Mercados de derivativos: o que são?

O mercado de derivativos dá um importante norte para empresários tomarem decisões importantes.

O termo “derivado” significa que algo se originou de outro. Neste sentido, os mercados de derivativos estão relacionados aos derivativos, que, por sua vez, são contratos resultados de outros ativos.

O derivativo resulta ou depende, de forma integral ou em partes, do valor de moedas, juros, ações, contratos, etc. Esses instrumentos financeiros servem para proteção financeira contra a variação da taxa de câmbio ou outro fator que ameace fluxos de caixa, contratos e dívidas. Com isso, empresários as utilizam para se prevenir de surpresas e para prever o balanço patrimonial.

Um exemplo disso é na política cambial. Existe um valor chamado taxa cambial para comercialização entre países e valorização da moeda desses locais. Os derivativos brasileiros são originados do valor do dólar, ou seja, aplicações derivativas.

Porém, os derivativos não são utilizados por empresário apenas como uma espécie de proteção, mas também para ganhar mais dinheiro.

Com tudo isso, o mercado de derivativos se divide entre hedge e especulação e é classificado em:

  • Mercado a termo;
  • Mercado de opções;
  • Mercado futuro.

Vamos ver o conceito de cada um e como funcionam.

Mercado de derivativos: hedge

Para quem é mais protecionista e conservador, o mercado de derivativos serve como proteção de ativos. Quando o investidor utiliza deste tipo de derivativo, ele quer prevenir perda de dinheiro com a oscilação do mercado, a partir do valor de outros ativos dos quais o dele depende.

Mas, como funciona o hedge? Fixando o preço de uma ação no mercado de derivativos para que ele não sofra qualquer impacto decorrente da desvalorização das ações a qual está atrelada. Assim, o investidor que opta por hedge evitar perder dinheiro.

Por exemplo, se um investidor está com uma dívida em euros para serem quitadas em um ano, pode comprar antecipadamente um contrato no mercado futuro (do qual falaremos mais adiante), garantindo que a taxa de câmbio seja a mesma de agora e, assim, evite pagar um preço bem maior caso a taxa cambial do euro esteja elevada.

Mercado de derivativos: especulações

Diferentemente do hedge, o investidor que lança mão das especulações busca multiplicar o valor de suas ações, apostando que outras ações das quais as dele dependem serão valorizadas futuramente e que ele irá lucrar com isso.

E como funcionam as especulações? Mesmo que o investidor não disponha dos recursos necessários, pode apostar que o dinheiro será multiplicado garantindo antecipadamente o contrato.

Por exemplo, se um investidor que crer que o euro irá valer R$ 1,50 daqui a um ano pode garantir seu lucro comprando um contrato no mercado futuro para vender algo mesmo que não disponha desta quantia no momento. 

Mercado de derivativos: mercado a termo

O mercado a termo é uma classificação do mercado de derivativos ocorre quando quem compra e quem vende ações se comprometem com a comercialização desses ativos a um preço fixado no presente para ser colocado em prática no futuro. Não importa a variação das taxas que possam ocorrer no futuro.

Mercado de derivativos: mercado de opções

O mercado de opções é uma classificação do mercado de derivativos que ocorre quando há uma negociação sobre o direito de comprar ou vender em um preço pré-estabelecido em uma data futura, semelhante ao mercado a termo. A diferença é que o comprador paga para o vendedor por este direito.

Mercado de derivativos: mercado futuro

O mercado futuro é uma classificação do mercado de derivativos que ocorre quando o investidor firma um compromisso de vender ou de comprar um ativo por preço especulado para uma data futura.

Por J. Machado