Concurso Câmara de Indaiatuba - SP

Câmara Municipal de Indaiatuba, São Paulo, oferece oportunidades de níveis fundamental, médio e superior, com remuneração de até R$ 8.395,08.

A Câmara Municipal de Indaiatuba, São Paulo, abre o edital n° 01/2017 de concurso público destinado ao provimento de cargos de nível fundamental, médio e superior. Os servidores que forem contratados terão remuneração de até R$ 8.395,08, em jornadas de trabalho de 30 ou 40 horas semanais.

O certame será executado pela Fundação VUNESP e oferta 31 vagas nos cargos de Copeira, Auxiliar Administrativo, Oficial de Manutenção, Operador de Som, Recepcionista, Técnico em Contabilidade, Técnico em Informática, Agente Administrativo, Analista de Sistemas, Controlador Interno, Jornalista e Procurador Jurídico.

Apostilas da Câmara de Indaiatuba - SP: AGENTE ADMINISTRATIVO - AUXILIAR ADMINISTRATIVO E RECEPCIONISTA - COPEIRA

Os interessados poderão efetuar suas inscrições no período de 18 de dezembro de 2017 a 31 de janeiro de 2018, somente via site da Fundação VUNESP (http://www.vunesp.com.br/). A taxa de inscrição varia de R$ 29,50 a R$ 79,50, de acordo com o cargo pleiteado.

O concurso constará de prova objetiva (todos cargos), prova prático-profissional (Procurador Jurídico) e prova prática (Operador de Som e Imagem). A prova objetiva está prevista para ser aplicada no dia 25 de março de 2018.

A validade do certame será de dois anos, a contar da data da publicação de sua homologação, podendo ser prorrogado por igual período, segundo a legislação vigente, a critério da Câmara Municipal.

Edital e eventuais retificações: https://www.vunesp.com.br/CIND1701

***

Dicas de Português para as provas da Câmara de Indaiatuba - SP

As provas deste concurso da Câmara de Indaituba cobrará questões que envolvem conhecimentos de Semântica. Trata-se de uma "parte da gramática" que estuda os significados das palavras, expressões, termos. Está ligada diretamente ao sentido conotativo, nos contextos diferentes e em interpretações diversas.

Obviamente, por assim dizer, a Semântica está intrinsecamente relacionada com a Sintaxe, que é a "gramática" do texto em si. Afinal, se houver uma mudança de conectivos, verbos e expressões, o sentido também mudará.

Para estudar a Semântica, é necessário interpretar o texto e dominar a sua significação ampla e específica, ou seja, saber o que o texto "quer dizer com aquela construção". É a Semântica que permite maior comunicação, logo, maior abrangência. Os conceitos, digamos, mais populares vinculados à Semântica, na prática, são os seguintes:

Sinônimos e antônimos

A dupla "sinônimo e antônimo" é Semântica pura! O sinônimo (daí vem o fenômeno da "sinonímia") é utilizado para expressar o mesmo sentido com palavras diferentes. Mas pode acontecer também que a palavra escolhida não "queria" dizer exatamente a mesma "coisa", uma vez que há palavras específicas para descrever determinada "coisa". Porém, o sentido chega a ser muito perto, muito parecido, dando, portanto, a interpretação correta. Por exemplo, o verbo “criar” e “produzir” podem ser considerados sinônimos. "Almejar" e "desejar" também.

Já o processo de antonímia é justamente o contrário!  Antônimas são duas palavras que apresentam significados totalmente opostos. Na prática, pode-se dizer que é mais fácil observar os antônimos, já que as ideias que se contradizem parecem ficar mais óbvias na cabeça das pessoas (ou não?). Os advérbios “bem” e “mal” são antônimos. As palavras “vivo” e “morto” também. Dependerá muito do contexto - como, aliás, praticamente tudo na Língua Portuguesa!

Homônimos, Parônimos e Polissemia

Dizemos que são Homônimas aquelas palavras que podem apresentar muita semelhança entre a escrita e a sonoridade, e ainda possuirem significados diferentes. Há diversos casos de homonímia, como estes:

  • Palavras homógrafas: a escrita é igual, mas a pronúncia é diferente. O substantivo “almoço” é pronunciado diferentemente do verbo “almoço”. Já a fruta “manga” tem a mesma pronúncia da palavra “manga”, denominando a peça do vestuário.
  • Palavras homófonas: já nessas palavras, é a pronúncia que é igual, mas a escrita é diferente. Por exemplo: “ascender”, “acender”, “sinto”, “cinto”.
  • Palavras perfeitas: são aquelas que possuem tanto grafia quanto pronúncia iguais. O verbo “ceder”, no presente fica “cedo” e o substantivo “cedo” também é igual.
  • Palavras paronímias: a pronúncia das palavras pode ser muito parecida, mas a grafia se difere. Como em “descriminar” e “discriminar”.

A Polissemia também está relacionada com os homônimos. A polissemia ocorre quando uma palavra pode até ter uma grafia "fixa", mas o seu significado é completamente diferente. Dependendo do contexto, as palavras podem ser interpretadas de forma diferente. Por exemplo: a palavra “banco” pode descrever inúmeros significados (banco = assento de uma praça, banco = assento de madeira/tamborete, banco = instituição financeira, banco = verbo bancar: eu banco).

Conotação e Denotação

Na Semântica também existe a diferença entre os termos "técnicos" Conotação e Denotação. A Conotação diz respeito ao significado que não está presente nos dicionários, logo, a partir de contextos, é possível interpretar de forma diferente determinada palavra (o significado fica "aberto", dando margem a outras significações). Já a Denotação ocorre quando o significado presente no dicionário não permite outra interpretação. Por isso a necessidade de interpretar e compreender o significado da palavra dentro de um texto! A significação está "fechada", não há margem para entendermos outra "coisa".