Capitalismo

Entenda o capitalismo, o sistema econômico em que vivemos no Brasil. Saiba quais são as suas vantagens, desvantagens e os seus principais teóricos.

Capitalismo, entendido de uma forma bem popular, é o sistema econômico no qual se objetiva o lucro. Entre suas características mais marcantes, estão: a propriedade privada, o acúmulo de capitais, a lei da oferta e da procura, o trabalho formal e assalariado e a livre concorrência de mercado.

Amado por muitos e odiado por tantos outros, o capitalismo é o sistema econômico da imensa maioria dos países do mundo, entre eles, obviamente, o Brasil e os Estados Unidos. Como contraponto ao capitalismo,podemos citar o socialismopresente em Cuba e em Portugal e o comunismopresente na China e na Coréia do Norte.

O conceito

Como dissemos no começo, o capitalismo é um sistema político e econômico que visa o lucro. As fábricas e as empresas que geram este lucro são de propriedade privada, ou seja, pertencem a pessoas ou a um determinado grupo, e não ao estado, como acontece em outros sistemas econômicos.

É o dono da empresa que vai decidir o quanto ele irá investir, para quem irá vender, a quantidade que irá produzir e quanto ele vai pagar a seus funcionários. É claro que tudo isso embasado em determinada legislação, que varia de país para país.

 Mas o fato é que no capitalismo o estado não se envolve na forma como as empresas e os capitais individuais serão comandados. Toda e qualquer decisão é tomada apenas pelos seus donos, dentro de determinadas diretrizes legais de cada política interna ou internacional, a depender do negócio envolvido.

Características do capitalismo

  • Lucro: é o principal objetivo do capitalismo. Todos montam empresas com o objetivo de ganhar dinheiro com isso;
  • Propriedade privada: o estado ou o governo não toma decisões sobre as empresas. Cada pessoa, no capitalismo, possui seu quinhão de terra ou, pelo menos, trabalha para ter o seu - que é só seu mesmo e de ninguém mais;
  • Lei da oferta e da procura: o valor dos produtos e serviços varia de acordo com a procura pelas pessoas que desejam adquirir;
  • Livre concorrência: é o que faz um produto ou serviço ter valores atrativos. A concorrência de mercado é importante para dar opções para o público. Quando não há concorrência, não há preço justo.

Quando surge o capitalismo?

O capitalismo tem suas origens na Europa, logo após o fim do feudalismo. Sua origem ocorre por volta dos séculos XV e XVI. Nessa época é que surge a classe social conhecida como burguesia. Os burgueses tinham diversas atividades comerciais com um único objetivo: o lucro. E é justamente este o objetivo do capitalismo.

Para entender melhor o seu surgimento, podemos dividir o capitalismo em três fases, como veremos a seguir:

Capitalismo Comercial ou Pré-Capitalismo: esta primeira fase vai até o século XVII. Seu início se dá com as grandes navegações pela Europa.

Nesta época, os navegadores europeus procuravam em outros lugares matérias primas que não tinham em seu continente. Voltando à Europa, eles vendiam esses produtos.

Aqui podemos citar o caso do Brasil, onde os portugueses colonizaram nosso país, recolhendo toda a matéria-prima existente, como ouro e pau-brasil e voltando ao à Europa, vendendo toda esta mercadoria.

A escravização era uma característica nesta época, assim como aconteceu com os índios no Brasil, aconteceu com os escravos africanos.

Capitalismo Industrial: o ponto marcante desta fase foi a revolução industrial. É ela que marca o fim da transição entre o feudalismo e o capitalismo. Ocorreu na segunda metade do século XVIII, principalmente na Inglaterra.

Nessa fase do capitalismo o acúmulo de capital era proveniente do comércio de produtos industrializados. E foi com o avanço das máquinas que esta produção e o lucro aumentou.

Com o aumento do lucro e da produção, foi possível ocorrer uma baixa nos preços da mercadoria. Isso foi bom para a população, mas essa fase do capitalismo trouxe mais aspectos negativos para o trabalhador. Todo o lucro era do empresário que por sua vez, pagava baixos salários aos seus trabalhadores.

Capitalismo Monopolista-Financeiro: esta é a terceira fase do capitalismo que se inicia após a Segunda Guerra Mundial. Grandes empresas surgem neste período, como bancos e indústrias. É nesta etapa que o acúmulo de capital começa a ocorrer de forma desigual.

A concorrência, que é uma das características do capitalismo, favoreceu as grandes empresas, que acabaram dominando o mercado e adquirindo outras empresas menores. Aqui temos a fusão entre diversas empresas.

Isso acabou criando um monopólio em alguns setores da economia. O aspecto positivo dessa fase é a popular globalização, que permitiu que as empresas pudessem negociar seus produtos com o mundo todo. Com ela, a informatização se amplifica e isso, por si só, fez com que o crescimento econômico avançasse ainda mais.

Vantagens e desvantagens do capitalismo

É claro que o capitalismo, como os outros sistemas político-econômicos do mundo, possui vantagens e desvantagens. Existem ferrenhos defensores do capitalismo (alguns classificam o sistema como "o que mais deu certo em todo o mundo até hoje"), como também existem aqueles que o abominam (gente, por exemplo, que o qualifica como "capetalismo", "capitalismo selvagem", "sistema de dominação econômica", entre outras conotações).

É importante conhecer os pontos positivos e negativos deste sistema, para que cada um possa tirar suas próprias conclusões.

Vantagens:

  • A lei da oferta e da procura permite que o mercado tenha seu preço baseado naquilo que as pessoas mais buscam;
  • A livre concorrência permite que as empresas não abusem de seus preços. Se o preço é alto em uma empresa, o consumidor procura em outra;
  • Para obter mais lucro é preciso trabalhar mais. Isso depende apenas de você, o estado não se envolve nestas questões;
  • Alta produtividade. Como a produção depende do lucro, os empresários querem produzir mais, para assim ganhar mais;
  • A tecnologia se desenvolveu. Isso foi possível pois a concorrência faz com que as empresas necessitem se diferenciar no mercado.

Desvantagens:

  • Injustiça social. A renda não é dividida de forma igualitária. Os críticos não se cansam de afirmar que, no capitalismo, “os ricos ficam mais ricos e os pobres ficam mais pobres”;
  • Monopólio. Muitas empresas crescem de maneira gigantesca e muitas outras são praticamente "engolidas", pois não possuem condições de competir com as maiores. Ou seja, é mais fácil os "grandes" abocanharem os "pequenos". Exemplo disso são as fusões de empresas do mundo corporativo, mas há inúmeros outros casos, em nível micro-econômico;
  • Consumismo. As pessoas se tornam materialistas, necessitando de produtos que muitas vezes não são importantes para elas. Pior ainda: há críticos que defendem a tese de que, na verdade, o capitalismo transforma as pessoas cada vez mais em coisas, em instrumentos de manutenção da "maquina do lucro". Quer um exemplo desse retrato? Assista ao documentário "Da Servidão Moderna", disponível no YouTube);
  • Individualismo, isto é, a lei do "é cada um por si" é reinante no sistema capitalista. Diferentemente do que acontece em outros sistemas econômicos, nos quais a economia parece ser extremamente compartilhada, igualitária, no capitalismo, o lucro depende unicamente de homem, da sua força de trabalho (ou da compra da força de trabalho dos outros homens). Dito de outra forma, no capitalismo - segundo os críticos - o senso de individualidade parece muitas vezes se sobrepor ao senso de humanidade. Muitas vezes, as pessoas demonstram estar pouco interessadas nos problemas da sociedade como um todo.

Principais teóricos (prós e contra o capitalismo)

  • Adam Smith: filósofo e economista escocês, viveu entre os anos de 1723 e 1790. Ele dizia que a iniciativa privada precisava agir com liberdade, sem que o estado se envolvesse nesse processo. Na época ele já acreditava que se as empresas competissem entre si, inovações tecnológicas surgiriam e a competição de mercado levaria a preços mais justos para o consumidor;
  • Karl Heinrich Marx: filósofo nascido na Prússia em 1818, ele foi importante para o estudo do capitalismo justamente por ser totalmente contrário a este sistema econômico. Suas principais obras são "O Manifesto Comunista" e "O Capital". Sua missão é a derrubada da sociedade capitalista;
  • John Maynard Keynes: nascido na Inglaterra ele viveu entre os anos de 1883 e 1946. Era economista e suas ideias de intervenção do estado na economia tinham como objetivo aperfeiçoar este sistema econômico.