Auxílio emergencial: Guedes confirma mais duas parcelas de R$ 600

Paulo Guedes decidiu manter as duas parcelas do auxílio emergencial com o mesmo valor de R$ 600,00. O anúncio oficial será feito nesta tarde (30/06).

Mais duas parcelas do auxílio emergencial: enquadramento fechado em Paulo Guedes, ministro da Economia

Não será necessário encaminhar nenhuma lei extra ao Congresso. - Foto: Foto: Washington Costa/ME (Wikimedia Commons)

Na manhã desta terça-feira (30/06), Paulo Guedes confirmou que o auxílio emergencial terá mais duas parcelas de R$ 600,00. Os novos repasses correspondem ao mesmo valor disponibilizado nas três parcelas iniciais do benefício. Por essa razão, não será necessário encaminhar nenhuma lei extra ao Congresso. Bastará um decreto para definir oficialmente a prorrogação dos benefícios emergenciais.

Em entrevista concedida para a CNN, o ministro da Economia também destacou que o anúncio oficial será realizado na tarde desta terça-feira (30/06) no Palácio do Planalto. Ele estará acompanhado do presidente Jair Bolsonaro ao longo de toda a cerimônia.

Auxílio emergencial: mais duas parcelas de R$ 600 foram confirmadas

A mudança para a metade do valor (R$ 300,00) ganhou força por meio dos cálculos da equipe econômica do governo, mas a proposta não foi bem recebida pelos parlamentares. De acordo com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), existiria um risco iminente em reduzir o auxílio emergencial na quarta e quinta parcela.

Ele havia cobrado uma postura oficial de Jair Bolsonaro para manter os benefícios no mesmo valor de R$ 600,00. Afinal, conforme pronunciamentos anteriores, já existia um consenso de que os deputados condenariam a redução dos repasses.

“A gente entende a preocupação do governo”, disse Rodrigo Maia, referindo-se ao impacto que a medida terá nos cofres públicos. “Mas gostaria de ter uma posição oficial. Que o governo encaminhe a matéria e possamos fazer um debate transparente”, continuou.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, apoiou a prorrogação do auxílio emergencial por mais um ou dois meses. No entanto, os valores deveriam ser calculados em formato parecido com o do Bolsa Família. A redução de R$ 600,00 para R$ 200,00 aliviaria os custos mensais de R$ 50 bilhões para R$ 17 bilhões.

Bolsonaro havia concordado com a linha de raciocínio de Guedes, mas sugeriu que a quarta e quinta parcela tivessem valores maiores do que R$ 200,00. Por essa razão, destacou que os repasses poderiam ser escalonados para mais três parcelas (R$ 500, R$ 400 e R$ 300, respectivamente).

O presidente também fez questão de reafirmar que vetaria qualquer proposta que mantivesse o valor em R$ 600. Como o Congresso não cedeu à pressão de Bolsonaro, Paulo Guedes confirmou dois novos repasses no mesmo valor de antes.

Terceira parcela do auxílio emergencial: calendário já foi divulgado

Na última quinta-feira (25/06), foi divulgado o calendário da terceira parcela do auxílio emergencial. O primeiro dia de pagamento aconteceu em 27 de junho de 2020. Assim como os repasses das cotas anteriores, os novos R$ 600 estão sendo creditados conforme os grupos de beneficiários.

Lembrando que os inscritos no Bolsa Família já estão recebendo desde o dia 17 de junho, de acordo com o dígito final do Número de Identificação Social. Faltava apenas o anúncio para o cronograma de transferência aos outros beneficiários. Sendo assim, o calendário da terceira parcela era muito aguardado para quem recebe por depósitos em contas digitais ou realiza saques em espécie.

Leia mais:

Compartilhe

Comentários