Auxílio emergencial 2021: servidores da Dataprev entram em greve

Os servidores da Dataprev, responsáveis pelo processamento do auxílio emergencial, entraram em greve por tempo indeterminado. Saiba mais em nossa matéria.

Greve dos servidores da Dataprev: logo da Dataprev

Os servidores da Dataprev são responsáveis pelo processamento do auxílio emergencial. - Foto: Reprodução/Dataprev

Após falta de acordo na negociação coletiva com a empresa pública, os funcionários da Dataprev declararam greve por tempo indeterminado. Eles são responsáveis pelo processamento do auxílio emergencial, bem como dos benefícios do INSS. A paralisação das atividades já teve início no Distrito Federal, Ceará, Paraíba e Rio Grande do Norte. Em São Paulo, a greve está marcada para começar no dia 15 de março de 2021.

Com as interrupções nos serviços da Dataprev, é possível que a logística no pagamento do auxílio emergencial 2021 também seja afetada. A Federação Interestadual dos Trabalhadores em Tecnologia da Informação (FEITTINF) está reivindicando a renovação do acordo coletivo de trabalho. De acordo com a entidade, os prazos vinham sendo renovados a cada 30 dias, mas sem índice de reajuste salarial.

Servidores da Dataprev entram em greve; veja motivos

Dentre as motivações para a greve, os servidores da Dataprev mencionaram os impasses sobre o novo plano de saúde que foi contratado. Os funcionários informaram que os benefícios não se estendem para empregados ativos, aposentados, pensionistas e familiares.

Essa cláusula estava prevista no acordo coletivo de 2020, mas parece não ter sido aplicada nestes primeiros meses de 2021. Ao que tudo indica, a diretoria da Dataprev propôs para a entidade sindical que as negociações fossem retomadas por meio do Tribunal Superior do Trabalho (TST).

"Desde o ano passado, temos denunciado o desmonte da estrutura da Dataprev com demissões em massa e o fechamento de unidades pelo Brasil", afirmou o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Processamento de Dados e Tecnologia da Informação do Estado de São Paulo (Sindpd), Antonio Neto, para o Estadão Conteúdo. Ele também presidente da Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB).

Retomada do auxílio emergencial segue aguardada

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que o governo vai implementar faixas distintas de valores para as parcelas do auxílio emergencial de 2021. Ele explicou que os pagamentos mensais serão de R$ 250 para os cidadãos atendidos pelo programa. Por outro lado, a quantia pode ser maior para as mulheres provedoras do lar (R$ 375) ou menor para quem more sozinho (R$ 175).

"Esse é um valor médio [R$ 250], porque, se for uma família monoparental, dirigida por uma mulher, aí já é R$ 375. Se tiver um homem sozinho, já é R$ 175. Se for o casal, os dois, ai já são R$ 250. Isso é o Ministério da Cidadania, nós só fornecemos os parâmetros básicos, mas a decisão da amplitude é com o Ministério da Cidadania", explicou Guedes na última segunda-feira (08/03).

A PEC Emergencial, que prevê a prorrogação do benefício, já foi aprovada em dois turnos pelo Senado. Agora, a proposta ainda seguirá para deliberações junto à Câmara dos Deputados. De acordo com o presidente da Casa, Arthur Lira, a ideia é de conceder quatro parcelas do auxílio emergencial entre os meses de março de junho de 2021.

Bruno Destéfano
Redator
Nasceu no interior de Goiás e se mudou para a capital, Goiânia, no início de 2015. Seu objetivo era o de cursar Jornalismo na UFG. Desde o fim de sua graduação, já atuou como roteirista, gestor de mídias digitais, assessor de imprensa na Câmara Municipal de Goiânia, redator web, editor de textos e locutor de rádio. Escreveu dois livros, sendo um de ficção e outro de não-ficção. Também recebeu prêmios pela produção de um podcast sobre temas raciais e por seu livro-reportagem "Insurgência - Crônicas de Repressão". Atualmente, trabalha como redator web no site "Concursos no Brasil" e está participando de uma nova empresa no ramo de marketing digital.

Compartilhe

Especial Auxílio Emergencial

Veja mais »