Auxílio emergencial pode gerar ganho médio de 2,46% no PIB, diz estudo

Mesmo com retração na economia devido ao estado de calamidade pública, o auxílio emergencial pode render um ganho médio de 2,46% no PIB nominal.

Auxílio emergencial pode gerar ganho médio de 2,46% no PIB: enquadramento fechado em duas cédulas de dinheiro, uma de cem e outra de cinquenta reais

Com as três primeiras parcelas do auxílio emergencial, a expectativa de ganho nacional era de 1,5%. - Foto: Pixabay

O auxílio emergencial poderá minimizar os impactos no Produto Interno Bruto do Brasil. De acordo com pesquisas em estágio de conclusão, os benefícios concedidos pelo governo podem contribuir para um ganho médio de 2,46% no PIB nominal, considerando o pagamento de todas as cinco parcelas previstas. Essa porcentagem corresponde a 178,5 bilhões de reais.

Antes, a expectativa de ganho nacional era de 1,5% com as três primeiras parcelas do auxílio emergencial. As estimativas, por sua vez, estão sendo elaboradas pelos economistas Ecio Costa e Marcelo Freire. Todos os dados analisados compõem o “Estudo de Avaliação da Renda Básica Emergencial: Aspectos de Focalização e Eficácia do Programa”.

“O benefício vai ajudar a minimizar o impacto da crise provocada pela COVID-19 no PIB brasileiro. E o mais interessante é que o programa tem maior eficácia nas regiões mais pobres do país”, destacou o economista Ecio Costa, em entrevista ao Correio Braziliense.

Acompanhe a matéria completa e fique por dentro de todos os detalhes sobre o assunto. Não se esqueça de conferir outros conteúdos de nosso site, como simulados e artigos. Temos certeza de que existe um material feito especialmente para você!

Auxílio emergencial pode gerar ganho médio de 2,46% no PIB, mas ainda haverá retração na economia

O economista Ecio Costa, que também é professor da Universidade Federal de Pernambuco, destacou que o auxílio emergencial trará efeitos positivos no PIB do país. Entretanto, uma retração da economia não poderá ser evitada ao longo dos próximos meses.

As consequências da crise ocasionada pelo novo coronavírus serão sentidas na queda do nível de produção econômica. Para Ecio Costa, o tombo poderá ficar próximo de 6,54%. Essa porcentagem é mais otimista que a do Fundo Monetário Internacional (FMI), que corresponde à queda de 9,1%.

PIB: auxílio emergencial beneficia principalmente economias do Norte e do Nordeste

Ecio Costa também afirmou que as economias do Norte e Nordeste são as mais beneficiadas com o auxílio emergencial, já que 38,28% (R$ 178,6 bilhões) dos recursos estão sendo destinados a essas regiões.

De acordo com os estudos, o estado do Maranhão lidera a lista de ganhos no PIB com os benefícios fornecidos pelo governo federal, que passará a ser de 8,55%. Antes, a estimativa era de 5,1% para as três primeiras parcelas.

“O auxílio emergencial está chegando nas cidades mais pobres e gerando impactos positivos na economia dos municípios, apesar das fraudes que foram identificadas”, afirmou Costa em entrevista ao Correio Braziliense.

Leia mais:

Bruno Destéfano
Redator
Nasceu no interior de Goiás e se mudou para a capital, Goiânia, no início de 2015. Seu objetivo era o de cursar Jornalismo na UFG. Desde o fim de sua graduação, já atuou como roteirista, gestor de mídias digitais, assessor de imprensa na Câmara Municipal de Goiânia, redator web, editor de textos e locutor de rádio. Escreveu dois livros, sendo um de ficção e outro de não-ficção. Também recebeu prêmios pela produção de um podcast sobre temas raciais e por seu livro-reportagem "Insurgência - Crônicas de Repressão". Atualmente, trabalha como redator web no site "Concursos no Brasil" e está participando de uma nova empresa no ramo de marketing digital.

Compartilhe

Especial Auxílio Emergencial

Veja mais »