Expandir Menu PrincipalPesquisarPor Estado

Concurso ABIN 2017: esperança por edital continua

Agência Brasileira de Inteligência planeja concurso para diversos cargos de níveis médio e superior. Nomeações poderão acontecer entre 2017 e 2020.

Publicado em 06/12/2016 - 08h00 • Comunicar erro

A Agência Brasileira de Inteligência (ABIN) prossegue com expectativa para abertura de um novo concurso em 2017. No primeiro semestre de 2016 a Agência enviou um pedido para o Ministério do Planejamento, no qual solicita a inclusão de 650 vagas na Lei Orçamentária Anual de 2017.

O pedido é para que as vagas tenham provimento escalonado: as nomeações seriam divididas em quatro anos, entre 2017 e 2020. A solicitação abrange 250 vagas de Oficial de Inteligência, 200 de Oficial Técnico de Inteligência, 90 de Agente de Inteligência e 110 de Agente Técnico de Inteligência.

O fato é o governo federal passa por um momento delicado de ajustes nas contas públicas e ninguém sabe quando de fato os editais da esfera federal poderão ser efetivamente autorizados.  A última tentativa frustrada da Agência previa a provisão de 200 cargos de Oficial de Inteligência, 150 de Oficial Técnico de Inteligência, 50 de Agente de Inteligência e 70 de Agente Técnico de Inteligência, todos do plano de carreira e cargos da ABIN.

Os vencimentos de alguns cargos da ABIN podem ultrapassar os R$ 13,3 mil (em valores desatualizados, é claro). Enquanto a autorização ministerial não chega, a melhor forma de se preparar para esse concurso é começar estudando matérias básicas, cobradas nos principais concursos federais, e aproveitar o que for possível do edital anterior, embora esteja bastante defasado.

Atuação da ABIN

Na condição de órgão central do Sistema Brasileiro de Inteligência, a ABIN tem por competência planejar, executar, coordenar, supervisionar e controlar as atividades de Inteligência do País, obedecidas a política e as diretrizes superiormente traçadas na forma da legislação específica.

Compete, ainda:
 
I - executar a Política Nacional de Inteligência e as ações dela decorrentes, sob a supervisão da Câmara de Relações Exteriores e Defesa Nacional, do Conselho de Governo;
 
II - planejar e executar ações,' inclusive sigilosas, relativas à obtenção e análise de dados para a produção de conhecimentos destinados a assessorar o Presidente da República;
 
III - planejar e executar a proteção de conhecimentos sensíveis, relativos aos interesses e à segurança do Estado e da sociedade;
 
IV - avaliar as ameaças, internas e externas, à ordem constitucional;
V - promover o desenvolvimento de recursos humanos e da doutrina de Inteligência; e
 
VI - realizar estudos e pesquisas para o exercício e o aprimoramento da atividade de Inteligência.

Mais informações no site: www.abin.gov.br


 

 

Tópico: Abin