Auxílio emergencial 2021: maioria deve receber parcelas de R$ 150

Cerca de 20 milhões de brasileiros terão direito somente às parcelas mínimas do auxílio emergencial 2021, calculadas no valor fixo de R$ 150. Saiba mais.

Conforme apurações feitas pelo Estadão/Broadcast, a maioria dos beneficiários deverá contar com a cota mínima do auxílio emergencial de 2021. Isso quer dizer que 20 milhões de brasileiros que moram sozinhos terão direito às parcelas mensais de R$ 150. As outras 16,7 milhões de famílias com mais de um membro, por sua vez, vão receber os pagamentos médios de R$ 250.

A maior quantia, de R$ 375, será transferida mensalmente para as 9,3 milhões de mulheres provedoras do lar/chefes de família. Em termos gerais, o auxílio emergencial 2021 começará a ser pago no início de 2021. Terão prioridade, de início, os trabalhadores inscritos no CadÚnico, seguidos dos informais que se cadastraram no aplicativo da Caixa e, por fim, os beneficiários do Bolsa Família.

“Piso” do auxílio emergencial será transferido para a maioria dos beneficiários

O ministro da Economia, Paulo Guedes, já havia comentado sobre os valores do auxílio emergencial 2021. Conforme suas próprias palavras, os pagamentos deverão variar de acordo com as composições familiares dos beneficiários. Veja a relação das quantias previstas para a nova rodada de repasses:

  • R$ 150 para os cidadãos que morem sozinhos: com base no Estadão/Broadcast, a maioria dos beneficiários (20 milhões) vão receber parcelas com esse valor, que representa a cota mínima do auxílio emergencial 2021;
  • R$ 375 para as mães chefes de família: cerca de 9,3 milhões de beneficiárias vão receber esses pagamentos. No ano passado, elas tiveram direito às cotas dobradas do programa (R$ 1.200 nas cinco parcelas iniciais e R$ 600 nas restantes);
  • R$ 250 para os demais beneficiários do programa: para receber essas parcelas médias do programa, será necessário ter mais de um membro dentro do grupo familiar.

Auxílio emergencial 2021: regras e critérios previstos

O calendário do auxílio emergencial 2021 será definido pelo Ministério da Cidadania, especificamente por meio de medida provisória. Conforme informações preliminares, a nova rodada deverá limitar somente um benefício mensal por família. Essa regra vai na contramão da que foi elaborada no ano passado, já que o governo permitia que duas pessoas do mesmo grupo familiar pudessem receber as parcelas.

Na nova rodada de pagamentos, a intenção é de não permitir acúmulo do auxílio emergencial 2021. Vale ressaltar que os critérios para o recebimento das parcelas poderão continuar sendo os mesmos de antes. Terão direito ao benefício, então, aquelas famílias com renda per capita de até meio salário mínimo e total de até três salários mínimos.

Além do mais, governo federal não pretende liberar novas inscrições para garantir o auxílio emergencial 2021. Haverá uma espécie de triagem nos cadastros que já foram realizados no ano passado. O pente fino será efetuado por meio do cruzamento dos dados obtidos pelo Ministério da Cidadania, tendo em vista os critérios de renda. Ao todo, estão previstas quatro parcelas para o primeiro semestre deste ano.

Compartilhe

Especial Concurso BB

Veja mais »