Evolução aplicada

A evolução Aplicada é uma ciência que se dedica ao conhecimento sobre a evolução dos seres vivos, atualmente chamada de Biologia Evolutiva.

A Biologia Evolutiva, começou a ser estudada pela necessidade do homem em conhecer a diversidade de organismos existentes em nossa biodiversidade. Os Estudos se intensificaram após a publicação do livro de Charles Darwin, chamado “A origem das Espécies” em 1859 e através das pesquisas de Alfred Russel Wallace, que dedicou-se aos estudos da Teoria da Evolução nesta mesma época.

A biologia, geografia e ecologia, por exemplo dedicam-se a estudar individualmente os organizamos vivos de suas áreas, a Biologia Evolutiva, por sua vez, estuda as razões por traz da vida no planeta terra, envolvendo todas as ciências que estudam a vida.

Assim a biologia Evolutiva, envolve pesquisas nas áreas de medicina, agricultura, ecologia e conservação. Assim é possível olhar para estes campos de estudo com um foco mais global, integrando as mais diversas áreas de estudo.

A Biologia Evolutiva e a Medicina

A Biologia Evolutiva foi crucial para alguns estudos científicos na área da medicina. Embora outras ciências já estudem as áreas relacionadas a medicina, a Biologia Evolutiva, estuda os aspectos gerais da evolução da vida e suas anomalias.

Sendo útil para o estudo de várias doenças, tais como:

  • Doenças genéticas
  • Doenças infecciosas

Por exemplo, no casos de doenças ocasionadas por vírus, a biologia evolutiva estuda todo o ambiente de ocorrência da doença, analisando questões biológicas, geográficas e do ambiente.

Sendo assim é possível identificar a região de sua origem, possíveis hospedeiros entre outros elemento que podem auxiliar na cura.

Esses caso é utilizado para determinar a origem e tratamento das gripes, por exemplo. Assim é possível analisar a evolução da doença no decorrer dos anos, e encontrar com maior facilidade um tratamento ou cura quando surge uma forma mais agressiva da mesma.

A Biologia Evolutiva e a Agricultura

Assim como no caso das doenças infecciosas, na agricultura também ocorre a evolução dos parasitas e pragas que afetam as lavouras que com o tempo desenvolvem resistência ao veneno utilizado em seus combate.

Assim a Biologia evolutiva auxilia na análise da evolução dessas pragas para que novas formas de prevenção sejam encontradas.

Na pecuária, também auxilia nas avaliações genéticas dos animais de corte para melhor a qualidade da produção. Estudando a genética evolutiva dos animais é possível gerar rebanhos mais resistentes.

Além de melhorar a qualidade e quantidade de leite e ovos produzidos pelos animais por exemplo.

A biologia evolutiva e a conservação da biodiversidade

Outra contribuição essencial da biologia evolutiva é na área de conservação do nosso planeta.

Não é novidade que muitas espécies de plantas e animais estão ameaçados de desaparecer em todas as partes do mundo.

Assim a Biologia evolutiva, pode contribuir para determinar locais que necessitam de maior conservação e preservação, além de contribuir com a preservação genética das espécies, uma vez que o acasalamento entre pares pode criar uma geração geneticamente frágil e comprometer a preservação da espécie.

Na natureza, todos os elementos estão interligados entre si, o solo, a água a fauna e aflora, então se qualquer um deles estiver em desequilíbrio pode gerar problemas para a evolução natural daquele habitat.

Poderíamos ainda elencar uma série de outras áreas onde a biologia evolutiva tem contribuições significativas, como a farmacêutica, na indústria de produção entre tantas outras.

O fato é que a Biologia evolutiva é essencial para o desenvolvimento da biodiversidade do nosso planeta, contribuindo para a continuidade da vida no futuro.

Por Franciele Tochetto Pedrozo Ghizzoni