Antropormorfismo

Confira qual o significado do termo antropomorfismo e em que situações ele é utilizado.

Antropomorfismo é uma forma de interpretar as coisas não humanas utilizando características humanas.

O termo se origina do grego antropo que significa homem e morfismo que significa forma.

Este termo é muito utilizado em conceitos religiosos ou mitológicos, quando se faz comparações colocando características humanas em seres divinos.

A Bíblia está repleta de antropomorfismo, mas ele não está restrito a conceitos religiosos, estando presente nas histórias infantis, nos filmes e até mesmo no nosso dia-a-dia.

Onde é usado o antropomorfismo

Como vimos, antropomorfismo significa dar características humanas às coisas ou a seres não humanos. Confira onde podemos encontrar o antropomorfismo:

  • Nas fábulas e nas histórias infantis: as famosas fábulas escritas por Esopo no século VI AC já demonstram o quanto é antigo este termo. Naquela época, ele escrevia histórias em que os animais se comportavam como humanos, tinham atitudes e pensamentos humanos e que no final ainda nos dava uma lição de moral, que serviria para qualquer um de nós;
  • Nos filmes e séries: filmes e séries estão repletos de antropomorfismo. Não é difícil encontrar situações em que temos a aplicação deste termo de forma direta. Na série “Família Dinossauro”, que passou na TV na década de 90, podíamos ver ações humanas nos personagens, que eram dinossauros. No filme “Todo Poderoso”, com Jim Carrey, também podemos ver Deus assumindo a forma humana;
  • Nos desenhos animados: os desenhos da Disney, por exemplo, trazem atitudes humanas em seres não humanos em quase todas as suas produções. Podemos ver os animais conversando com os personagens principais e até mesmo outros objetos, como bules e xícaras, conforme podemos conferir na produção “A Bela e a Fera”;
  • No nosso cotidiano: não é apenas na ficção que podemos encontrar o uso dessa expressão. Quando vemos um gato ou um cachorro mostrando os dentes, logo achamos que ele está sorrindo. Outro exemplo é na nossa interpretação, quando vemos uma nuvem e logo dizemos que ela se parece com um rosto humano;
  • Nas estátuas: estátuas como a do homem-leão, que possui cerca de 32 mil anos, são exemplos de como é antigo o uso desse tipo de característica;
  • Na filosofia: o antropomorfismo é um termo estudado pela filosofia, visto que ele já era utilizado pelos antigos filósofos gregos;
  • Na mitologia grega: os diversos deuses gregos possuíam características humanas, como a forma atlética ou sua beleza. Ártemis, por exemplo caçava e Afrodite era bela;
  • Na religião: os conceitos antropológicos estão presentes na maioria das religiões. A Bíblia usa termos como a mão de Deus ou os olhos de Deus para fazer este tipo de comparação;
  • Na publicidade: colocar um rosto feliz em um produto, segundo especialistas do marketing, é positivo para tornar este produto mais vendável e querido do seu público;
  • Na psicologia: a Gestalt é uma área da psicologia influenciada por Max Wertheimer que tem como leis a percepção e a semelhança. A “teoria da percepção figura-fundo” utiliza imagens distorcidas onde os pacientes devem dizer o que vêem e geralmente as pessoas associam estas figuras a rostos ou pessoas.

A origem do antropomorfismo

É muito difícil estabelecer datas de forma a definir quando surgiu a utilização do antropomorfismo. Sabe-se apenas que a cerca de 40 mil anos atrás já era utilizado na arte paleolítica.

Contudo, a utilização deste tipo de comparação pode ser mais antiga ainda, visto que Steven Mithen em seu livro "The Prehistory of the Mind" cita que os caçadores da pré-história projetavam características humanas nos animais, de forma a prever quais seriam os seus comportamentos.

Antropopatia e antropomorfismo

Um outro conceito, diferente de antropomorfismo, mas que merece ser entendido para saber quando utilizar um ou outro, é o de antropopatia.

Antropopatia também vem do grego, mas “patia” tem o significado de sentimento e não de forma, como no tema principal deste artigo.

Anteriormente estávamos falando da forma, agora são os sentimentos humanos que são comparados às formas não humanas.

Voltando ao conceito religioso, confira dois exemplos que ajudam a entender a diferença entre os dois conceitos:

  • Antropopatia: em Êxodo 32:14, a passagem bíblica faz uso de um sentimento humano, o de arrependimento, quando diz: Então o Senhor arrependeu-se do mal que dissera que havia de fazer ao seu povo”;
  • Antropomorfismo: já em Tiago 5:4, vemos uma passagem bíblica colocando uma forma humana, o ouvido, a Deus: “Vejam, o salário dos trabalhadores que ceifaram os seus campos, e que por vocês foi retido com fraude, está clamando contra vocês. O lamento dos ceifeiros chegou aos ouvidos do Senhor dos Exércitos”.