Caixa Tem: Parte dos usuários poderá regularizar app usando WhatsApp

Depois de bloquear milhares de contas suspeitas, a Caixa libera novo acesso ao Caixa Tem por meio da apresentação de documentos via WhatsApp.

Caixa Tem: mão segurando celular aberto no whatsapp em frente a computador aberto no site do Caixa Tem

O desbloqueio online é só para quem tem documentos pendentes. - Foto: Concursos no Brasil

A Caixa Econômica liberou a regularização do aplicativo Caixa Tem pelo WhatsApp nesta quinta-feira (23). Essa medida foi tomada após o banco ter suspendido milhares de contas usadas para receber o auxílio emergencial. Sendo assim, aqueles que tiveram “inconsistências cadastrais” reconhecidas, somando 49% dos afetados, poderão enviar documentos via chat para ter acesso ao aplicativo novamente.

Depois de muitos problemas com o Caixa Tem, usuários receberam mensagens pedindo a comprovação de titularidade das contas presencialmente em agências para promover o desbloqueio. As contas que foram constatadas como suspeitas de fraude, que são os outros 51%, deverão ser regularizadas presencialmente.

O presidente da Caixa, Pedro Guimarães, afirmou que a comprovação de titularidade da conta deve ser realizada dentro do calendário de recebimento do auxílio emergencial. “Não adianta procurar se você nasceu em outubro neste momento que estamos pagando em janeiro. Não vai adiantar a liberação do Caixa Tem se o depósito só será feito daqui duas semanas, 20 dias. Isso é muito importante para que se evite qualquer aglomeração”, explicou.

Como regularizar o Caixa Tem

Tendo em vista que o grupo de bloqueados foi dividido em dois, inconsistências cadastrais e suspeitas de fraude, a forma de solicitar o novo acesso ao Caixa Tem também varia. Veja quais são:

1. Desbloqueio via WhatsApp do Caixa Tem

A primeira opção só é válida para quem teve a conta trancada por causa de documentos pendentes. Esses usuários não precisarão ir à Caixa e poderão sanar as inconsistências cadastrais pelo WhatsApp. Para isso, é preciso:

  1. Solicitar um novo acesso ao Caixa Tem;
  2. Enviar o restante da documentação pedida;
  3. Conferir o recebimento das mensagens "Para finalizar a validação do seu cadastro, vamos precisar que envie seus documentos pelo WhatsApp" e "Para iniciar a conversa, clique no link abaixo e mande a palavra CADASTRO" no menu Liberar Acesso;
  4. Clicar no link que irá redirecionar o usuário para uma janela do WhatsApp;
  5. Enviar os documentos pendentes que forem solicitados.

"O único aplicativo que essa informação é válida é o do Caixa Tem. É relevante isso para evitar qualquer tipo de envio de documentação dos clientes para qualquer pessoa que não esteja efetivamente analisando essa questão", disse o presidente da Caixa.

Guimarães ainda chamou a atenção das pessoas para acessarem apenas o link enviado pelo aplicativo Caixa Tem. O banco não faz solicitações diretamente pelo WhatsApp ou redes sociais. Dessa forma, links enviados por essas plataformas não são confiáveis e podem ser golpes.

2. Desbloqueio em agência da Caixa

O formato presencial é para quem teve a conta suspensa por suspeita de fraude. Esses deverão reunir a documentação pessoal e apresentar em uma agência da Caixa, comprovando ser titular daquela conta. No entanto, é preciso ficar atento ao calendário de recebimento do auxílio emergencial. Guimarães informou que o desbloqueio não funcionará se a liberação das parcelas for acontecer só daqui há alguns dias, semanas ou meses.

Por enquanto, as agências irão atender os beneficiários que tiveram o dinheiro pago no “Ciclo 1”, começando pelos nascidos em janeiro, não estando incluídos os inscritos no Bolsa Família. Veja mais no cronograma:

Em relação aos outros problemas e erros do Caixa Tem relatados por internautas nas últimas semanas, como o acesso ao FGTS emergencial, não houve resposta da Caixa. Acredita-se que as dificuldades com o aplicativo tenham acontecido por causa do grande fluxo de acessos simultâneos.

Veja também:

Isadora Tristão
Redatora
Nascida na cidade de Goiânia e formada em Jornalismo pela Universidade Federal de Goiás, hoje, é redatora no site "Concursos no Brasil". Anteriormente, fez parte da criação de uma revista voltada para o público feminino, a Revista Trendy, onde trabalhou como repórter e gestora de mídias digitais por dois anos. Também já escreveu para os sites “Conhecimento Científico” e “KoreaIN”. Em 2018 publicou seu livro-reportagem intitulado “Césio 137: os tons de um acidente”, sobre o acidente radiológico que aconteceu na capital goiana no final da década de 1980.

Compartilhe

Especial Auxílio Emergencial

Veja mais »