Érico Veríssimo

Érico Veríssimo foi considerado um dos maiores escritores do século XX, tendo conquistado diversos prêmios. Saiba mais neste artigo.

Nascimento de Érico Veríssimo

Ao décimo sétimo dia de Dezembro de 1905, Érico Lopes Veríssimo nasceu, no município de Cruz Alta,  estado do Rio Grande do Sul. Seus pais Sebastião Veríssimo da Fonseca e Abegahy Lopes eram de famílias nobres e tradicionais.

Entretanto, no decorrer dos anos, perderam tudo o que tinham, fazendo com que o futuro ilustre escritor fosse trabalhar para contribuir com a renda familiar.

Érico Veríssimo e o interesse pela literatura

Desde muito jovem, Érico Veríssimo se deleitava com os livros. Leu ainda muito jovem clássicos como: Joaquim Manoel de Macedo, Monteiro Lobato, Wald de Andrade, Euclides da Cunha, Mario de Andrade.

Apreciava também a literatura estrangeira como: Balzac, Eça de Queirós, Aldous Huxley, Émile Zola, Dostoievski, Oscar Wilde, Leon Tolstoi, Friedrich Nietzsche.

Educação de Érico Veríssimo

O Colégio Elementar Venâncio Aires foi a escola em que Érico Veríssimo estudou até 1920, ano em que se mudou para a Capital Porto Alegre. Na nova cidade, matriculou-se no  Colégio Interno Protestante Cruzeiro do Sul.

No ano de 1922, seus pais se separaram e Érico Veríssimo começa a trabalhar como balconista em uma seguradora até ocupar a grade de funcionários do Banco Nacional do Comércio. 

Em 1926, Érico Veríssimo retorna à Cruz Alta e, lá se inspira em abrir, junto de um amigo da família, a Pharmacia Central. Porém, quatro anos mais tarde, a farmácia encerrou as atividades. O que foi um divisor de águas em sua carreira literária, pois o desgosto de falir um comércio  local o fez voltar à Capital, Porto Alegre, para viver de seus escritos.

Início da carreira na literatura

Érico Veríssimo assim que retorna à capital envolve-se com outros escritores e, é contemplado com a oportunidade de trabalhar na redação da revista o globo. Em seguida foi promovido a diretor da revista, com isso recebeu a indicação para tornar-se gerente do departamento editorial da livraria do globo.

Também contribuiu com os jornais Diários de Notícias e Correio do povo.  Chegando,  inclusive, a ser eleito presidente da Associação Rio-Grandense de imprensa.

No ano de 1931, casou-se com Mafalda Halfen. O casal trouxe ao mundo dois filhos: Clarissa e Luis Fernando.

Érico Veríssimo muda-se para os Estados Unidos

Na década de 40, Veríssimo mudou-se para os Estados Unidos, devido a forte censura de imprensa instalada no país pelo Estado Novo. No colégio Mills College em Oakland, Califórnia, lecionou literatura entre os anos 1943 e 1945.

Esta instituição lhe rendeu o título de Doutor Honoris Causa, em 1944. No ano de 1955, em Whashington, tornou-se Diretor do Departamento de Assuntos Culturais da União Pan-Americana.

Um infarto aos 69 anos de idade culminou na morte de Érico Veríssimo em 29 de Dezembro de 1975.

Principais obras de Érico Veríssimo

Sua obra mais famosa é intitulada de: “O tempo e o vento” uma trilogia épica que ganhou adaptações para a TV. Outras obras como: “Olhai os lírios dos campos” e “Incidente em Antares” também foram dignas de adaptações para as telinhas.

Considerada sua obra-prima, “olhai os lírios dos campos” foi escrita em 1938 e trata-se de um romance urbano que narra a história de um humilde jovem que sente vergonha da pobreza de sua família, que, apesar de todo o esforço, se empenha até conseguir forma-lo em medicina.

Performance literária

Érico escreveu contos, romances, crônicas e aventurou-se a escrever até literatura infantil. Suas obras apresentam características intimistas e não falta o estilo coloquial em suas ainda vivas palavras.

A leitura da obra de Veríssimo proporciona ao leitor a oportunidade de ver o amadurecimento de seus personagens e o dinamismo criado por ele em suas histórias.

  • Clarissa; (1933)
  • Caminhos cruzados (1935)
  • Música ao longe (1935)
  • Saga (1940)
  • O resto é silêncio (1942)
  • O continente (1948)
  • O retrato (1951)
  • O senhor embaixador (1965)

Os títulos supracitados são uma parte da vasta obra deixada por Érico Veríssimo. 

Por: Érica Calefi