Polícia Civil - BA inicia curso para mais de 800 aprovados em concurso

Os convocados preenchem as vagas de novos delegados, escrivães e investigadores.

A aula inaugural que marca o início da preparação de 823 convocados em concurso da Polícia Civil da Bahia reuniu alunos, professores e autoridades envolvidas na Segurança Pública do estado, na manhã desta terça-feira (11), no Hotel Fiesta, no bairro do Itaigara, em Salvador. Eles serão preparados para integrar a força policial baiana, trabalhando como delegados, escrivães e investigadores, no treinamento que está previsto para terminar em dezembro deste ano. Quando estiverem aptos, poderão ser nomeados para as comarcas onde irão trabalhar.

No primeiro dia do Curso de Formação da Academia da Polícia Civil (Acadepol), depois de entoado o Hino Nacional e os alunos serem apresentados aos superiores, a aula ficou sob responsabilidade do secretário estadual da Segurança Pública, Maurício Teles Barbosa, que considera o concurso um dos grandes investimentos para o estado.

Segundo Barbosa, os convocados começam em um momento em que o Estado precisa intensificar mais o trabalho de inteligência e de investigação. “A entrada desses novos profissionais vai reforçar o efetivo, que não cresceu desde 1997, quando houve o último concurso. Com a certeza, vamos melhorar ainda mais a prestação de serviços no interior, o combate ao narcotráfico, as investigações de homicídio, atuação das delegacias especializadas como a de atenção às mulheres”.

Formação

Os convocados preenchem as vagas de novos delegados, escrivães e investigadores e terão aulas de segunda a sexta-feira, das 7h50 às 18h, durante os quatro meses. A preparação inclui a parte teórica, que acontece na nova sede da Acadepol, localizado na Avenida Barros Reis, em Salvador, e ainda visitas técnicas e estágio supervisionado, para que os aprovados obtenham a experiência prática antes de estarem aptos para a nomeação.

De acordo com a coordenadora da Acadepol, a delegada Kátia Brasil, a preparação, além da parte técnica, tem como prioridade formar profissionais de campo que respeitem a dignidade da pessoa humana. “Os alunos terão preparações específicas para atividade policial, como técnicas de abordagem, aulas de tiro, mas sem esquecer que eles também precisam ser preparados para o atendimento às pessoas, para dar uma resposta ainda melhor à sociedade do trabalho da polícia civil”.

Para o baiano Yves Correia, aprovado para delegado, foi uma possibilidade também de voltar à terra natal e comemorar o início do curso de formação. “Eu, que já tenho uma experiência no Rio de Janeiro, onde estava morando, agora vou poder voltar à Bahia para receber a preparação do curso que pretendo honrar, prestando um serviço de qualidade e correspondendo às expectativas da população do estado”.

Compartilhe