BNDES afirma que privatização dos Correios deve acontecer em 2022

O projeto de privatização dos Correios está correndo em regime de urgência na Câmara dos Deputados e deve ir para análise no TCU no segundo semestre de 2021.

privatização dos correios: a imagem mostra a logo dos Correios em fundo amarelo

O Congresso ainda precisa aprovar a transação. - Foto: Logo / Divulgação

Nesta quarta-feira (28/04), o diretor de privatizações do BNDES, Leonardo Cabral, confirmou que a privatização dos Correios está prevista para acontecer apenas em 2022. O executivo também afirmou que a empresa não será vendida por completo e apenas 70% do capital deve ser oferecido. As informações foram noticiadas em evento do Jornal Valor Econômico.

Na ocasião, Cabral explicou que o objetivo é que a União mantenha uma parte menor dos Correios para não atrapalhar a operação da companhia nem o processo de venda. “O que desejamos é uma venda significativa do controle da União, não vender 51% e manter participação relevante. Entendemos que isso poderia afastar interessados”, pontuou.

Como será feita a privatização dos Correios?

A venda da estatal faz parte do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), que visa fortificar a logística de políticas de investimentos em infraestrutura. A ideia é que esse reforço seja dado por meio de parcerias com a iniciativa privada. De acordo com o diretor, o certame da desestatização depende de outros órgãos e do aval do Congresso para ser iniciado. Atualmente, o texto está correndo com regime de urgência.

“Isso nos dá o conforto que até o meio do ano o projeto vai estar deliberado pela Câmara e a gente assim consegue dar sequência ao processo. Já aprovamos com consultores a modelagem inicial e já está no detalhamento. Em agosto ou setembro a gente vai estar com uma transação pronta para ser deliberada pelo conselho de ministros e para análise do Tribunal de Contas da União (TCU) que deve terminar no fim de 2021”, afirmou Cabral. 

O diretor afirmou ainda que a modelagem da privatização dos Correios já foi aprovada e agora será detalhada. Segundo ele, assim que o TCU der o aval do projeto, o edital do leilão será publicado. Cabral comentou ainda que a expectativa é de realizar a transação em janeiro ou fevereiro de 2022, se a resposta do mercado chegar em 30 ou 60 dias.

Isadora Tristão
Redatora
Nascida na cidade de Goiânia e formada em Jornalismo pela Universidade Federal de Goiás, hoje, é redatora no site "Concursos no Brasil". Anteriormente, fez parte da criação de uma revista voltada para o público feminino, a Revista Trendy, onde trabalhou como repórter e gestora de mídias digitais por dois anos. Também já escreveu para os sites “Conhecimento Científico” e “KoreaIN”. Em 2018 publicou seu livro-reportagem intitulado “Césio 137: os tons de um acidente”, sobre o acidente radiológico que aconteceu na capital goiana no final da década de 1980.

Compartilhe

Especial Auxílio Emergencial

Veja mais »