Processo evolutivo da especiação

Conheça o que é e como ocorre o processo evolutivo da especiação.

O processo evolutivo de especiação é a separação de uma linhagem, produzindo duas ou mais espécies diferentes, através do isolamento reprodutivo.

Fatores externos (mudanças climáticas, eventos naturais como terremotos, enchentes), isolamento geográfico e fatores internos (genéticos), contribuem para o processo evolutivo de especiação.

O que é especiação?

Especiação é um processo evolutivo que dá origem a novas espécies. Os seres vivos, ao longo do tempo, sofrem transformações com a variação genética que acontece em decorrência das mutações genéticas.

A especiação não se aplica a espécies sem reprodução sexuada porque elas não produzem descendentes por cruzamento, mas apenas clones, indivíduos iguais do ponto de vida biológico.

Tipos de especiação

  • Especiação alopátrica ocorre por isolamento geográfico. Nesse tipo de especiação, algum fator externo ao organismo, impede dois ou mais grupos de se acasalarem frequente ou eventualmente, causando a especiação da espécie. Esse isolamento geográfico é causado pela grande distância ou barreira física como desertos, rios ou oceano.
  • Especiação peripátrica ocorre quando uma das populações isoladas tem um número pequeno de indivíduos. Nesse processo, a deriva genética e fortes pressões seletivas, causam rápidas mudanças genéticas nessa pequena população, levando a especiação dessa espécie.
  • Especiação Parapátrica acontece sem nenhuma barreira externa ao fluxo gênico, ou seja, não há isolamento geográfico. A população é contínua, mas não há cruzamento aleatório entre eles.

Os indivíduos são mais predispostos a cruzar com vizinhos geográficos do que com indivíduos de uma parte diferente da população. A redução do fluxo gênico entre as populações e as diferentes pressões de seleção, levam a divergências genéticas e consequentemente à especiação. Ex.: Anthoxanthum  odoratum, algumas destas plantas vivem próximas a minas onde o solo foi contaminado com metais pesados.

As plantas em torno das minas sofreram seleção natural para os genótipos que são tolerantes a metais pesados. Enquanto isso, plantas vizinhas que não vivem em solos contaminados não foram submetidas à seleção para este caráter.

  • Especiação Simpátrica acontece sem que aja separação ou isolamento geográfico. Duas espécies convivem em um mesmo espaço, mas mantendo o isolamento reprodutivo através de barreiras biológicas que impede a migração de genes de uma população para outra.

Indivíduos que exploram um novo nicho pode diminuir o fluxo gênico com indivíduos que exploram outros nichos diferentes. Ex.: Um exemplo é a mosca Rhagolettis pomonella, que seus ancestrais depositavam seus ovos, há 250 anos, apenas nos frutos de um espinheiro da região do tipo Crataegus sp.

Porém, mais tarde, com a introdução da maça doméstica, pelos europeus, na mesma região, parte dessa população passou a depositar seus ovos nessa maçã, resultando no acasalamento apenas entre as moscas ali presentes em cada fruto.

Barreiras ao fluxo gênico que contribuem para a especiação.

Somente as barreiras externas à reprodução, não realizará a especiação da população. Para que o processo de especiação esteja completo é necessário que as barreiras internas (de base genética) evoluam, tornando as duas espécies incapazes de produzir descendentes viáveis juntos ou que eles evitem acasalar com membros do outro grupo.

Algumas barreiras contribuem para impedir o fluxo gênico, gerando a especiação. Elas são frutos da seleção natural, sexual ou deriva genética.

  • Evolução de diferentes locais, momentos ou rituais de acasalamento.
  • Falta de adaptação entre órgãos sexuais.
  • Inviabilidade ou esterilidade da descendência.

As plantas têm mais opções de especiação do que os animais, porém, dois modelos são mais comuns:

  1. Especiação por hibridização: os descentes são estéreis, mas ocasionalmente podem ser férteis e estão isolados reprodutivamente de suas espécies originais, formando nova espécie.
  2. Especiação por mudanças de ploidia: multiplica o número de cromossomos que a espécie tem por algum número, produzindo espécies, reprodutivamente isoladas e diferentes das espécies originais.

Dentro do processo de especiação há a coespeciação, que é a especiação em paralelo, quando há associação entre duas espécies muito próximas. Isso é provável de acontecer entre parasitas e seus hospedeiros.

Por Simone Aparecida de Oliveira