Expandir Menu PrincipalPesquisarPor Estado

TRT 12ª Região - SC abre concurso público

Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região de Santa Catarina oferece vagas de trabalho para nível médio e superior. O salário vai até R$ 12.180,99.

Publicado em Comunicar erro

O Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região, Santa Catarina, abriu concurso público regido pelo edital nº 01/2017, sob a responsabilidade da Fundação Getulio Vargas - FGV. O concurso objetiva preencher três vagas efetivas e formar cadastro de reserva para os cargos de Analista Judiciário e Técnico Judiciário.

Para Técnico Judiciário, a oportunidade é na área Administrativa, com exigência de nível médio. Para Analista Judiciário (nível superior), as chances são para as áreas Administrativa - Sem Especialidade, Judiciária - Especialidade Oficial de Justiça Avaliador Federal e Judiciária - Sem Especialidade. A remuneração inicial dos aprovados e nomeados será de R$ 6.376,41 a R$ 12.180,99, por jornada semanal de trabalho de 40 horas.

Apostilas TRT 12: Técnico Judiciário - Analista Judiciário/Administrativa - Analista Judiciário/Oficial de Justiça

As inscrições podem ser feitas até as 18 horas do dia 25 de julho de 2017, por meio do site da FGV (www.fgv.br/fgvprojetos/concursos/trtsc2017). A taxa de inscrição é de R$ 110,00 para o cargo de Analista e de R$ 90,00 para Técnico.

Os candidatos serão avaliados por meio de provas objetivas e discursivas, que serão realizadas nas cidades catarinenses de Florianópolis, Blumenau, Chapecó, Criciúma, Itajaí, Joaçaba, Joinville, Lages, Mafra e Tubarão. A data provável para aplicação da prova será 27 de agosto de 2017, das 13h às 18h, horário local.

O prazo de validade do concurso será de dois anos, contados a partir da data de homologação do resultado final, podendo ser prorrogado pelo mesmo período a critério da Administração do Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região.

O edital completo e demais informações podem ser encontrados no: http://fgvprojetos.fgv.br/concursos/trtsc2017

***

Dicas para as provas TRT 12: Funções Administrativas

As funções administrativas elementares são quatro: Planejamento, Organização, Direção (Coordenação) e Controle. Elas são as etapas fundamentais para que as estruturas organizacionais obtenham sucesso nos seus projetos. O candidato pode facilmente memorizar tais funções ao assimilar a sigla PODC: Planejar - Organizar - Dirigir (ou liderar) – Controlar.

Essas quatro funções somente se tornam um todo integrado quando atuam juntas numa corporação (seja pública ou privada), segundo Chiavenato. Se consideradas isoladamente, elas não passam de meras funções administrativas. Na maioria das vezes, as funções são executadas simultaneamente, até mesmo sem que o gestor ou colaborador perceba, pois traduzem justamente a interação dinâmica que precisa existir nos ambientes corporativos.

Planejamento

O planejamento é como uma locomotiva que puxa o trem das ações de organizar, liderar e controlar. Trata-se de uma função importante, porque contribui para o sucesso da organização como um todo e possibilita à organização adotar um comportamento pro ativo em relação ao futuro. Por isso, é necessário que uma organização estabeleça seus planos e ações com o intuito de conseguir minimizar custos e desperdícios.

Quem planeja, aprende a alocar todos os recursos materiais, humanos, financeiros, tecnológicos, informacionais, entre outros, possibilitando à empresa esboçar seus objetivos, traçar novas estratégias e projetar planos que possam trazer maior organização, responsabilidade, comprometimento de toda equipe. Quem planeja tem a consciência de que podem surgir situações inesperadas, porém, se surgirem, elas serão trabalhadas de uma forma muito mais segura.

O Planejamento é um processo consciente e sistemático de tomar decisões sobre o objetivo que buscará no futuro, para tanto há diferentes níveis de organizacionais. No nível institucional ou estratégico, o planejamento envolve a determinação dos objetivos. No nível intermediário, trata-se da alocação de recursos, traduzindo e interpretando as decisões estratégicas. No nível operacional, o planejamento desdobra as estratégias de cada departamento, em planos operacionais, de cada tarefa.

Organização

Quando se fala em organização deve-se ter em mente um agrupamento de pessoas que interagem para alcançar um objetivo comum e específico, seja para o bem, seja – infelizmente – para o mal. Se o planejamento é o momento teórico, a organização é o início da prática, o início da ação propriamente dita, rumo ao alcance dos objetivos traçados.

Para desempenhar a função de organização, o administrador deve listar o trabalho que precisa ser realizado, dividi-lo em tarefas que possam ser realizadas de modo lógico e eficiente, por indivíduos ou grupos, efetuar a departamentalização, ou seja, agrupar as tarefas segundo um critério determinado e criar mecanismos de integração de esforços dos indivíduos, grupos e órgãos da empresa para facilitar o alcance dos objetivos.

Direção

A direção pressupõe a existência de uma ou mais pessoas que possam orientar a equipe para alcançar os objetivos traçados anteriormente. É a direção que proporcionará um norte aos objetivos e planos, é responsável por interpretar o que foi definido na função do Planejamento e instruir as equipes sobre como colocar em prática, a fim de garantir que tudo seja executado conforme o planejado – sem perder o foco.

Dirigir implica em saber tomar decisões, liderar e intercomunicar-se com os subordinados. Fazer acontecer, dinamizar. Esta função envolve influenciar as pessoas para que trabalhem num objetivo comum. Com as metas traçadas e as responsabilidades definidas, é preciso ter a competência de influenciar pessoas.

Controle

Fayol, um dos teóricos da Administração, diz que o controle significa verificar se os procedimentos do pessoal se acordam com as regras e os princípios estabelecidos na empresa. É um dos momentos em que o administrador consegue até mesmo retroalimentar o sistema.

O controle pressupõe, por sua vez, o estabelecimento de padrões e medidas de desempenho que permitam assegurar que as atitudes empregadas são as mais compatíveis com o que a empresa espera. O controle das atividades desenvolvidas permite maximizar a probabilidade de que tudo ocorra conforme as regras estabelecidas e ditadas.

O controle é a última função desempenhada, porque só é possível ocorrer depois que as demais funções forem completadas e é claro perceber que ele está intimamente ligado ao planejamento prévio, pois estabelece metas e métodos para atingir as metas.

O processo de controle envolve quatro etapas: estabelecimento de padrões de desempenho, mensuração do desempenho, comparação do desempenho com esses padrões e adoção de medidas corretivas para ajustar o desempenho atual ao padrão desejado.

Controlar uma corporação envolve procedimentos qualitativos, como auditoria, observação pessoal, inspeção, controle por relatórios, avaliação de desempenho, políticas e controle do desempenho humano. Mas também envolve procedimentos quantitativos, como gráficos, análises de desvios padrão, análises de variância, orçamentos e relatórios contábeis.

Portanto, verifica-se facilmente que a informação é a base do controle. Um bom sistema de informação facilita muito cada uma das funções gerenciais e consegue fazer todo o processo evoluir ao longo do tempo.

Saiba mais adquirindo as Apostilas para os cargos do TRT 12

Tópico: TRT

Concursos RelacionadosVagas
CAIXAEstagiárioVárias
CONTER/CRTRs (Conselhos Fed. e Regionais dos Téc. de Radiologia)Todos os níveis de escolaridadeVárias
CRA/SC - Conselho Regional de Administração de Santa CatarinaNíveis Médio e Superior2
PMSC - Polícia Militar de Santa CatarinaOficial da polícia militar70
Prefeitura de Florianópolis Níveis Médio e SuperiorVárias
TST - Tribunal Superior do TrabalhoJuiz do trabalho substituto132
Prefeitura de PrincesaNíveis Médio e SuperiorVárias
Câmara de CaçadorNíveis Médio e Superior3
Câmara de ItáNível Superior1
Marinha do Brasil (CP-CAP)Nível Médio/Técnico90
Veja todos » Concursos Abertos