Governo do Mato Grosso irá empossar 26 juízes

Um novo concurso também será elaborado em breve para preencher 46 vagas que estão em aberto.

Na próxima segunda-feira, 13 de julho de 2015, o governo do Estado do Mato Grosso irá empossar 26 novos juízes que irão atuar nos municípios do interior. “A antecipação de nossos prazos vai permitir que antes do previsto nós coloquemos novos concursos para serem realizados em busca de dar posse para outros magistrados para completar o deficit que hoje é de 46 juízes”, disse o presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Paulo da Cunha.

Ele sinalizou que irá levar ao Pleno do Tribunal de Justiça, proposta de que os concursos públicos para novos juízes sejam realizados anualmente, diante da demanda sempre presente e do prazo extenso que é um Concurso Público de Provas e Títulos necessários para preenchimento de vaga de magistrados.

“São concursos mais rígidos e que exigem tempo, custo e como a demanda é sempre crescente, seja por conta de aposentadorias ou por conta da desistência de alguns companheiros que passam em outros concursos, o ideal seria que fossem feitos concursos públicos todos os anos, pois com certeza a demanda continuará sendo sempre alta por causa, até mesmo, do crescimento do Estado de Mato Grosso”, explicou o presidente do Tribunal de Justiça.

A posse acontecerá no mesmo dia em que será aberto o Mutirão Fiscal em que o Poder Judiciário através do Conselho Nacional de Justiça – CNJ e em parceria com o governo do Estado e com a prefeitura de Cuiabá espera conseguir conciliar em mais de 87 mil processos estaduais e municipais que estimam valores da ordem de R$ 12 bilhões.

“Estamos tentando diminuir o volume de processos, pois além de demorados eles têm um custo alto na medida em que ficam emperrados, sem decisão, portanto, considero tanto a posse como o Mutirão Fiscal, passos importantes para que o Poder Judiciário demonstre sua eficiência e a busca de soluções mais práticas que atentam o contribuinte, o Estado de Mato Grosso, a prefeitura de Cuiabá, o Poder Judiciário e a sociedade que colocará nas mãos dos gestores públicos recursos que devem virar investimentos em prol de todos”, frisou o desembargador Paulo da Cunha.

Com informações do Diário de Cuiabá

Compartilhe