Biomas brasileiros

Vamos conhecer um pouco mais sobre os biomas brasileiros.

Bioma são ecossistemas agrupados de acordo com a vegetação, relevo e clima. O Brasil possui seis biomas com características peculiares a cada um.

A biodiversidade desses biomas demonstram a riqueza natural existente no Brasil.

Os biomas brasileiros são divididos em: Amazônia, Cerrado, Caatinga, Mata Atlântica, Pantanal e Pampa.

Bioma Amazônia

Bioma da Amazônia é o maior bioma brasileiro, ocupando uma área de 4.196.943 Km², o que representa 40% do território nacional.

Os estados do Pará, Amapá, Acre, Amazonas, Roraima, Rondônia, partes do Maranhão, Mato Grosso e áreas do Suriname, Guiana, Venezuela, Equador, Peru e Bolívia estão localizados no bioma da Amazônia.

Nesse bioma foram encontradas 2.500 espécies de árvores, 30 mil espécies de plantas e tem a maior bacia hidrográfica do mundo, com 6 milhões de Km² e 1100 afluentes.

A fauna do bioma Amazônia é muito diversificada com cerca de 30 milhões de espécies animais catalogadas, fora algumas espécies ainda desconhecidas pelo homem.

A vegetação pode ser encontrada em três tipos diferentes, são elas: as matas de terra firme, matas de várzea e por último as matas igapó.

As matas de terra firme se localizam em áreas mais altas, não sofrendo inundação. Nelas estão presentes grandes árvores.

As matas de várzea são locais que inundam em certos períodos do ano. Nas terras altas tem o mesmo tipo de vegetação das matas de terra firme e nas áreas mais baixas, tem a mesma vegetação das matas de igapó.

As matas de igapó se localizam em regiões baixas, ficando inundadas na maior parte do ano. A vegetação é formada por arbustos, cipós e musgos.

O solo amazônico é bastante arenoso e com uma fina camada de nutrientes formada pela decomposição das folhas, plantas e animais. Somente 14% do território é considerado fértil para agricultura.

O relevo presente nesse bioma é caracterizado pela presente de planícies, planaltos e depressões.

O clima é o equatorial úmido, caracterizado pela grande quantidade de chuvas e temperaturas elevadas.

Bioma Cerrado

O Bioma Cerrado é o segundo maior bioma, ocupando uma área de 2.036.448 Km², se estendendo pelos estados de Goiás, Tocantins, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Distrito Federal, partes do estado de São Paulo, Minas Gerais, Maranhão, Piauí e Bahia. Isso representa 25% do território nacional.

É chamado de savana brasileira devido a presença de vegetação baixa, plantas esparsas e com aparência seca. As árvores são baixas, retorcidas e inclinadas. São mais de doze mil espécies vegetais catalogadas nessa região.

A fauna do cerrado é muito diversa. O IBAMA catalogou 67 espécies de mamíferos, 837 espécies de aves, 120 de répteis e 150 de anfíbios.

O solo é pobre em nutrientes, mas com quantidade de ferro e alumínio. É um solo de formação antiga e profunda, com uma extensa reserva de água. É arenoso, de cor vermelho – amarelada, permeável e pouco fértil naturalmente, isso significa que é um solo que precisa de uma complementação desses nutrientes através da correção de solo.

Em relação ao relevo, existem duas formações: planaltos e chapadas. O clima é definido como tropical sazonal, caracterizado pelas altas temperaturas e falta de vento. Entre maio e setembro, o clima é seco, entre outubro e abril é bastante chuvoso.

Não há grande quantidade de água na superfície do solo do cerrado. A maior reserva de água está nas camadas mais profundas desse solo.

Bioma Caatinga

O Bioma Caatinga ocupa uma área de 844.453 Km², o que significa 11% do território nacional. Fazem parte desse bioma os estados de Alagoas, Maranhão, Bahia, Ceará, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Piauí, Sergipe e norte de Minas.

O clima da caatinga é o semiárido, marcado pela baixa umidade e pouca chuva. Os rios são intermitentes ou temporários, pois eles secam nos períodos sem chuva.

O relevo é caracterizado pela presença de duas formações: planaltos e grandes depressões. O solo é raso, rico em minerais, mas pobre em matéria orgânica, devido à baixa decomposição dessa matéria por causa do calor e luminosidade. O solo tem um aspecto pedregoso e muito fértil, principalmente no período de chuvas.

A vegetação da caatinga é formada por plantas xerófilas, que se adaptam aos ambientes com pouca chuva e baixa umidade. As árvores são baixas e os arbustos são tortuosos e esbranquiçados.

A fauna não é tão rica como em outros biomas. Os animais, na sua maioria, têm hábitos noturnos, fugindo do calor do dia.

Bioma Mata Atlântica

Sendo um dos biomas mais devastado pela ocupação humana, o bioma da mata atlântica ocupa uma área de 1.110.182 Km², o que corresponde a 13,04% do território nacional.

Esse bioma é encontrado em todo litoral brasileiro, do Rio Grande do Sul ao Rio Grande do Norte, passando por dezessete estados da região sul, sudeste e nordeste.

A fauna da mata atlântica é muito variada. Já foram catalogadas 260 espécies de mamíferos, 620 de aves, e 260 de anfíbios e inúmeros répteis e insetos. Dos 633 animais ameaçados de extinção no Brasil, 383 se encontram na mata atlântica.

A vegetação da mata atlântica foi classificada em extratos: superior, arbustivo e herbáceo.

No extrato superior ou dossel, se localizam as árvores mais altas, que recebem mais luz do sol.

No extrato arbustivo, domina o interior da mata, reunindo espécies sob a sombra das árvores mais altas.

No extrato herbáceo, são encontradas plantas menores, que se localizam próximas ao solo. São arbustos baixos, ervas, gramíneas e musgos.

O relevo é formado por extensas cadeias de montanhas, colinas e morros.

O solo é raso, com bastante umidade devido a pouca ventilação e luz do sol. É um solo bastante fértil por causa da serrapilheira (camada com restos de vegetação, caules, casacas de frutos que cobrem a superfície do solo). É a decomposição dessa matéria orgânica que garante os nutrientes desse ambiente.

É um bioma rico em água, onde se encontra sete das nove bacias hidrográficas do Brasil. A reserva de água da mata atlântica abastece 70% da população brasileira.

A mata atlântica é influenciada por diferentes climas, de acordo com a região que se encontra. Existem áreas marcadas com clima subtropical úmido no sul; outras marcadas pelo clima tropical e outras pelo clima da caatinga semiárida do nordeste.

O que é comum a todas essas regiões é o grande volume de chuva, devido à proximidade com o oceano e de seus ventos.

Bioma Pantanal

O Bioma Pantanal é uma das maiores planícies alagadas do planeta. É o menor bioma do Brasil, com uma área de 150.355 Km², ocupando 1,76% do território nacional.

A fauna é muito diversificada, com 122 espécies de mamíferos, 93 de répteis, 656 de aves e 263 de peixes catalogados.

A vegetação do pantanal é um conjunto de diversas paisagens, influenciadas pelo bioma Amazônia e Cerrado.

Nas matas de galeria ou ciliares, que ficam às margens dos rios, encontramos uma floresta mais densa. Nas áreas que se alagam menos, aparecem tapetes de gramíneas. Nas regiões alagadas constantemente, encontramos plantas aquáticas flutuantes.

Existem ainda as matas paratudais, onde crescem árvores com cascas espessas, rugosas e com galhos retorcidos.

O solo do Pantanal tem uma superfície pouco permeável, por causa das constantes inundações. O excesso de água afeta a decomposição de matéria orgânica tornando–a mais lenta e difícil, diminuindo a fertilidade do solo.

A planície é o tipo de relevo predominante no Pantanal. O clima no Pantanal é tropical, marcado por temperaturas elevadas. Há duas estações bem definidas: o verão chuvoso, de outubro a março e o inverno seco, de abril a setembro.

A água no Pantanal é abundante, consequência das enchentes dos rios que cortam a região no período de chuva. Como o terreno pantaneiro é de pouco declive, a água se acumula e permanece o ano todo.

Bioma Pampa

O Pampa é um bioma que se restringe ao Rio Grande do Sul, ocupando uma área de 176.496 km², que corresponde a 63% do território do estado rio-grandense e a 2,07% do território nacional.

A fauna do Pampa é bem diversa, com 102 espécies de mamíferos, 476 de aves e 50 de peixes já catalogadas.

Ao sul do Rio Grande do Sul, estão os campos mais planos, chamados de pampas. A vegetação é formada por gramíneas.  Nas encostas dos planaltos, há matas com grandes árvores como o pinheiro. Próximo ao litoral, a paisagem é marcada pelos banhados, áreas alagadas onde encontramos juncos, gravatás e aguapés. 

O solo dos pampas é fértil, o que o torna propício ao desenvolvimento de atividades agrícolas. Essas atividades contribuíram para a degradação dessa área, gerando um processo de desertificação, assim como ocorrido no sertão nordestino.

O relevo do pampa é suavemente ondulado com predomínio de planícies. Podem ser encontradas colinas, conhecidas como “coxilhas”. Há a presença de planaltos, cavernas e grutas.

O clima do pampa é o subtropical úmido, com verões quentes, invernos frios e com chuva regular durante o ano todo.

Por Simone Aparecida de Oliveira