Tipos de discursos

Discurso é um elemento que faz parte da linguagem dos seres humanos, podendo ser falado ou escrito. É umas das principais ferramentas que permitem a comunicação entre as pessoas.

Há, na Língua Portuguesa, diferentes tipos de discursos: o discurso direto, o discurso indireto e o discurso indireto livre. Em uma só narrativa, pode haver mais de um tipo de discurso. Ou seja, esses discursos podem estar interligados, dando mais entendimento ao conteúdo ou mesmo gerando mais emoção e expressividade.

Os três principais tipos de discurso são: o discurso direto, o discurso indireto e o discurso indireto livre

O Discurso Direto

O Discurso Direto pode ser entendido como uma narrativa em que os participantes possuem voz ativa. Um exemplo é a descrição de diálogos.

No Discurso Direto são muito usados elementos textuais para permitir a linguagem direta entre os participantes dele, como se interagissem entre si: dois pontos, travessões, exclamações, aspas, entre outros.

É um tipo de discurso muito usado, por exemplo, em histórias em quadrinhos e roteiros de cinema, TV, teatro, vídeo e outros conteúdos.

Exemplos de Discurso Direto são:

Um estranho perguntou para mim:

- Que horas são, por favor?

- Mano Poeta, se enganche na minha garupa!

Todos os dias o meu pai me dizia:

- Fique atento às matérias e não bagunce durante as aulas.

O Discurso Indireto

Nesse tipo de discurso costuma existir a presença de um narrador. É ele quem relata fala e reações de personagens do conteúdo, além de ambientação de locais.

Em geral, o Discurso Indireto é escrito na terceira pessoa – já que o narrador fala sobre outra (s). Ou na primeira pessoa, relatando fatos sobre si próprio.

Ainda nesse tipo de discurso utiliza-se bastante palavras que traduzem o que foi falado sobre os participantes da narrativa.

Exemplos de Discurso Indireto são:

“Elisiário confessou que estava com sono.” (Machado de Assis)

“O quarto era escuro. Os móveis, antigos e um tanto deteriorados. Não era um bom local para passarmos a noite”.

“Todos os dias o meu pai me dizia para que eu prestasse mais atenção às aulas e não fizesse bagunça na sala com os colegas.”

O Discurso Indireto Livre

Trata-se de um tipo de discurso, em geral, escrito na terceira pessoa, no qual o narrador relata um fato. No entanto, no Discurso Indireto Livre os personagens também têm voz ativa.

Pode-se considerar que o Discurso Indireto Livre funde o Discurso Direto com o Discurso Indireto.

Alguns autores chamam esse tipo de discurso (que não é o seu nome oficial na Língua Portuguesa) de Discurso Direto e Indireto. Porém, vale ressaltar que a categorização correta dele é realmente Discurso Indireto Livre.

Exemplos de Discurso Indireto Livre são:

“Que vontade de voar lhe veio nesse momento! Correu outra vez com a respiração ofegante. Ele nem podia mais corre já. Encontra-se desanimado e descanso. Uma pena! Mas houve um momento em que se sentiu quase... quase... alcançando o seu objetivo!”

Juliana, então, corria e corria mais do que podia, na verdade suportar. Logo, porém, conseguiu, finalmente, chegar até João: “Corri tanto para te encontrar, que não estou nem mesmo conseguindo fôlego para falar.”

“Retirou as asas e estraçalhou-a. Só tinham beleza. Entretanto, qualquer urubu... que raiva...” (Ana Maria Machado)

Por Erica Franco