Auxílio emergencial 2021 pode ter 4 parcelas de até R$ 250; entenda

O auxílio emergencial 2021 ainda está em negociação junto ao Congresso Nacional. Ao menos quatro novas parcelas poderão ser aprovadas. Confira.

Parcelas do auxílio emergencial 2021: logo do auxílio emergencial em fundo azulado

O novo auxílio emergencial deverá custar cerca de R$ 34,2 bilhões. - Foto: Divulgação / Governo Federal

O governo federal está estudando maneiras de financiar novas parcelas do auxílio emergencial em 2021. Até então, a meta é aprovar quatro novos pagamentos, de até R$ 250, em março, abril, maio e junho. Esse é o valor limite que a equipe econômica pretende estabelecer, no sentido de não agravar os impactos nas contas públicas. De acordo com o presidente Jair Bolsonaro, os detalhes ainda não foram definidos.

No dia 11 de fevereiro de 2021, ele afirmou que a retomada do auxílio emergencial está em negociação junto ao Congresso Nacional. Os parlamentares ainda precisam aprovar um projeto de lei para garantir a prorrogação do programa. "Tá quase certo, né? Não sabemos o valor. (...) A partir de março, [por] três, quatro meses. [Isso é o] que está sendo acertado com o Executivo e com o Parlamento também", explicou.

Previsão de despesas

O novo auxílio emergencial, previsto para sair em março de 2021, deverá custar cerca de R$ 34,2 bilhões aos cofres públicos. Essas estimativas foram divulgadas no dia 22 de fevereiro pela Instituição Fiscal Independente (IFI), que está associada ao Senado Federal. Os cálculos consideraram o repasse de quatro novas parcelas, no valor fixo de R$ 250, para cerca de 45 milhões de brasileiros.

Para aliviar as contas do governo, o IFI sugeriu que parte dos recursos do Bolsa Família fossem usados para os novos pagamentos. Os beneficiários desse programa, então, apenas receberiam uma complementação por meio do auxílio emergencial 2021. Com base nos cálculos do órgão, a nova rodada de parcelas poderia ser paga para:

  • 19,2 milhões de beneficiários que já fazem parte do programa Bolsa Família; e
  • 25,8 milhões de economicamente vulneráveis que ainda precisam de apoio financeiro para enfrentar a crise.

Como se inscrever no auxílio emergencial 2021?

Conforme informações preliminares, não será necessário realizar nenhuma inscrição para receber o auxílio emergencial de 2021. Até porque o governo federal deverá usar o banco de dados de 2020 para filtrar a nova lista de beneficiários. Os brasileiros vão ser provavelmente selecionados com base em critérios de renda e hipossuficiência financeira.

No ano de 2020, quem não estivesse inscrito no CadÚnico teria que efetuar o pedido pelo site da Caixa Econômica Federal. Agora, esse procedimento não será mais necessário para garantir as parcelas de 2021. Ao menos 40 milhões de brasileiros vão ser contemplados com os novos pagamentos. Veja alguns critérios que tendem a continuar vigentes para o recebimento do benefício:

  • Não ter vínculo empregatício em caráter ativo e esteja em condição de vulnerabilidade social;
  • Quem não recebe pensão, aposentadoria, benefício assistencial e/ou parcelas do seguro-desemprego.
Bruno Destéfano
Redator
Nasceu no interior de Goiás e se mudou para a capital, Goiânia, no início de 2015. Seu objetivo era o de cursar Jornalismo na UFG. Desde o fim de sua graduação, já atuou como roteirista, gestor de mídias digitais, assessor de imprensa na Câmara Municipal de Goiânia, redator web, editor de textos e locutor de rádio. Escreveu dois livros, sendo um de ficção e outro de não-ficção. Também recebeu prêmios pela produção de um podcast sobre temas raciais e por seu livro-reportagem "Insurgência - Crônicas de Repressão". Atualmente, trabalha como redator web no site "Concursos no Brasil" e está participando de uma nova empresa no ramo de marketing digital.

Compartilhe

Comentários

Especial IBGE

Veja mais »