ANVISA: edital lançado para 78 vagas

Confira dicas para as provas do certame irá prover 78 vagas para Técnico Administrativo.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA publicou o esperado edital 2016! O novo concurso público que irá prover 78 vagas para Técnico Administrativo, cargo que exige apenas o nível médio. A organizadora é o Cebraspe (Cespe) e as vagas serão destinadas à sede, que fica em Brasília.

Redação Oficial - dicas para as provas ANVISA

O novo edital ANVISA 2016 cobra conhecimentos sobre "Correspondência  oficial  (conforme  Manual  de  Redação  da  Presidência  da  República), incluindo aí os itens "Aspectos gerais da redação oficial, "Finalidade dos expedientes oficiais", "Adequação da linguagem ao  tipo de documento" e "Adequação do formato do texto ao gênero.  Confira a seguir algumas dicas sobre o que é apresentado no Manual de Redação da Presidência da República, especificamente na parte I (As Comunicações Oficiais) – Capítulos I  e II.

Capítulo I – Aspectos gerais da redação oficial

 A redação oficial corresponde à forma segundo a qual os atos normativos e comunicações oficiais devem ser redigidos.

Todas as comunicações oficiais devem ser impessoais, sem que sejam incluídas impressões pessoais de quem a elabora. Assume-se que, nas comunicações oficiais, é o Serviço Público quem está se expressando. Opiniões individuais de quem está elaborando não devem ser usadas.

A linguagem usada deve ser formal. Isso é feito pois os Atos e Comunicações Oficiais devem ser compreensíveis para todos. O uso de gírias ou regionalismo dificultaria esse entendimento.

As comunicações oficiais precisam seguir um padrão bem definido, com o o texto distribuído seguindo essas instruções. Elas também precisam ser formais, com o uso correto dos pronomes de tratamento.

Finalmente, as comunicações oficiais precisam ser claras e concisas. Deve-se transmitir a maior quantidade de informações possíveis usando um mínimo de palavras. Para isso palavras e trechos inúteis devem ser removidos.

Capítulo II – As comunicações oficiais

O emprego correto dos pronomes de tratamento é uma parte importante das comunicações oficiais. O “Vossa Excelência” deve ser usado para diversas autoridades enquanto o “Senhor” deve ser usado para todas as demais salvo algumas exceções, como por exemplo: Reitores (“Magnífico”), Papa (“Santíssimo Padre”), Cardeais (“Eminentíssimo Senhor Cardeal” ou “Eminentíssimo e Reverendíssimo Senhor Cardeal”), Arcebispos e Bispos (“Excelentíssimo e Reverendíssimo Senhor Bispo”), dentre outros.

Se a comunicação for endereçada a uma autoridade superior deve-se encerrar com “Respeitosamente”. Se a autoridade possuir a mesma hierarquia ou inferior àquele que redigiu a comunicação deve-se encerrar com “Atenciosamente”.

Exceto pelas redigidas pelo Presidente da República, todas as comunicações oficiais devem incluir o nome e cargo da autoridade que a está expedindo abaixo do local de assinatura.

Há três tipos de padrões que apresentam finalidades diferentes mas que tem um padrão semelhante: ofício, aviso e memorando. Todas elas devem conter o tipo de documento, o número de experiente e a sigla do órgão que está emitindo esse documento (Mem. 123/2002-MF, por exemplo). O local e data onde foi assinado (tudo por extenso) e o assunto do qual o documento irá tratar. A seguir deve-se incluir o destinatário e o texto, contento introdução, desenvolvimento e conclusão. Finalmente deve-se incluir um fecho, a assinatura do autor da comunicação e a identificação deste. 

Para o Padrão Ofício deve-se usar uma fonte do tipo Times News Roman com tamanho 12 para as letras do texto em geral, 11 para as citações e 10 para as notas de rodapé. A partir da segunda página é obrigatório incluir o número de página e todos os documentos devem ser impressos em papel de tamanho A-4. As margens devem medir 3. cm (esquerda), 1,5 cm (direita) e cada parágrafo deve iniciar a 2,5cm da margem esquerda.

Os Avisos são praticamente idênticos aos Ofícios. A diferença é quem o emite. Enquanto ofícios podem ser emitidos por praticamente todas as autoridades públicas, os avisos são expedidos apenas por Ministros de Estado para autoridades com mesma hierarquia. 

Os memorandos são comunicações internas, usadas como forma de comunicação entre unidades administrativas de um mesmo órgão. Essas são formas de comunicações ágeis, que podem ter caráter administrativo ou ser usados para expor projetos, ideias, diretrizes, etc.

Há, também, a Exposição de Motivos, usado para informar o Presidente da República sobre algo ou propor alguma medida. A mensagem, usada por Chefes dos poderes públicos. Por exemplo, é através de uma mensagem que o plano de governo é apresentado quando já uma sessão legislativa. Há, também, o Telegrama, que não possui um padrão rígido devendo-se seguir o formato apresentado pela agência de correios. Finalmente, há o Fax e o Correio Eletrônico (e-mail), que também não apresentam uma padronização rígida.

Apostila Técnico Administrativo - ANVISA

 

Tópico: ANVISA

Compartilhe