Biologia evolutiva

Entenda o que trata essa ramificação das ciências biológicas e qual sua importância para os estudos científicos atuais.

A Biologia contemporânea é um campo vasto e eclético a ser explorado, composta de muitas ramificações e especialidades. Mas apesar disso, é uma parte da ciência com conceitos gerais e unificadores, governando toda a área de pesquisa e estudo, na tentativa de consolidá-la num campo único e coerente.

A parte da Biologia conhecida como evolutiva (ou evolucionista) é aquela dedicada aos estudos da origem, descendência e evolução das espécies. Mas antes de tentar entender o que ela significa, é preciso entender o que o termo evolução quer dizer.

Podemos definir como evolução o processo ao longo do tempo em que ocorrem as variações e adaptações das populações, ocasionando o surgimento de novas espécies, a partir de uma já existente.

Os primeiros estudos científicos sobre evolução começaram com Jean-Batiste Lamarck (1744-1829), cientista que criou a lei do uso e desuso e também a lei da herança dos caracteres adquiridos.

Segundo Lamarck, as espécies apresentam mudanças em seus organismos como consequência do uso frequente de um determinado órgão. O cientista fundamentou sua teoria com exemplos como o das girafas, que, segundo ele, obtiveram o crescimento do pescoço ao longo do tempo como adaptação para alcançar árvores mais altas.

Já a segunda lei proposta por Lamarck defende a herança dos caracteres adquiridos, afirmando que qualquer mudança que um ser vivo venha a sofrer, passaria também para os seus descendentes.

Não há como negar que algumas teorias de Lamarck estavam equivocadas, mas há de se levar em conta um fator de grande relevância para a teoria evolucionista: a influência do meio na evolução das espécies.

Com relação a esse assunto, Charles Darwin (1809-1882), outro cientista considerado como naturalista evolucionista, propôs a Teoria da Evolução, tentando explicar a forma como ela ocorre.

Segundo ele, a evolução ocorre por conta da luta pela sobrevivência das espécies, de forma que somente os mais aptos e preparados poderiam sobreviver, passando assim suas características aos próximos descendentes.

Darwin ainda proporia em sua teoria uma ideia em que todos os organismos existentes descendem de um ancestral comum. Essa teoria conhecida como Ancestralidade foi reinterpretada na década de 40 por uma série de cientistas, inclusive sendo aplicada com conhecimentos de outras áreas da Biologia, como a genética moderna. Através desses estudos que surgiria mais tarde a Teoria Sintética da Evolução.

Apesar de toda revolução científica para o caso, desde a apresentação das hipóteses de Darwin para o mundo todo, essa parte da Biologia ficou conhecida como Evolutiva de Desenvolvimento (em inglês evo-devo). Esta forma de subdivisão busca estudar a origem e descendência das espécies, bem como todas as mudanças ocorridas ao longo do tempo.

Uma curiosidade está no fato de que, apesar de os estudos evolucionistas começarem com cientistas europeus, de uma forma geral, alguns estudos se intensificaram na região dos países latino-americanos, porém essa região ainda busca visibilidade internacional.

Em suma, a Biologia Evolutiva busca não apenas entender, como elucidar e trabalhar questões relacionadas a parte de evolução dos seres vivos. Mas não há como negar que devido à complexidade do tema, muitas perguntas ainda não puderam ser respondidas no que tange a evolução das espécies.

Autor: Alan Lima