Charles Darwin

Charles Darwin foi um naturalista britânico que revolucionou as ciências biológicas através das ideias de evolução e seleção natural das espécies.

Nascimento e vida de Charles Darwin

Charles Darwin nasceu em 12 de fevereiro de 1809 em Shrewsbury, na Inglaterra. Seu pai era médico e seu avô era poeta.

Já na infância Charles Darwin demonstrava interesse pela História Natural. Gostava de observar a natureza e colecionava pedras, conchas, plantas, flores silvestres e ovos de pássaros.

Após encerrar os estudos básicos em sua cidade, Charles Darwin foi para a Universidade de Edimburgo, estudar medicina (muito por influência de seu pai), mas seu interesse pelas discussões sobre História Natural era tanto, que deixou de frequentar muitas aulas, abandonando o curso logo depois.

Darwin se matriculou no Christ's College em Cambridge, onde se formou bacharel em Artes, mas sem deixar de realizar suas pesquisas sobre a natureza, fazendo interessantes descobertas.

Paralelo às suas pesquisas, Charles Darwin também se preparava para ser pastor da igreja anglicana em Cambrigde.

Foi lá que ele conheceu o clérigo, geólogo e botânico John Stevens Henslow, de quem se tornou amigo e que mudou o destino de Darwin para sempre.

Foi graças à influência de Henslow, que Darwin conseguiu um lugar na expedição do geólogo Adam Sedgwick, para o norte do País de Gales.

Henslow também convidou Charles Darwin para participar de uma expedição exploratória ao redor do mundo, a bordo do HMS “Beagle”, comandada por Robert Fitzroy, para mapear o Hemisfério Sul.

No dia 27 de dezembro de 1831, Darwin embarcou no veleiro que partiu do porto de Devonport, seguindo viagem para o arquipélago de Cabo Verde.

A viagem durou cinco anos. Nesse período, Charles Darwin explorou as costas da América do Sul (Brasil, Patagônia, Terra do Fogo, Chile e Peru), e algumas ilhas sul americanas.

Fez diversas e detalhadas observações, que resultaram em um completo diário de zoologia, geologia e outros registros feitos sobre as experiências que viveu.

Foi com base nesse diário, que Darwin escreveu seu livro “A viagem do Beagle” um de seus mais famosos livros.

No dia 5 de outubro de 1836, desembarcou em Falmouth, Inglaterra. Darwin passou alguns meses em Cambridge, a fim de organizar a coleção de espécies recolhidas na expedição.

Em 1837 foi para Londres, onde trabalhou ao lado de notáveis cientistas. No ano de 1838 foi nomeado secretário da Geological Society, ocupando o cargo até 1841.

Em 1839, Charles Darwin se casou com sua prima Emma Darwin. Tiveram 10 filhos, dos quais três morreram.

Em 1842 mudou-se para Down, pois estava com a saúde bastante debilitada, exigindo que fosse morar no campo.

Mesmo doente Darwin trabalhava em suas pesquisas, o que resultou em uma grande contribuição científica através de suas obras: “A Variação de Animais e Plantas Domesticadas”, “A Descendência do Homem”, “A Formação do Húmus Vegetal pela Ação dos Vermes”, “O Poder do Movimento das Plantas”, entre outras.

Darwin morreu em 1882, aos 73 anos, de ataque cardíaco, decorrência da Doença de Chagas, que adquiriu em sua passagem pela América do Sul.

Ele foi enterrado na Abadia de Westminster (o que é um privilégio para poucos).

Seus livros geraram muitos debates e questionamentos na época. Hoje sua teoria se tornou a base das ciências biológicas contemporâneas.

Obras e teoria de Charles Darwin

Através de seus estudos e da coleta de vários organismos durante a viagem pelo Hemisfério Sul, Darwin começou a se questionar sobre o surgimento das espécies.

Surgiram questionamentos como “de onde vêm as novas espécies?”, “por que existiam tantas diferentes espécies no mundo?”, “por que alguns animais eram tão parecidos e outros tão diferentes?”, “por que as espécies se diferenciavam tanto apesar de viverem em ambientes semelhantes?”.

Essas questões deixavam Darwin intrigado, tanto que quando voltou ao Reino Unido, já com uma reputação famosa de geólogo e naturalista, ele se dedicou a responder a esses questionamentos e chegou à conclusão de que a vida era infinitamente variável.

Em uma época em que se acreditava que os animais foram criados da forma como eram vistos, Darwin falou pela primeira vez em evolução das espécies.

Foram muitos anos de pesquisa, até que ele publicou um dos livros mais importantes para a ciência biológica, que trata “ Sobre a Origem das Espécies por Meio da Seleção Natural ou a “Preservação de Raças Favorecidas na Luta pela Vida”, que acabou tendo como título definitivo  “A Origem das Espécies”.

A primeira edição foi esgotada em um dia e influenciou radicalmente as teorias das ciências biológicas da época, alterando radicalmente a perspectiva que as pessoas tinham sobre a história do mundo e do ambiente em que viviam.

Teoria da Evolução das Espécies

  • Os indivíduos de uma mesma espécie não são totalmente idênticos, apresentam variações de características.
  • Várias diferenças anatômicas ou fisiológicas observadas entre os indivíduos de uma população são transmitidas de uma geração a outra.
  • Os indivíduos que possuem características que favoreçam sua sobrevivência viverão até a idade de reprodução.
  • Ao se reproduzirem, esses indivíduos têm grande chance de transmitir à sua descendência as variações que favorecem a sua sobrevivência.
  • De forma eventual, um indivíduo sofre uma modificação aleatória no processo de formação do organismo.
  • Se essa alteração aleatória favorecer a sobrevivência do indivíduo, ele chegará à idade de reprodução com grande chance de transmiti-la a uma determinada parte de sua descendência.
  • A repetição do mecanismo de herança e adaptação ao ambiente ao longo das várias gerações leva a mudanças graduais em um determinado grupo de indivíduos da espécie, até que esse grupo fica tão diferente do grupo original que surge então uma nova espécie.

A visita de Darwin ao Brasil

Em sua visita ao Brasil, o que mais chamou a atenção de Darwin foi a natureza exuberante do país, especialmente a floresta tropical.

Em seu diário de bordo relatou: “Delícia é um termo fraco para exprimir os sentimentos de um naturalista que, pela primeira vez, se viu perambulando por uma floresta brasileira”.

Ao presenciar a escravidão e as punições que sofriam os escravos, disse: “ Que eu jamais visite de novo uma nação escravocrata”.

Por Simone Oliveira