BC vê recuperação parcial da economia e incerteza com fim do auxílio

De acordo com o Copom, órgão do Banco Central, a evolução da pandemia e o fim do auxílio emergencial provocam momento de incerteza na economia do país.

BC vê recuperação parcial da economia e incerteza com fim do auxílio: foco para livro fechado disposto em mesa de reunião. Na lateral dele, é possível ler "Comitê de Políticas Monetárias - COPOM"

De acordo com a ata da reunião, as incertezas podem desencadear em uma retomada “ainda mais gradual” da economia. - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Em reunião desta terça-feira, dia 11 de agosto, o Comitê de Política Monetária (Copom) afirmou que existe a possibilidade de uma recuperação parcial na economia do país. O órgão do Banco Central, por outro lado, ainda enxerga momentos de incerteza devido a dois motivos principais: a evolução da pandemia ocasionada pelo novo coronavírus e o comportamento dos setores econômicos após o fim do auxílio emergencial.

De acordo com a ata da reunião, as imprevisibilidades podem desencadear em uma retomada “ainda mais gradual” da economia. A velocidade da recuperação, dessa maneira, pode estar diretamente relacionada com a expansão da pandemia e com o cenário após o fim dos repasses concedidos pelo governo.

Acompanhe a matéria completa e fique por dentro de mais detalhes sobre a reunião, em que ficou decidido o corte de taxa básica de juros, Selic, de 2,25% para 2%. Não se esqueça de conferir outros conteúdos de nosso site, como simulados e artigos. Temos certeza de que existe um material feito especialmente para você!

Recuperação da economia do Brasil e cenário de incertezas

De acordo com a ata da reunião, promovida pelo Copom, os efeitos do auxílio emergencial permitiram uma retomada “relativamente forte” no consumo de bens duráveis e de investimento. Entretanto, o setor de serviços continua sendo um dos mais afetados no contexto de calamidade pública.

“Os setores mais diretamente afetados pelo distanciamento social permanecem deprimidos, apesar da recomposição da renda gerada pelos programas de governo. Prospectivamente, a incerteza sobre o ritmo de crescimento da economia permanece acima da usual, sobretudo para o período a partir do final deste ano, concomitantemente ao esperado arrefecimento dos efeitos dos auxílios emergenciais”, consta em documento sobre a reunião do comitê.

O boletim Focus, que relaciona todas as projeções do mercado para os principais índices econômicos, denota uma expectativa de que a inflação fique em 1,63% no ano de 2020. Em relação ao PIB, a estimativa do governo é de uma queda em 4,7%. O mercado espera que a atividade econômica consiga uma recuperação de 5% em 2021.

Bruno Destéfano
Redator
Nasceu no interior de Goiás e se mudou para a capital, Goiânia, no início de 2015. Seu objetivo era o de cursar Jornalismo na UFG. Desde o fim de sua graduação, já atuou como roteirista, gestor de mídias digitais, assessor de imprensa na Câmara Municipal de Goiânia, redator web, editor de textos e locutor de rádio. Escreveu dois livros, sendo um de ficção e outro de não-ficção. Também recebeu prêmios pela produção de um podcast sobre temas raciais e por seu livro-reportagem "Insurgência - Crônicas de Repressão". Atualmente, trabalha como redator web no site "Concursos no Brasil" e está participando de uma nova empresa no ramo de marketing digital.

Compartilhe

Especial Auxílio Emergencial

Veja mais »