Homozigoto e heterozigoto

Entenda o significado dos termos genéticos e do que eles tratam.

Para entender o que os termos homo e heterozigoto significam, é necessário antes tentar compreender o sistema genético. Cada ser humano carrega consigo uma carga material que inclui um código único e pessoal, correspondendo aos genes, ou seja, suas características individuais.

Esse material fica armazenado nos chamados cromossomos. O ser humano em geral possui 46 cromossomos organizados em 23 pares. Cada um destes pares é formado por aqueles denominados cromossomos semelhantes, portanto cromossomos homólogos, organizados dentro da estrutura celular dos indivíduos e seres em geral.

Esta estrutura genética é relativamente complexa, tanto que cada gene constitui uma estrutura responsável por cada característica. Nos seres humanos, por exemplo, existem os genes responsáveis apenas pela cor dos cabelos, outro pela dos olhos, tipo sanguíneo, e assim sucessivamente.

Gene nada mais é do que uma fração de ácido Desoxirribonucleico (mais conhecido como DNA), responsável por codificar um determinado peptídeo (aminoácidos unidos por meio de um fenômeno chamado ligação covalente), estabelecido na forma de uma proteína.

Desta forma, os cromossomos contêm milhares de genes, funcionando como armazenadores de todas as nossas informações genéticas.

Considerando isto, os genes considerados alelos representam aqueles que ocupam a mesma posição entre os cromossomos homólogos, porém, considerando o fato de que esses genes não são iguais, esta diferenciação se dá por meio da representação em letras maiúsculas e minúsculas.

A palavra heterozigoto é usada para definir um organismo cujas células possuem pelo menos duas versões diferentes de um mesmo gene dentro de seu núcleo. Sendo assim, cada célula possui pelo menos dois cromossomos idênticos.

Estes organismos contêm fatores de ordem genética de seus dois parentes, de forma que o grupo sanguíneo revela dois alelos: um parente com um grupo B e uma criança com mais uma pessoa pertencente ao grupo A, gerando assim o grupo AB, portanto essa nomenclatura (AB) constitui um grupo sanguíneo considerado heterozigoto.

Já o termo homozigoto (ou homozigótico) serve para denominar genes alelos idênticos presentes num lócus (do latim, “local fixo”) genético. Um indivíduo será considerado homozigoto quando seus genes alelos se aglomeram e codificam gerando características iguais. Em suma, os alelos, sendo iguais, serão capazes de produzir apenas um tipo de gameta.

Um exemplo: Em legumes como as ervilhas, a característica constituinte nas sementes verdes é recessiva, portanto homozigótica, possuindo apenas o genótipo VV, ou seja, apta a produzir apenas gametas do tipo V. O mesmo acontece em sementes amarelas do mesmo tipo, VV que também produzirão gametas V.

Outro exemplo um pouco mais complexo: Considerando uma proteína constituída em média por 1000 aminoácidos, pode ser que qualquer uma delas possa variar, sem que para isso ocorra uma descaracterização desta proteína.

Desta forma um gene indicando uma posição vertical possui o aminoácido denominado glicina como possível, assim como outro na posição horizontal, denominado alanina, constitui outro possível. O gene é o mesmo, mas que possui dois alelos diferentes.

Caso um indivíduo herde de seus pais genes idênticos, ele será chamado homozigoto, possuindo dois genes na posição vertical indicando o aminoácido glicina. Caso herde um gene materno diferente do gene paterno, será chamado então de heterozigoto, herdando um gene horizontal indicando alanina e um vertical indicando glicina, mesmo que ambos estejam na mesma ordem de posição dentro da estrutura da proteína.

Por Allan Maxwell