Liberalismo econômico

O principal defensor do liberalismo econômico, considerado como um pai da economia moderna, foi Adam Smith.

No período mercantilista, que antecedeu o liberalismo econômico, o estado possuía o controle econômico, que era administrado pelos reis com o apoio da burguesia. Já com o liberalismo econômico, esse controle foi descentralizado, passando a ser baseado em linhas de economias individuais, sem a intervenção do estado.

Com a alta cobrança de impostos e intervenção estatal, a população havia se cansado desse padrão econômico e estava em busca de um novo modelo social-econômico que pudesse alterar esse padrão absolutista.

A derrubada do mercantilismo se deu a partir dos questionamentos de um determinado grupo de pensadores, que criticavam a forma como o estado interferia na economia, causando assim prejuízos econômicos para os indivíduos, com a excessiva intervenção dos reis no âmbito econômico.

Com esses questionamentos, surgiu a ideologia do liberalismo, onde o liberalismo econômico pode ser definido como a não intervenção do estado na economia de um país, fazendo com que haja a livre concorrência, câmbio livre, e defesa também da propriedade privada.

Principais defensores do liberalismo econômico

O principal defensor do liberalismo econômico, considerado como um pai da economia moderna, foi Adam Smith. Adam Smith foi um filósofo social do período denominado ‘’Iluminismo’’ e economista. Ele abordava diversas questões político-econômicas, onde questionava o controle econômico estatal e mostrava como esse controle afetava negativamente a economia do estado e indivíduo.

Além de Adam Smith, os filósofos e economistas Thomas Robert Malthus e David Ricardo, também contribuíram para os estudos e defesa a respeito do liberalismo na economia. Outros influenciadores do liberalismo econômico são:

- François Quesnay;

- Vince Burns;

- David Hume;

- Jeremy Bentham;

- Wilhelm Humbolt;

Características gerais do liberalismo econômico

O liberalismo na economia possui como a sua maior característica a não intervenção estatal na economia do indivíduo, tornando-a mais competitiva e lucrativa. Outras características principais podem ser definidas como:

- A defesa a respeito da propriedade privada;

- Defesa da lei da oferta e procura, com base na livre concorrência;

- Câmbio livre;

- Tem como base sociedades capitalistas;

- Individualismo, onde cada um tem liberdade de ação e é responsável por si e sua economia;

- Defesa da não intervenção do estado em assuntos econômicos;

- O estado deve participar o mínimo possível de questões voltadas para a economia do país;

- O trabalhador passa a ter a mão de obra mais valorizada, pois a ideologia define que toda a riqueza vem do trabalho humano;

- Luta contra barreiras econômicas e medidas restritivas que possam interferir na economia;

- Luta contra o protecionismo;

- Luta contra as altas taxas de impostos;

- Tem como frase marcante ‘’Laissez-faire, laissez passer’’, uma frase francesa que significa ‘’Deixai fazer, deixai passar’. A frase é o maior símbolo do liberalismo econômico, onde é defendida pelo pensamento capitalista.

Oposição ao liberalismo econômico

Após surgir a ideologia da economia liberal, houve pensamentos que tentaram justificar a importância da intervenção do estado na economia. Estas filosofias, possuem uma teoria baseada na ideologia marxista, desenvolvida por Karl Marx e Friedrich Engels.

A teoria marxista afirma que o estado deve intervir na economia com o objetivo de manter a igualdade entre as classes sociais, ou seja, o liberalismo econômico teve como oposição a luta pela igualdade social, que está presente até hoje em alguns governos.

Neoliberalismo

O liberalismo econômico foi abalado com a crise de 1929, com a quebra da bolsa de valores de Nova York. Alguns estudiosos afirmam que o liberalismo econômico foi o responsável pela crise, pelo fato de fazer a economia crescer muito e de forma desorganizada. No entanto, outros estudiosos afirmam que o liberalismo da economia não foi o responsável pela crise, mas sim outros fatores, principalmente das linhas de raciocínio de Karl Marx.

Desta forma, o liberalismo clássico foi substituído pelo keynesianismo, que surgiu após a primeira guerra mundial. Mas na década de 80 e 90, a ideologia do liberalismo econômico voltou a ser aplicada, porém com algumas alterações e renomeada para neoliberalismo, onde ocorre a defesa da privatização, diminuição de funcionários públicos e a abertura do mercado econômico interno. O neoliberalismo, diferente do liberalismo clássico, defende que deve ocorrer pouca intervenção do estado na economia, como uma solução para que haja mais organização no setor econômico.