Brasil deve ter primeira década de recessão na história

Primeira década de recessão na história possui uma queda de 0,3% do PIB ao ano.

Brasil deve ter primeira década de recessão na história, índice de desempenho negativo

Pior década tinha sido entre os anos de 1981 e 1990, mas despenho foi positivo. - Foto: Pixabay

O Brasil deve ter a sua primeira década de recessão na história. De acordo com uma projeção feita pelo pesquisador Marcel Balassiano, que faz parte do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV), a recessão média do Produto Interno Bruto (PIB) será de 0,3% anuais, contando o período entre 2011 e 2020.

O período de análise foi feito a partir de 1901, quando se tem dados mais concretos sobre o PIB do país. Até então, a pior década tinha sido entre os anos de 1981 e 1990 com crescimento de apenas 1,6%. Ou seja, nunca houve registro negativo.

Histórico da década de recessão

No começo da década, o PIB brasileiro teve um crescimento razoável, média de 3% ao ano. Porém, entre 2014 e 2016 o país passou por uma forte recessão que fez a produção do país apresentar números negativos.

Após o impeachment de Dilma Rousseff, Michel Temer assumiu o país e houve um tímido ganho nos anos em que esteve como presidente. Com a chegada de Jair Bolsonaro, em 2019, o PIB também não apresentou um grande crescimento. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o desempenho positivo foi de apenas 1,1%, longe de economias em ascensão como a Índia.

A expectativa era de que em 2020 o desempenho econômico seria um pouco melhor e a década fechasse de forma positiva. Porém, a crise provocada pelo novo coronavírus (COVID-19) fez com que todos os planos e expectativas fossem radicalmente modificados. Agora, é consenso entre todos os economistas que o Brasil fechará o ano no vermelho e deve ter a primeira década de recessão na história. A divergência do momento é sobre as projeções.

Projeções diferem

Existem previsões com números bastante diferentes para o desempenho da economia do país. O Ministério da Economia é o que enxerga o cenário mais otimista. Para o ministro Paulo Guedes e seus comandados, a recessão será de 4,7%.

A confiança foi demonstrada pelo o secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida. "Os dados estão vindo melhores que nós imaginávamos. São dados ruins. Agora, quando você olha a previsão de mercado era pior ainda. Boa parte das pessoas que estão no mercado que previram uma queda acima de 6,5% todas elas estão tendo que rever”, falou durante uma live com investidores em 22 de junho.

Como o próprio Sachsida apontou, o mercado financeiro (relatório Focus) prevê uma queda de 6,5%. Já o Banco Central aponta que a contração será um pouco menor, 6,4%. Mesmo com a diferença, as estimativas entre o BC e o mercado são bem parecidas.

De todas as previsões feitas e que possuem relevância entre economistas, a pior foi apresentada pelo Fundo Monetário Internacional (FMI). De acordo com a organização, O Brasil passará por uma queda de 9,1% em seu PIB.

Veja também:

Compartilhe

Comentários