O 11 de setembro de 2001

O que foi o 11 de setembro de 2001?

O dia do maior atentado terrorista da história causou um grande impacto em todo o mundo: 11 de setembro de 2001, ou seja, exatamente no ano que davainício do século 20. Nesse dia, quatro aviões comerciais foram sequestrados com passageiros a bordo pelo grupo terrorista Al-Qaeda, comandado por Osama Bin Laden, e dois deles foram derrubados no maior complexo predial de Nova York, o World Trade Center.

O motivo mais difundido do ataque terrorista seria porque os religiosos radicais (chamados de fundamentalistas islâmicos) não concordavam com as estratégias do governo norte-americano em intervir e apoiar assuntos políticos em países como o Egito e a Líbia. Segundo alguns especialistas, o objetivo central dos Estados Unidos era controlar as reservas de petróleo nesses locais, o que gerou discordância por parte da oposição aos líderes que eram economicamente favorecidos pelos norte-americanos.

Para esses fundamentalistas islâmicos, o principal objetivo dos Estados Unidos era o de dizimar o povo islâmico em suas próprias terras, já que para eles essa seria a razão do interesse dos norte-americanos no fornecimento de armas e no apoio a regimes ditatoriais no Oriente Médio.

Início dos ataques de 11 de setembro

Autor de diversos atentados e líder do grupo terrorista internacional Al-Qaeda, Osama Bin Laden, da Arábia Saudita, se tornou o maior inimigo dos Estados Unidos desde quando iniciou o plano de ataque aos principais monumentos do país americano, no dia 11 de setembro de 2001.

O plano foi idealizado por um dos integrantes do Al-Qaeda, Khlaid Sheikh Mohammed, em 1996, no Sudão, local onde o grupo terrorista mantinha a sede.

Com outros ataques terroristas na bagagem, Osama Bin Laden passou a ser alvo dos Estados Unidos, que o perseguiu quando o líder terrorista transferiu o grupo Al-Qaeda para o Afeganistão. Mesmo sendo alvo de 30 agentes secretos afegãos liderados pela CIA (Central Intelligence Agency / Agência de inteligência) e infiltrados em território da nova sede do grupo terrorista, Osama Bin Laden conseguiu escapar graças a uma lei de 1976 que proibia alvos estrangeiros de serem executados.

Sob a tensão de serem atacados a qualquer momento, nem mesmo o departamento de defesa do país americano, o Pentágono, escapou dos ataques. Na manhã do dia 11 de setembro de 2001, o egípcio Mohamed Atta liderou 18 terroristas do grupo de Atta, treinados pela organização terrorista Al-Qaeda, e sequestraram quatro aviões comerciais com quatro alvos: os dois prédios do World Trade Center (conhecido como Torres Gêmeas), o centro de defesa e de estratégia conhecido como Pentágono (no Condado de Arlington, na Virgínia) e a Casa Branca, em Washington, segundo especulações dos especialistas.

Essas especulações ocorreram porque o quarto avião não completou seu plano de ataque, sendo derrubado em Shanksville, na Pensilvânia. Já o Pentágono foi atacado parcialmente. Toda a ação terrorista que transformou a data de 11 de setembro em dia histórico e trágico foi executada pela manhã, antes das 10 horas pelo horário local, vitimando quase 3.000 pessoas.

Consequências do maior ataque terrorista

Em resposta aos atentados, o até então presidente George W. Bush provocou dois outros acontecimentos que marcaram o início do século 20: liderou a Guerra do Afeganistão, atacando o regime talibã que protegia o grupo Al-Qaeda e deflagrou outra guerra ao atacar Bagdá, capital do Iraque, determinando a prisão do ditador Saddam Hussein.

Já no governo de Barack Obama, as tropas militares americanas conseguiram capturar Osama Bin Laden, encontrado morto a cem quilômetros da capital do Paquistão, Islamabad, 10 anos após o maior atentado terrorista aos Estados Unidos.

Para homenagear as vítimas dos ataques de 11 de setembro de 2001, foi construído um memorial com duas fontes de água no local das Torres Gêmeas, chamado de Ground Zero. Os nomes das vítimas fatais estão gravados no monumento que, em 2014, ganhou uma projeção de jato de luz, sendo chamados de Tribute in Light.