Xenofobia

Conhecida apenas como uma forma de preconceito, a xenofobia é uma doença cada vez mais comum no atual cenário mundial de migrações.

O termo xenofobia é de origem grega e se constituiu a partir das palavras “xénos” (estrangeiro) e “phóbos” (medo), e significa aversão a pessoas ou coisas estrangeiras. Entretanto, a xenofobia não é apenas uma forma de preconceito, ela pode tornar-se algo enraizado na cultura de um povo e provocar guerras e mortes.

O preconceito xenofobia gera é controverso. Geralmente, manifesta-se por meio de ações discriminatórias e ódio às comunidades estrangeiras, que vêm de outros países e possuem culturas diferentes, o que desencadeia diversas reações entre os xenófobos.

A xenofobia caracteriza-se como uma doença, pois é um transtorno causado por um medo descontrolado do desconhecido, que se transforma em desequilíbrio e manifesta-se com atitudes de ódio. Os portadores dessa patologia sofrem de angústia e extrema ansiedade, se distanciam do convívio social, evitam o contato com estranhos e, em alguns casos, podem ter crises de pânico.

Esses indivíduos que sofrem deste transtorno possivelmente passaram por uma experiência ruim ao serem expostos a situações desconhecida que causou terror e deixou marcas que vão interferir na sua vida diária.

Xenofobia no Brasil

O Brasil é um país que historicamente costuma receber um grande contingente de pessoas estrangeiras. Apesar de o país ter uma fama ter um povo bastante receptivo, a ocorrência de casos de xenofobia está aumentando cada vez mais durante os últimos anos.

A chegada de refugiados de países que não são considerados de primeiro mundo é a principal razão para que esse aumento da xenofobia ocorra. Atualmente, há refugiados de 79 nacionalidades vivendo no Brasil, sendo a maioria deles colombianos, venezuelanos, haitianos e sírios.

Atualmente, os refugiados são aqueles que mais sofrem com a xenofobia. Lamentavelmente, a maioria da sociedade não aceita bem imigrantes de nações que estão em guerras ou sofrendo perseguições em seu país.

Xenofobia na Europa

O problema da xenofobia na Europa está cada vez mais grave. O continente é um dos lugares mais recebem imigrantes no mundo e também possui uma alta taxa de migração interna, de acordo com os termos da livre circulação de pessoas que abrange a maioria dos países-membros da União Europeia.

Na Europa, a migração não está relacionada somente com os refugiados de conflitos, mas também com as boas condições sócio - econômicas, melhor qualidade de vida e a grande oferta de emprego que há no continente. Dessa forma, há uma enorme quantidade de estrangeiros morando na Europa, com estimativas de 6 milhões de migrantes legais e ilegais.

A intolerância para com os grupos estrangeiros é altíssima e é justificada pelas diferenças culturais, sociais, raciais e religiosas. O povo europeu se considera ameaçado por essa grande quantidade de estrangeiros, pois acreditam que a presença deles fará diminuir a oferta de emprego e atrapalhar oa economia local, pois estes enviam dinheiro aos seus lugares de origem e diminuem a circulação interna do capital. Durante a recente recessão econômica, esse pensamento foi intensificado e a xenofobia também.

Outro problema relacionado ao aumento da xenofobia na Europa é o crescimento de grupos de extrema-direita que possuem discursos baseados no antissemitismo, no conservadorismo e em outros ideais fascistas, como a “pureza européia".

Essas posições políticas podem ser observadas na construção do Muro de Ceuta, na Africa. O muro foi construído pelos espanhóis e tem o objetivo de separar a cidade de Ceuta do território de Marrocos, com a intensão de dificultar a passagem de migrantes para esse território que facilita o acesso à Europa.

Outro motivo da crescente onda xenófoba na Europa são os ataques terroristas liderados por grupos islâmicos que mataram centenas de pessoas nos últimos anos. A cultura islâmica também causa bastante estranheza à cultura ocidental, portanto ela não é bem vista e é discriminada.

Como vencer a xenofobia?

Vencer ideologias e preconceitos não é uma tarefa fácil. A primeira providência tem que ser tomada por meio da educação e conscientização dos cidadãos, que devem aprender desde os primeiros anos escolares a respeitar o próximo, de qualquer nacionalidade que seja.

As medidas punitivas para aqueles que praticam tais ações também devem ser revistas, a fim de preservar a integridade moral e física do imigrante e/ou refugiado. A divulgação de leis que combatam a xenofobia também é uma boa medida para que agressões deixem de ocorrer.