo é de um ano, podendo ser prorrogado por igual período.

Matéria publicada no Diário Oficial dos Municípios Mineiros no dia 11 de julho de 2018, página 152.

História da Cidade

Século XVIII – A Descoberta das Águas e Criação do Povoado

Construção da Igreja Matriz

A origem de Lambari está ligada ao nascimento de outra cidade importante: Campanha. Desde o final do século XVII, a região entre o Rio Verde e o Rio Sapucaí foi explorada por aventureiros originários de Bandeira Paulista. Estes homens fixaram-se e exploraram o ouro e as pedras das “minas do Rio Verde”.

Procurando regularizar a exploração das riquezas minerais no território mineiro, o Governo da Capitania enviou ao local, o Ouvidor da Comarca do Rio das Mortes, Sr. Cipriano José da Rocha. No dia 02 de outubro de 1737, o Ouvidor fundou “um arraial em forma de vila”, mandando construir um rancho para si e ordenando aos outros componentes da expedição que fizessem o mesmo; abrissem ruas, praças e construíssem igrejas. Deu o nome ao lugar de arraial de “São Cipriano”.

O local se desenvolveu rapidamente. Em apenas quinze anos já era elevado à Freguesia, recebendo o nome de Campanha do Rio verde, modificado depois para Campanha da Princesa. À medida que crescia, Campanha assistiu ao surgimento, em seu território, de povoação que originaram várias cidades sul mineiras, entre elas, a de Lambari.

Todas as terras situadas às margens do Rio Lambari ficaram conhecidas como “região do Lambari”. Abrangiam os atuais municípios de Jesuânia e Lambari. A palavra ‘lambari’, deriva de ‘arambari’, que por sua vez, é o topônimo ‘araberi’, já modificado. De origem tupi, a palavra significa sardinha, peixinho, fazendo alusão a grande quantidade desta espécie de peixe, encontrada no rio.

Cassino

A área onde, hoje, se localiza a cidade de Lambari fazia parte de uma grande fazenda, chamada “Fazenda de Trás da Serra”, de propriedade do campanhense Antônio Araújo Dantas. Segundo a tradição local, as nascentes teriam sido descobertas no início da década de 1780, por um grupo de caçadores, após a derrubada da mata que cobria o local.

Na edição do periódico “O Monitor Mineiro” de 25 de fevereiro de 1872, a fazenda de Antônio Araújo Dantas era assinalada como famosa, pela descoberta de “uma grota que a mataria ensombrava e onde o lacrimal borbulhante jazia a espera de quantos viessem experimentar-lhe a serventia”.

Depois de descobertas, as águas logo ganharam fama, atraindo visitantes de toda a província e de fora dela. A fazenda acabou tendo o nome modificado para “Fazenda das Águas Virtuosas”. Antônio de Araújo Dantas morre em 1812, deixando suas terras para a viúva e onze filhos. A partilha da fazenda demorou anos para ser realizada.

O primeiro trabalho médico de que se teve notícia mencionando as águas minerais de Lambari foi um estudo de Dr. Manoel da Silveira Rodrigues, surgido entre os anos de 1816 e 1826, no Rio de Janeiro, onde são assinaladas as propriedades e indicações das fontes.

Em 1826, a Câmara Municipal de Campanha convocou Gaspar José de Paiva e João Pinto da Fonseca para avaliarem um terreno de 12 alqueres, ao redor das nascentes, para ser adquirido como patrimônio público. Em ofício dirigido a Câmara, datado de 10 de agosto daquele mesmo ano, o terreno era avaliado em 100 mil réis. A Câmara enviou, então, ofício ao Visconde de Caeté, Governador da Província de Minas Gerais, solicitando medidas em favor da água e do local que, segundo as projeções, formaria ‘um arraial populoso’.

Dentre as solicitações, destacavam-se, além da compra do terreno avaliado; a drenagem do local, a proteção da nascente, que deveria ser fechada de pedra e cal, a construção de dois tanques de banho (para leprosos e doentes de moléstias contagiosas), e a construção de casas de aluguel para os doentes.

Nos anos seguintes, entre 1830 e 1832 foram adquiridos de herdeiros de Antônio de Araújo Dantas a área de 12 alqueres e providenciado o arruamento e alinhamento dos ranchos no local, além de concessão de lotes para construção de casas.

Palácio do Cassino

Constava como logradouros da povoação, em 1834, os Largos da Fonte, da Capela e do Garcia; as ruas, Direita, Formosa, Solitária, São Gonçalo e Nova e as Travessas das Jabuticabeiras e do Hospital. Esta última recebeu este nome devido à concessão de terreno feito ao médico inglês, Thomaz Cockrane, para construção de uma enfermaria para os usuários das águas. Porém, a edificação não foi efetivada.

Em 1836, a “Fazenda das Águas Virtuosas” foi finalmente dividida entre os herdeiros; muitos repassando sua parte nos terrenos a outros, fazendo surgir um emaranhado de pequenas propriedades ao redor da povoação. A Câmara Municipal de Campanha adquiriu mais algumas terras, aumentando a área do patrimônio público, mas o desenvolvimento do lugar corria lento.

Segundo Almanaque Sul Mineiro, a povoação, em 1837, constava de apenas “uma pequena casa de telhas, algumas choças de sapé e um cercado de esteira no lugar das fontes de águas minerais”.

No ano seguinte o povoado recebeu a visita do Padre Diogo Antônio Feijó, que permaneceu cerca de um mês fazendo uso das águas. Após esta visita foi criado o cargo de agente fiscal para a povoação e tomadas providências para proteger seu patrimônio. 

Entre as atribuições do agente fiscal estavam:

Impedir a destruição das matas;

Impedir que lavassem ‘qualquer coisa’ dentro da fonte potável ou lançassem entulhos no canal do esgoto dela para o ribeirão;

Impedir o uso das águas a doentes com moléstias contagiosas ou asquerosas da pele, devendo este usar banheiros próprios (a serem construídos). 

Na década de 1840 o desenvolvimento da população conheceu uma fase de estagnação, em parte devido à derrota da Revolução Liberal de 1842. José Nicolau Mileo relatou em seu livro “Subsídios para a História de Lambari” que, na época, vários cidadãos campanheses foram perseguidos e presos. A vida comercial, social e administrativa da vila estacionou. Diversas famílias abastadas tiveram as fortunas abaladas, fugiram ou migraram.

Os efeitos se fizeram sentir também na povoação de Águas Virtuosas. Entre os anos de 1840 e 1848, o número de casas de telha passou de 10 para apenas 16, e os trabalhos se restringiram a consertos de caminhos, limpeza do ribeirão Lambari Pequeno (atual Mumbuca) e conservação das fontes.

Vale ressaltar nesse período o aparecimento de uma tese de doutorado, discorrendo sobre as fontes de águas minerais; defendida no Rio de Janeiro, no ano de 1848, pelo médico Dr. José Xavier Barbosa.

Compartilhe

Concursos por E-mail
Assine nosso boletim para receber Concursos em Lambari diretamente no seu e-mail
Concursos RelacionadosVagas
Prefeitura de BetimNíveis Médio e Superior392
Prefeitura de Governador ValadaresTodos os níveis de escolaridade1.157
CAIXAEstagiárioVárias
Câmara de Alto CaparaóNíveis Fundamental e Médio4
Câmara de ArapuáTodos os níveis de escolaridade3
Câmara de Bom Jardim de MinasTodos os níveis de escolaridade5
Câmara de Brasília de MinasTodos os níveis de escolaridade7
Câmara de BugreAuxiliar administrativo3
Câmara de CambuquiraAgente legislativo1
Câmara de Cana VerdeTodos os níveis de escolaridade3
Veja todos » Concursos Abertos