Expandir Menu PrincipalPesquisarPor Estado

Processo seletivo na Prefeitura de Jundiaí - SP

Com remunerações de R$ 4.013,68, a Prefeitura de Jundiaí, em São Paulo, abre seletivo, visando cadastro de professores para a elaboração de escalas rotativas.

Publicado em Comunicar erro

A Prefeitura de Jundiaí, São Paulo, torna público o edital SME/DAA nº 37/2016 de processo seletivo, visando constituir cadastro de reservas de profissionais docentes, para a elaboração de escalas rotativas. A execução do certame está sob a responsabilidade do Instituto Zambini.

O objetivo é selecionar Professores de Educação Básica I, Professor de Educação Básica II das disciplinas Educação Física, Arte, Português, Matemática, História, Geografia, Ciências, Física, Química, Biologia, Inglês, Francês, Italiano e Espanhol.

Apostila para Professor (comum a todas as áreas) Prefeitura de Jundiaí

A Administração concede, além do salário mensal de R$ 4.013,68, benefícios de auxílio transporte no valor de R$ 304,00 por mês, bem como auxílio alimentação de R$ 507,41 por mês. A carga horária será de 30 horas por semana.

As inscrições serão realizadas pela internet, no período de 24 de outubro a 08 de novembro de 2016, no endereço eletrônico www.zambini.org.br. O interessado deverá efetuar o pagamento da taxa de inscrição no valor de R$ 50,00.

A prova objetiva será aplicada na data prevista de 18 de dezembro de 2016, prioritariamente no município de Jundiaí ou, se preciso for, nos municípios vizinhos.

Edital e atualizações: https://goo.gl/y5PeKq

A Pedagogia do Oprimido - noções sobre a concepção de Educação

Na obra Pedagogia do Oprimido (1987), de Paulo Freire, o educador discute sobre dois tipos de educação. A opressora e a libertadora. Paulo Freire é conhecido por ter sido um pensador libertário, que gostaria de ver a educação como uma prática que enriquecesse não somente os educandos, como os professores. Sua pedagogia tinha como centro o diálogo entre os dois protagonistas da sala de aula (aluno e professor).

Nessa obra, Freire expressa seus sentimentos e pensamentos sobre a educação da sociedade opressora, chamada por ele de “educação bancária”, e a educação libertadora.

Educação “bancária”

A concepção pedagógica adota pelas escolas tende, naturalmente, a sofrer mutações com o tempo (embora, muitas vezes não sejam mutações para melhor...). Ainda é comum o ensino tradicional, pautado nos livros, quadro negro, presença e protagonismo (ou ditadura) do professor, ou seja, ainda predomina em muitos estabelecimentos a visão de que o aluno está lá apenas para coletar conhecimentos e ser avaliado em sua competência na hora das provas.


O aluno não pode apresentar suas opiniões, se não é repreendido. O professor tem o papel de detentor do saber, em que transfere o conhecimento do jeito que julgar melhor, podendo ter, indiretamente, valores pessoais inclusos. O aluno serve apenas para ouvir, anotar e passar de ano. Claro que, de certa forma, por muitos anos a educação brasileira teve esse tipo de ensino, entretanto, é cada vez mais visto uma forma de didática mais aberta, mais dialogal.

A principal diferença entre a educação “bancária” e a educação libertadora, portanto, é o ensino humanizado, que só existe na segunda, uma vez que o aluno e professor são complementares, interdependentes. Na educação opressora, como a própria expressão parece indicar, os alunos são oprimidos, impossibilitados de aflorar a sua personalidade, a sua identidade, já que são moldados, padronizados, por assim dizer.

Educação libertadora

Por outro lado, temos a educação libertadora, calcada na visão pedagógica em que Freire acreditava. É nesse tipo de educação que há humanização do contato entre docente e aluno, que há preocupação, valorização dos seus sentimentos e acepções sobre o mundo e o que está sendo estudado.

O aluno tem, nessa perspectiva, mais liberdade para aprender os assuntos de que gosta ou mesmo o que busca. O professor é o intermediário: é o instrumento que irá também transmitir conhecimento, mas de uma forma mais guiada, até mesmo livre.

Nesse tipo de educação, o aluno detém o saber e pode compartilhar com o professor, formando um sentimento de união, de colaboração, de organização, enquanto que não educação “bancária” há a manipulação de valores, a competitividade, a divisão.

Apostila Professor - Jundiaí/SP

Outro ponto que difere ambas as pedagogias é a alienação, que ocorre muito no ensino tradicional, caracterizamo por Freire, como vimos, como opressor. Já na outra (a educação libertadora), o diálogo é o que mais importa, porque é a partir dele que novos conhecimentos serão absorvidos, discutidos, de forma espontânea, natural, didática.

Na educação libertadora, existe uma dinâmica interativa entre ação e reflexão, em que não basta apenas ensinar e refletir, é preciso ser ativo no dia a dia, praticar aquilo que foi estudado no convívio em sociedade, ser um cidadão mais ciente, mais crítico, mais criativo. Paulo Freire acreditava na educação autônoma e não domesticadora.

Por isso que a educação libertadora é chamada de revolucionária, porque muda o modo como vemos os alunos, os professores e a sala de aula. (edição com informações de: https://goo.gl/scYvWB)

Concursos RelacionadosVagas
FUST - Fundação Universitária de TaubatéNível Médio656
IAMSPE - Inst. de Assist. Méd. ao Servidor Público Estadual de SPTodos os níveis de escolaridade43
Prefeitura de Embu das ArtesGuarda civil municipal50
Prefeitura de GuarujáNível SuperiorVárias
Prefeitura de OsascoNíveis Médio e Superior1.271
SAP/SP - Secretaria da Administração Penitenciária de São PauloAgente penitenciário934
SAP/SP - Secretaria da Administração Penitenciária de São PauloAgente penitenciário100
Câmara de Mogi GuaçuTodos os níveis de escolaridade11
Câmara de SumaréTodos os níveis de escolaridade17
Câmara de Taboão da SerraTodos os níveis de escolaridade25
Veja todos » Concursos Abertos