Concurso MAPA 2017: expectativa por edital para Auditores Fiscais

MAPA espera receber autorização para realizar novo concurso com vagas para Auditores. Carência é de pelo menos 1,3 mil servidores, segundo o ANFFA.

Atualização de 18/7/2017: Concurso para Auditor do MAPA é autorizado. Edital até janeiro de 2018

***

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) espera realizar um novo concurso público em 2017, exclusivamente voltado para a carreira de Auditor Fiscal Federal Agropecuário. Não há previsão de autorização do Ministério do Planejamento, porém, a representação sindical da categoria estima que pelo menos 300 vagas sejam liberadas.

O cargo requer formação em nível superior e pode oferecer inicialmente uma remuneração que ultrapassa os R$ 14,5 mil mensais. A jornada semanal de um Auditor Fiscal Agropecuário é completa, de 40 horas semanais e a carreira conta ainda com outros benefícios inerentes aos quadros dos órgãos federais.

Todas as apostilas preparatórias do MAPA aqui

Previsão de edital 2017 e carência de Auditores

De acordo com o ANFFA Sindical, o Ministério do Planejamento pode autorizar até março de 2017 este concurso para Auditores, no entanto, as prováveis 300 vagas estão bastante aquém do esperado, diante do crescimento do agronegócio brasileiro.

Para o presidente do ANFFA, Maurício Porto, caso esse número seja confirmado, será uma decisão paliativa, pois o setor agropecuário cresce de maneira exponencial. Dados do Cepea/USP, entre 2002 e 2016, confirma que o PIB do agronegócio nacional, em números correntes, cresceu cerca de 242%. Porém, o quadro de Auditores Agropecuários não acompanhou o aumento e, nesse mesmo período, manteve-se praticamente estagnado.

“Hoje, o quadro de Auditores Fiscais Federais Agropecuários é de 2,7 mil profissionais na ativa, mas, em 2008, o Ministério da Agricultura chegou a ter 3,4 mil profissionais atuantes. Precisamos de, pelo menos, mais 1,3 mil Auditores para repor as vagas existentes, diante do cenário atual do agronegócio brasileiro”, reforça.

O presidente ainda destaca que, hoje, quase 60% dos Auditores Agropecuários que estão na ativa já cumprem os requisitos para aposentadoria. Esse cenário agrava ainda mais o déficit no quadro de profissionais, especialmente caso seja aprovada a reforma previdenciária proposta pelo governo, que resultará num esvaziamento sem precedentes do quadro do MAPA. Essa perspectiva dificulta em muito o atingimento das ambiciosas metas comerciais traçadas pelo ministro Blairo Maggi de elevar a participação brasileira no comércio internacional de produtos agropecuários de 7% para 10%, em apenas 5 anos.

Atualmente, os Auditores Agropecuários estão sobrecarregados, e novos concursos são essenciais para acompanhar o crescimento do agronegócio. “Por causa do déficit no quadro, não temos condições de atender a todas as demandas. No Porto de Santos, por exemplo, o número de Auditores Agropecuários, de apenas 41 profissionais, não atende ao grande volume de trabalho, o que prejudica a fiscalização, atrasa os trabalhos e põe em risco a saúde dos brasileiros, além de aumentar o risco da entrada de pragas e doenças que podem prejudicar a produção agrícola e pecuária brasileira. Isso ocorre também em quase todos os portos, aeroportos e fronteiras do País, como no Norte, Centro-Oeste e Sul”, destaca Maurício Porto.

Ele lembra ainda que a reposição dos Auditores Agropecuários é essencial para fechar acordos internacionais, pois são eles que, como adidos agrícolas, atuam durante as negociações em várias partes do mundo para abrir as portas do mercado externo aos produtos agropecuários brasileiros.
 
Sobre os Auditores Fiscais Federais Agropecuários

O Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais Federais Agropecuários (Anffa Sindical) é a entidade representativa dos integrantes da carreira de Auditor Fiscal Federal Agropecuário. Os profissionais são engenheiros agrônomos, farmacêuticos, químicos, médicos veterinários e zootecnistas que exercem suas funções para garantir qualidade de vida, saúde e segurança alimentar para as famílias brasileiras. Atualmente existem 2,7 mil fiscais na ativa, que atuam nas áreas de auditoria e fiscalização, desde a fabricação de insumos, como vacinas, rações, sementes, fertilizantes, agrotóxicos etc., até o produto final, como sucos, refrigerantes, bebidas alcoólicas, produtos vegetais (arroz, feijão, óleos, azeites etc.), laticínios, ovos, méis e carnes. Os profissionais também estão nos campos, nas agroindústrias, nas instituições de pesquisa, nos laboratórios nacionais agropecuários, nos supermercados, nos portos, aeroportos e postos de fronteira, no acompanhamento dos programas agropecuários e nas negociações e relações internacionais do agronegócio. Do campo à mesa, dos pastos aos portos, do agronegócio para o Brasil e para o mundo.

Edição com informações adicionais da assessoria do ANFFA Sindical.

Tópico: MAPA

Compartilhe