Bolsonaro cancela Renda Brasil e diz que Bolsa Família vai continuar

“Vamos continuar com o Bolsa Família e ponto final”, o presidente Jair Bolsonaro confirmou. Saiba todos os detalhes sobre o assunto!

Em vídeo divulgado nesta terça-feira (15/09), Jair Bolsonaro “proibiu” a discussão sobre o Renda Brasil, que substituiria o programa Bolsa Família. “Até 2022, no meu governo, está proibido falar a [palavra] Renda Brasil. Vamos continuar com o Bolsa Família e ponto final”, confirmou.

O presidente também negou as notícias recentes sobre o congelamento de aposentadorias, bem como os cortes nos benefícios sociais de idosos e pessoas com deficiência. Bolsonaro alegou que não haverá quaisquer mudanças nos repasses previdenciários para financiar o Renda Brasil.

Acompanhe a matéria completa e fique por dentro de mais detalhes sobre o assunto. Não se esqueça de conferir outros conteúdos de nosso site, como simulados e artigos. Temos certeza de que existe um material feito especialmente para você!

Bolsa Família daria lugar ao Renda Brasil

Ao longo dos últimos meses, o Renda Brasil vinha sendo elaborado como o possível sucessor do Bolsa Família. A criação do novo programa assistencial ajudaria a dar continuidade ao pagamento de benefícios às pessoas economicamente vulneráveis, que têm sido fundamentais para a economia durante a pandemia do novo coronavírus.

O plano da equipe econômica do governo era de ampliar os repasses, no sentido de transformar o Renda Brasil na marca da atual gestão. Entretanto, o Ministério da Economia acabou encontrando dificuldade para separar recursos ao novo programa.

Renda Brasil já havia sido suspenso pelo presidente Jair Bolsonaro

No final de agosto de 2020, Jair Bolsonaro já havia decidido pela suspensão do Renda Brasil por tempo indeterminado. O anúncio foi realizado durante um evento na siderúrgica Usiminas/MG.

De acordo com o presidente, a ideia apresentada pela equipe econômica acabou não agradando. "Ontem [25/08], discutimos a possível proposta do Renda Brasil e falei que está suspenso. A proposta como apareceu para mim não será enviada ao parlamento. Não posso tirar de pobre para dar a paupérrimos", disse.

O pronunciamento se referia ao ministro da Economia, Paulo Guedes, que tinha como plano fazer um pagamento de R$ 250,00 mensais. Além disso, Bolsonaro informou que não defende a retirada de recursos de outros programas e benefícios, como o abono salarial.

"Não podemos fazer isso aí, como por exemplo, a questão do abono para quem ganha até 2 salários mínimos, que seria um 14° salário, não podemos tirar isso de 12 milhões de pessoas para dar ao Bolsa Família, ao Renda Brasil ou como for chamar esse novo programa", o presidente comentou durante o evento.

Compartilhe

Especial Concurso BB

Veja mais »