Concurso SED - SC - Professores e Administrativos

Estado de Santa Catarina anuncia concurso para centenas de profissionais da Educação, com vencimentos de até R$ 2.577,02.

Em Santa Catarina, a Secretaria de Estado da Educação (SED - SC) abriu novos concursos públicos, regidos pelos editais n.º 2271 e 2272/2017/SED, para contratação de novos servidores da Educação. De acordo com assessoria da pasta, são oferecidas quase mil vagas para profissionais da Educação, distribuídas entre os cargos de Professor efetivo, Assistente de Educação, Assistente Técnico-Pedagógico, Supervisor Escolar, Administrador Escolar e Orientador Educacional.

Apostilas SED - SC 2017 - PROFESSORES e ASSISTENTE DE EDUCAÇÃO

Para docentes, as disciplinas/áreas com demanda de candidatos são: Anos iniciais, Artes, Arte Indígena/Arte Kaingang, Ciências, Cultura Indígena, Biologia, Educação Física, Espanhol, Filosofia, Física, Geografia, História, Inglês, Língua Portuguesa e Literatura, Língua Materna, Língua Kaingang, Matemática, Química e Sociologia.

Os contratados irão receber vencimentos que variam de R$ 644,25 a R$ 2.577,02 para jornadas entre 10 e 40 horas semanais. Os editais prevêm reserva de vagas para candidatos com deficiência, desde que as atribuições do cargo pretendido sejam compatíveis.

Inscrição

Para efetuar a inscrição pela internet, o candidato ou seu representante legal deverá acessar o site do Sistema ACAFE (http://acafe.org.br/concurso/magisterio/2017/inscricao/Login) até o dia 12 de setembro de 2017, preencher o requerimento de inscrição e imprimir o boleto bancário para pagamento da taxa de inscrição, no valor de R$ 100,00.

Provas e títulos

Este concurso será dividido em duas fases: provas objetivas versando sobre os conteúdos relacionados no edital, e prova de títulos, para apresentação de certificados ou diploma de cursos de pós-graduação, em nível de Doutorado, Mestrado ou Especialização.

A prova objetiva será realizada na data provável de 8 de outubro de 2017, nas seguintes localidades: Joinville, Brusque, Chapecó, Grande Florianópolis, Rio do Sul, Xanxerê, Araranguá, Blumenau, Caçador, Canoinhas, Concórdia, Criciúma, Curitibanos, Itajaí, Jaraguá do Sul, Joaçaba, Lages, Mafra, Porto União, São Lourenço do Oeste, São Miguel do Oeste, Tubarão e Videira.

Serão divulgados os gabaritos preliminares no dia seguinte ao da aplicação, a partir das 10 horas. Para participar da prova de títulos o candidato aprovado e classificado na prova objetiva deverá:

- Utilizar o sistema eletrônico de cadastro de títulos, por meio de consulta individual (CPF e senha cadastrados no requerimento de inscrição) pelo sítio da ACAFE, seguindo as orientações da página e o prazo estabelecido, e efetuar o cadastro do título;

- Enviar por Sedex ou entregar na ACAFE, (data do protocolo ou carimbo dos correios), na Associação Catarinense das Fundações Educacionais - ACAFE, situada à Rua Presidente Coutinho, 311 – Centro Comercial Saint James, 1º andar – Bloco A – Bairro Centro – Florianópolis – SC – CEP 88.015-230 com atendimento nos dias e horários estabelecidos no edital, envelope lacrado e identificado, contendo o título cadastrado na alínea anterior, juntamente com cópia do formulário gerado via internet.

Validade

O prazo de validade do concurso público será de dois anos, a contar da data da homologação do resultado final, publicada no Diário Oficial do Estado de Santa Catarina, podendo ser prorrogado por igual período, a critério da Secretaria de Estado da Educação.

***

Dicas para provas SED: Conceitos pedagógicos presentes na Proposta Curricular de Santa Catarina

A estruturação do trabalho pedagógico

De acordo com a Proposta Curricular da Educação de Santa Catarina, o Projeto Político pedagógico (PPP) diz respeito aos objetivos e opções teórico-metodológicas a serem adotados pelas instituições de ensino do Estado de Santa Catarina, tendo em vista seus objetivos e suas funções sociais. O termo "político" se deve ao fato de que toda ação educativa é uma ação política, levando em conta o ambiente e a relação que possui com outras instituições.

A organização do currículo escolar é feita conforme a Resolução n°4 (Brasil, 2010) e assegurada a partir dos seguintes tópicos:

- Trabalho embasado conceitualmente, estruturado com materiais didático-pedagógicos, rede física adequada e espaços socioculturais.

- Tempos e espaços ampliados e diversificados, com auxílio de profissionais da educação, com o propósito de construir coletivamente uma escola de qualidade social.

- Abordagem didático-pedagógica que oriente o projeto político-pedagógico.

- Matriz curricular que visa o movimento e dinamismo educacional e que subsidie a gestão do currículo escolar.

- Criação de métodos didático-pedagógicos e de uma rede de aprendizagem.

A ação pedagógica das escolas em Santa Catarina, de acordo com a Proposta Curricular, deve visas a formação do indivíduo e da instituição através do repensar de tempos, espaços e formas de aprendizagem, superando os limites atuais. Os objetivos do currículo escolar são práticas que se renovem constantemente e estejam em consonância com o ambiente histórico, social e cultural em questão, incentivando o sujeito a pesquisar, agir, atuar, planejar em diferentes ambientes, de forma a complementar seu aprendizado.

Os professores e profissionais da educação devem avaliar através de prática investigativa, contínua e sistemática visando a construção de estratégias, reflexão e ação. A avaliação é uma forma de inclusão, não de classificação ou exclusão, que ao abranger o conteúdo elabora novas metas e oportunidades que auxiliam no aprendizado e fixação.

Diversidade como princípio formativo

A educação básica é um direito de todos e, com isso, surgiu também a ideia de uma educação comum e diversificada, compartilhando o patrimônio cultural e atendendo todas as diversidades existentes.

Mas, de que diversidade estamos falando? Entende-se diversidade como característica da espécie humana, os seres humanos são diversos nas experiências de vida, formas de perceber o mundo, personalidades e etc, o que remete também às diferenças de gênero, orientação sexual, religiosas, étnicas entre outras.

Valorizar a diversidade não significa aderir aos valores dos outros, mas sim respeitá-los sem qualquer discriminação, como exercício da democracia e da própria liberdade do ser humano. Abordar esse tema no currículo escolar faz com que os alunos aprendam a respeitar os grupos considerados “diferentes”, auxiliando na formação do indivíduo e lutando contra o mecanismo de exclusão que a sociedade impõe indiretamente. Abordar a diversidade nas escolar é o que se impõe para que seja possível uma educação universal, como previsto na constituição.

Quem são os sujeitos da diversidade?

Na história da educação brasileira pode-se encontrar diversas abordagens para as diferentes pessoas da sociedade: negros não podiam frequentar escolas, índios deveriam ser ensinados pelo modelo assimilacionista, crianças com deficiência eram excluídas e outros grupos étnicos eram proibidos de utilizar sua língua materna. O ensino focava-se numa visão etnocêntrica, masculina e burguesa e, através de uma aparente neutralidade, fez com que a diversidade se tornasse invisível.

No Brasil, a partir das décadas de 1970 e 1980 começou a se pensar em Educação para as Relações de Gênero, atualmente na Educação para Diversidade Sexual. Na proposta de Santa Catarina, por exemplo, desde 1998 são abordados temas como: educação e prevenção, diversidade social e direitos humanos, ainda que superficialmente.

A Proposta Curricular de Santa Catarina centra-se, portanto, no pressuposto de que o direito à educação para todos deve ser garantido por meio da efetivação de políticas contra formas de exclusão, motivadas por preconceito e discriminação, inclusive aquelas provocadoras de evasão. Afinal, é preciso dar o devido reconhecimento aos indivíduos e isso deve estar presente desde a Educação Básica.

Princípios da diversidade e suas dimensões pedagógicas

A Proposta Curricular de SC traz algumas dimensões pedagógicas para a prática no cotidiano escolar:

- Educar na alteridade: reconhecimento das diferenças sociais evitando a homogeneização das diferentes identidades, enfrentando o preconceito.

- Consciência política e história da diversidade: para respeitar as diversidades é necessário conhecê-las. Pode-se investir na realização de cursos de formação continuada para professores, introduzir diferentes culturas no ambiente escolar e inserir os direitos humanos e ambientais nas propostas pedagógicas.

- Reconhecimento, valorização da diferença e fortalecimento das identidades: contextualizar as diversidades, realizar e apoiar iniciativas, concursos e campanhas e valorizar a pluralidade estética.

- Sustentabilidade socioambiental: incentivar o desenvolvimento sustentável.

- Pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas: socialização dos conhecimentos científicos e reconhecimento das experiências cotidianas para a democratização do ensino e um espaço aberto ao debate, experimentação e novas experiências pedagógicas.

- Laicidade do Estado e da escola pública Catarinense: princípio fundamental para assegurar a liberdade de expressão, imparcialidade pedagógica e valorização da cultura popular e histórica.

- Igualdade de direitos para acesso, permanência e aprendizagem na escola: incentivo ao protagonismo dos estudantes, valorização dos conhecimentos regionais e respeito aos diferentes tempos de aprendizagem.

A igualdade dos sujeitos e seus direitos torna necessária a reorganização do currículo escolar que considera esses sujeitos cidadãos plenos e integrais, com o direito de frequentar uma escola que atenda suas necessidades, respeite suas diferenças e o prepare para ser crítico e respeitoso em relação ao mundo em que vive.

Estas foram apenas algumas concepções pedagógicas presentes no documento oficial. Para saber mais, acesse a íntegra da Proposta Curricular da Educação de Santa Catarina e as Apostilas para os cargos da SED-SC