Poema: o que é, exemplos, diferença entre poema e poesia

Poema: saiba mais sobre o gênero lírico que expressa emoções e sentimentos de um eu lírico. Confira os tipos de poemas, características, exemplos e mais.

Poema: o que é, exemplos, diferença entre poema e poesia

Confira dicas para fazer poemas - Foto: Pixabay

Estudar literatura e gêneros literários é algo complexo e que exige tempo e dedicação, por isso é interessante dividir o assunto em tópicos, para que a compreensão do conteúdo seja mais natural. O poema faz parte do gênero lírico, cujo intuito é expressar as emoções e os sentimentos de um eu lírico ou eu poético, que é a figura fictícia por trás da voz poética.

O que é poema?

Como está classificado dentro de um gênero literário, não se pode separar poema de literatura, estilo artístico que usa a palavra como base para a sua expressão. Os textos literários não precisam ser escritos com base em objetividade, factualidade ou seguindo as regras semânticas e de sintaxe.

Ao escrever um poema, o autor pode fazer uso livre das palavras, explorando suas características de musicalidade e apelando à face poética da linguagem. A principal finalidade do poema é, além de transmitir emoções e sentimentos, provocar no leitor diversas sensações relacionadas com a temática abordada ao longo dos versos.

A definição do poema enquanto gênero literário leva em conta características singulares, o que torna sua identificação mais fácil e intuitiva com o passar do tempo. Além da estrutura básica formada por versos e estrofes, há poemas em prosa e também poemas relacionados com a linguagem visual.

Características do poema

A maioria dos poemas são formados por versos – cada verso é uma linha do poema escrito, e um grupo de versos é chamado de estrofe.

As características principais do poema levam em conta elementos como verso, métrica, estrofe, rima e ritmo. Veja:

Verso e métrica

A métrica é a medida dos versos utilizados para a construção de um poema. Essa medida é feita de acordo com as sílabas das palavras, resultando nas seguintes classificações:

  • Monossílabo: verso com uma sílaba poética
  • Dissílabo: verso com duas sílabas poéticas
  • Trissílabo: verso com três sílabas poéticas
  • Tetrassílabo: verso com quatro sílabas poéticas
  • Pentassílabo: verso com cinco sílabas poéticas
  • Hexassílabo: verso com seis sílabas poéticas
  • Heptassílabo: verso com sete sílabas poéticas
  • Octossílabo: verso com oito sílabas poéticas
  • Eneassílabo: verso com nove sílabas poéticas
  • Decassílabo: verso com 10 sílabas poéticas
  • Hendecassílabo: verso com 11 sílabas poéticas
  • Dodecassílabo ou Alexandrino: verso com 12 sílabas poéticas

Tipos de versos

Os versos também são divididos em categorias:

  • Versos regulares ou isométricos: são os que têm a mesma medida;
  • Versos livres ou heterométricos: são aqueles com medidas irregulares, diferentes;
  • Versos brancos ou soltos: podem apresentar padrão de métrica, mas não de rima.

Tipos de estrofes

  • Dístico: dois versos;
  • Terceto: três versos;
  • Quadra ou quarteto: quatro versos;
  • Quinteto ou quintilha: cinco versos;
  • Sexteto ou sextilha: seis versos;
  • Sétima ou septilha: sete versos;
  • Oitava: oito versos;
  • Novena ou nona: nove versos;
  • Décima: 10 versos.

Tipos de rimas

  • Externa: com sons parecidos ao fim de diferentes versos;
  • Interna: a rima existente entre a última palavra de um verso e uma palavra interior do verso seguinte;
  • Rica: a rima entre palavras classificadas em diferentes classes gramaticais;
  • Pobre: a rima entre palavras da classe gramatical;
  • Emparelhada: AABB;
  • Alternada ou cruzada: ABAB;
  • Interpolada ou oposta: ABBA;
  • Mista: outro tipo de combinação, como ABACD;
  • Aguda: é a rima em meio a palavras oxítonas ou monossílabas tônicas;
  • Grave: entre palavras paroxítonas;
  • Esdrúxula: entre palavras proparoxítonas;
  • Perfeita, soante ou consoante: a rima com equivalência completa de sons;
  • Imperfeita, toante ou assoante: sem equivalência completa de sons.

Recursos estilísticos poéticos

Os poetas, que são as pessoas que escrevem poemas, costumam utilizar alguns recursos estilísticos na hora de pensar nos versos e estrofes. O mais comum deles são as figuras de linguagem, que se manifestam por meio de: hipérbole, metáfora, antítese, prosopopeia, anáfora, aliteração, sinestesia, onomatopeia, paronomásia etc.

Cantiguinha – Poema de Cecília Meireles

Brota esta lágrima e cai.
Vem de mim, mas não é minha.
Percebe-se que caminha,
sem que se saiba aonde vai.

Parece angústia espremida
de meu negro coração
- pelos meus olhos fugida
e quebrada em minha mão.

Mas é rio, mais profundo,
sem nascimento e sem fim,
que, atravessando este mundo,
passou por dentro de mim.

Na estrofe final, podemos perceber o uso de hipérbole, uma figura de linguagem que usa o exagero para expressar sentimentos.

O relógio – Vinícius de Moraes

Passa, tempo, tic-tac
Tic-tac, passa, hora
Chega logo, tic-tac
Tic-tac, e vai-te embora
Passa, tempo
Bem depressa
Não atrasa
Não demora
Que já estou
Muito cansado
Já perdi
Toda a alegria
De fazer
Meu tic-tac
Dia e noite
Noite e dia
Tic-tac
Tic-tac
Dia e noite
Noite e dia
Tic-tac
Tic-tac
Tic-tac…

Neste exemplo, podemos ver a aplicação da onomatopeia, uma figura de linguagem que reproduz sons feitos por animais, pessoas, objetos etc.

Tipos de poema

Com base no teor do poema, ele pode ser classificado em:

  • Poema lírico: é o que tem cunho subjetivo e sentimental, como no caso dos sonetos.
  • Poema dramático: é aquele cujo intuito é a encenação, como no caso das farsas.
  • Poema épico ou narrativo: são as construções que contam com a imagem de heróis, como as epopeias.

Algumas classificações incluem também outros tipos de poemas, como os eróticos, sociais e satíricos.

Como se faz um poema

Ao produzir um poema, é fundamental que o autor escolha entre os tipos de poemas existentes: épico, dramático ou lírico.

A criação de uma narrativa é fundamental para poemas épicos e dramáticos, o que significa que será necessário envolver personagens e contextualizar a história contada nos versos. No caso do poema épico, o narrador também precisa ser definido de acordo com a sua participação na cena: observador (que apenas vê), personagem (que participa) ou onisciente (que vê e participa).

Se o poema for lírico, o elemento principal a ser focado no momento da produção é o sentimento primordial, a maior emoção ou a grande ideia de quem escreve.

Caso você decida escrever um poema com versos regulares ou brancos, é preciso que as palavras sejam medidas conforme suas sílabas, como foi explicado anteriormente no tópico sobre verso e métrica. É necessário, ainda, que as rimas sejam trabalhadas de acordo com as classificações do item “tipos de rimas”.

Os poemas de versos livres, no entanto, não necessitam desse cuidado com métricas e rimas, mas o assunto deve ser capaz de captar a atenção do leitor e despertar sentimentos e emoções.

Confira mais algumas dicas:

  • A contagem das sílabas dos versos deve parar na última sílaba tônica: “De-le- se en-can-te- mais- meu- pen-sa-men-to” – o verso de Vinícius de Moraes tem, portanto, dez sílabas poéticas.
  • Quando a última sílaba de uma palavra acabar com uma vogal e a primeira sílaba da próxima palavra iniciar com som de vogal, as duas sílabas são unidas na contagem, passando a ser consideradas somente uma. No exemplo acima, vemos isso em “De-le se en-can-te”.
  • Poemas mais simples costumam ser feitos em redondilha, que usa versos de cinco a até sete sílabas poéticas.
  • Poemas épicos costumam ser escritos em decassílabo ou dodecassílabo.
  • Um mesmo poema pode ter mais de um tipo de rima.
  • Considerando todas as regras e os padrões, podemos perceber que é preciso conseguir ajustar o conteúdo à forma. Para que essa habilidade esteja mais bem treinada, além de tentar escrever poemas é fundamental lê-los com frequência.
  • O poema com versos livres pode parecer mais simples de ser construído, mas, justamente devido ao seu formato mais descomplicado, o conteúdo precisa ser ainda mais interessante.

Um dos tipos considerados mais difíceis de poemas é o soneto, escrito sempre em dois tercetos e dois quartetos. Veja um exemplo de soneto:

Nel Mezzo De Camin… – Olavo Bilac

Cheguei. Chegaste. Vinhas fatigada
E triste, e triste e fatigado eu vinha.
Tinhas a alma de sonhos povoada,
E a alma de sonhos povoada eu tinha…

E paramos de súbito na estrada
Da vida: longos anos, presa à minha
A tua mão, a vista deslumbrada
Tive da luz que teu olhar continha.

Hoje, segues de novo... Na partida
Nem o pranto os teus olhos umedece,
Nem te comove a dor da despedida.

E eu, solitário, volto a face, e tremo,
Vendo o teu vulto que desaparece
Na extrema curva do caminho extremo.

Diferenças entre poema e poesia

Poesia é uma característica subjetiva da arte e que pode estar relacionada não apenas a poemas, mas também a pinturas, músicas, ilustrações, romances etc. Uma obra de arte famosa, como “Carnaval em Madureira”, de Tarsila do Amaral, tem poesia mesmo sendo uma pintura e não um poema.

A poesia, nesse caso, tem a ver com a subjetividade, com as sensações e emoções que a obra de arte provoca em quem a vê, mesmo que ela não utilize palavras, versos e estrofes. Podemos dizer que a maioria dos poemas é poesia, mas nem toda poesia é um poema.

Entre os tipos de poesia, temos:

  • Literatura
  • Fotografia
  • Arte urbana
  • Pintura
  • Ilustração
  • Músicas
  • Arquitetura
  • Escultura
  • Peças publicitárias.

Vídeos sobre poemas

abaixo, confira vídeos com explicações para fixar melhor seus conhecimentos:

Poema e Poesia: Qual a diferença?

Neste vídeo, o professor Fagner Araújo fala sobre as definições de poema e explica a diferença entre esse estilo literário e a poesia. Uma excelente revisão do conteúdo trabalhado neste artigo, com exemplos que ajudam a compreender melhor cada definição.

LP – Poema: Estrutura

Aqui, o professor Nelson Jr explica detalhadamente as estruturas do gênero textual poema, recapitulando as definições de estrofes, versos, e eu lírico – tudo isso com ótimos exemplos também.

Como escrever poemas melhores – 3 dicas práticas

Neste vídeo, Wlange Keindé dá dicas valiosas para quem quer escrever poemas, reforçando a importância do trabalho estético na hora da escrita e explicando, por exemplo, como deve ser a criação de rimas interessantes e a importância da musicalidade em cada poema.

Compartilhe

Especial Concurso BB

Veja mais »