Literatura Fantástica

Conheça as caraterísticas, a origem e as obras marcantes da Literatura Fantástica, um gênero literário de grande expressão no cenário mundial.

A Literatura Fantástica é um gênero literário ou variedade da literatura que tem como característica a narração de fatos inexplicáveis como se fossem reais. O fantástico possui origens controversas, mas grande parte dos autores da área as apontam para a França dos séculos XVIII e XIX.

Definição do fantástico

O gênero tem sua essência em acontecimentos que não são racionalmente explicáveis, ou seja, o fantástico é composto de elementos que, dentro do que conhecemos como as leis da realidade, não são reconhecidos.

É nesse momento de dúvida diante do sobrenatural que ele toma forma. Sua aparição se dá quando o leitor decide aceitar novas leis da natureza, fazendo com que esses acontecimentos se tornem possíveis de serem explicados.

De acordo com o autor Tzvetan Todorov, um dos requisitos para que o texto seja considerado fantástico é a atitude do leitor de não assumir interpretações alegóricas ou poéticas para com o texto.

Em resumo, é preciso que a história não seja tomada de início como uma alegoria, e que o leitor fique em dúvida se ela é real ou sobrenatural.

Como é de se esperar, seu significado foi definido e redefinido diversas vezes durante e mesmo antes do início dos estudos na área.

Evolução

Quando surgiu no fim do século XVIII e início do século XIX, o gênero estava necessariamente ligado à presença do sobrenatural, a exemplo de textos com fantasmas, monstros e mortos vivos.

No decorrer do século XIX, as obras se ligaram mais ao aspecto psicológico, explorando temas como alucinações, pesadelos, loucura, e outros elementos ligados à mente.

Já no século XX, começaram a serem explorados com incoerência os componentes do cotidiano. Mesmo tendo um caráter de constante evolução, a tomada de eventos inexplicáveis como reais são uma característica comum a todas essas etapas.

Um grande marco da evolução do fantástico no século XX são as produções de Franz Kafka, dotadas de sua capacidade de problematizar o cotidiano.

O gênero fantástico no Brasil

Este tipo de literatura chegou ao Brasil com a publicação de “Noite na Taberna”, de Álvares de Azevedo. No entanto, mesmo no século XIX, as produções fantásticas foram deixadas de lado por conta do emergente Realismo, especialmente com a publicação das obras de José de Alencar.

Apesar disso, o país possui uma gama de autores que produziram obras dentro do contexto da literatura fantástica, mas que são mais comumente reconhecidos por outros gêneros.

São exemplos disso Carlos Drummond de Andrade, Lygia Fagundes Telles, Lima Barreto, Franklin Távora, Machado de Assis, Aluízio Azevedo, e outros escritores de menor fama.

Pode se considerar que a literatura fantástica no Brasil ainda é embrionária quando comparada a outros países latino-americanos. Embora exista essa lacuna de produção, há uma corrente que busca resgatar a produção de textos fantásticos no país.

Também é importante destacar a contribuição de J. J. Veiga e Murilo Rubião, dois autores que possuem tradição por sua dedicação à produção de textos do gênero.

Subgêneros

É possível distribuir as obras fantásticas, mesmo que de forma simplista, em três subgêneros: Fantasia, Terror e Ficção Científica.

A Fantasia é a mais facilmente identificada com pertencente ao gênero, uma vez que é marcada pela presença de magia e personagens como fadas, elfos e magos. É comumente transportada no cinema, e tem como característica a presença de um herói.

Obras famosas desse subgênero são: “O Senhor dos Anéis”, de J. R. R. Tolkien; “Harry Potter”, de J. K. Rowling; “As Crônicas de Nárnia”, de C.S. Lewis; e “A Guerra dos Tronos”, de George R. R. Martin.

Já o Terror tem a capacidade de provocar o medo, de aterrorizar o leitor. Também está muito fortemente presente no cinema, especialmente a partir do Expressionismo Alemão. As histórias desse subgênero costumam lançar mão de personagens como fantasmas, monstros e bruxas.

Algumas das obras mundialmente famosas pertencentes a este subgênero são: “Drácula”, de Bram Stoker; e “O Exorcista”, de William Peter Blatty.

Por sua vez, a Ficção Científica (SciFi) se constrói dentro de um contexto futurístico, tecnológico ou, como o próprio nome sugere, científico. Alguns dos temas recorrentes na ficção científica são: vida extraterrestre, viagem no tempo, universos paralelos e viagem no espaço sideral.

Exemplos de obras marcantes: “O Médico e o Monstro”, de Robert Louis Stevenson; “Frankenstein”, de Mary Shelley; e “Admirável Mundo Novo”, de Aldous Huxley.

Autores e obras a literatura fantástica

Inúmeros escritores produziram obras relevantes dentro do da literatura fantástica, mesmo antes do surgimento de uma definição formal para a mesma. Entre as diversas e reconhecidas obras fantásticas nacionais e internacionais podemos elencar:

  • Histórias extraordinárias, de Edgar Allan Poe;
  • Alice no País das Maravilha, de Lewis Carroll;
  • Murilo Rubião, Obra Completa;
  • A Metamorfose” de Franz Kafka;
  • André Vianco, Os Sete.