Elementos de Coesão

É o uso correto desses conectivos que dará ao texto a consistência necessária para a compreensão.

Os elementos de coesão são aqueles os que ligam as frases ou palavras dentro de um texto. Podemos dizer que tais elementos são responsáveis pela organização das ideias no plano da linguagem textual. É o uso correto desses conectivos que dará ao texto a consistência necessária para a compreensão, isto é, para que o texto comunique alguma coisa.

Dentre esses elementos, citemos os pronomes relativos e as conjunções. Muitos professores de cursinhos presenciais ou online aconselham, inclusive, que os candidatos - além de compreenderem a "lógica" por trás de cada um - memorizem pelo menos uma parte desses elementos, pois isso poderá fazer toda a diferença na hora da prova.

Com relação às conjunções, temos as coordenativas, que são:

Adição: e, nem, mas também. Julia come e brinca.
Adversidade (oposição): entretanto, mas, porém, contudo, todavia. Joana foi à sorveteria, porém não tomou sorvete.
Alternância: ora... ora, ou... ou, seja... seja, quer... quer. Camila ora estuda, ora brinca.
Conclusão: Portanto, pois (após o verbo), logo. Penso logo existo!
Explicação: Porque, que, pois (antes do verbo). Estudem muito, pois só assim serão aprovados.

Já as conjunções subordinativas são:

Causa: Já que, visto que, como, porque. Já que faltou a aula terá que copiar a matéria de um colega.
Comparação: Assim como, mais... que, menos... que, tão/tanto... como. Beatriz é mais esperta do que sua prima.
Concessão: ainda que, mesmo que, conquanto, embora. Mesmo que esteja doente, ainda irei à inauguração do restaurante.
Condição: Caso, desde que, a menos que, se, a não que. Desde que voltou, está mais esperta.
Conformidade: como, segundo, conforme. Fizeram tudo conforme o combinado.
Consequência: de modo que, tão/tanto... que. Comeu tanto, que teve distúrbio intestinal.
Finalidade: a fim de que, para que. Trabalhou muito a fim de ser reconhecido.
Proporcionalidade: à proporção que, à medida que. À medida que crescia, ficava mais bonita.
Tempo: logo que, mal, enquanto, assim que, quando. Quando chegou, a reunião já havia começado.

Os pronomes relativos, por sua vez, são estes, principalmente:

Que: usado em relação a coisas ou pessoas. Este é o livro que você está lendo.
Quem: refere-se apenas a pessoas e sempre vem preposicionado. Esta é a garota a quem ele amava.
Cujo: indica posse, vem entre dois substantivos e concorda com o mesmo. Este é o escritor cuja obra eu li.
Onde: equivale a em que ou no qual, é empregado para indicar local. Onde eu estou morando é muito bonito.
Quanto: vem precedido de um pronome indefinido: tudo, tanta, todo, todas. Tenho tudo quanto preciso.
Quando: é um pronome relativo quando o antecedente dá ideia de tempo. Em janeiro quando eu estava na casa da minha avó eu cai da árvore.
As palavras “que” e “se”, além de serem conjunções e pronomes também tem outras funções. Fique atento! A palavra “que” pode ser: conjunção, substantivo, preposição, partícula expletiva ou de realce, advérbio, pronome, interjeição.

E a palavra “se” pode ser: parte integrante do verbo, conjunção, partícula expletiva ou de realce, partícula apassivadora, pronome reflexivo, índice de indeterminação do sujeito.

Algumas orações com exemplos das funções do “que”:

O quê! Seu cachorro sumiu? (interjeição)

Ele tem certo quê misterioso. (substantivo)

Tenho que ir embora. (preposição)

Quase que ela não chega a tempo. (partícula expletiva ou de realce)

Que barato! (adverbio)

Não encontramos as pessoas que saíram. (pronome relativo)

Que aconteceu com você? (pronome substantivo)

Que vida é essa? (pronome adjetivo)

Venha logo, que é tarde. (conjunção)

E alguns exemplos das funções do “se”:

Perguntei se ele estava triste. (conjunção)

Se todos tivessem prestado atenção, as notas teriam sido boas. (Conjunção subordinativa condicional)

Passavam-se as horas e nada mudava. (partícula expletiva ou de realce)

Ele arrependeu-se do que fez. (parte integrante do verbo)

Vendem-se apartamentos. (partícula apassivadora)

Precisa-se de vendedores. (índice de indeterminação do sujeito)

Ele cortou-se com a faca. (objeto direto)

Ele se atribui muito valor. (objeto indireto)

Camila deixou-se estar à janela. (sujeito de um infinitivo).