2ª parcela do auxílio emergencial 2021 é antecipada; VEJA calendário

O calendário da segunda parcela do auxílio emergencial 2021 começou a ser executado no dia 16 de maio. Confira, em nossa matéria, todas as datas de pagamento.

Calendário da segunda parcela do auxílio emergencial 2021: destaque para notas de dinheiro e, no fundo, tela de computador com página aberta do auxílio emergencial

A elegibilidade será reavaliada mensalmente pela Dataprev. - Foto: Concursos no Brasil

Para todos os beneficiários, a segunda parcela do auxílio emergencial 2021 começa a ser paga neste mês de maio. O calendário para os inscritos no Bolsa Família foi organizado com base no último dígito do NIS e segue as datas tradicionais do programa.

Em contrapartida, o calendário do auxílio emergencial para os demais elegíveis foi escalonado de acordo com o mês de aniversário. A Caixa antecipou a segunda parcela para quem não faz parte do Bolsa Família. Assim, os depósitos começaram no dia 16 de maio e vão até o dia 30 do mesmo mês, enquanto os saques serão liberados de 31 de maio a 17 de junho.

Lembrando que os integrantes do CadÚnico e inscritos no auxílio desde 2020 contam com um calendário dividido em duas fases: de início, depósitos e, depois, liberação para saques e transferências por DOC ou TED. Já os beneficiários do Bolsa Família poderão movimentar a segunda parcela do auxílio emergencial a partir da mesma data prevista para depósitos.

Agora, as transferências via Pix no Caixa Tem poderão ser feitas assim que a 2ª parcela do auxílio emergencial cair nas poupanças sociais digitais. Essa regra a respeito do Pix vale para todos os beneficiários do programa. Não será necessário, portanto, esperar pela liberação dos saques e das transferências por TED ou DOC.

Em nossa matéria, você vai ficar sabendo mais detalhes sobre a segunda parcela do auxílio emergencial, bem como as datas de pagamento.

Segunda parcela do auxílio emergencial 2021; veja data de pagamentos

No auxílio emergencial de 2021, o governo brasileiro não liberou período para novas inscrições. Isso quer dizer que as parcelas somente serão transferidas para quem recebeu o benefício no ano passado.

Além do mais, todos os interessados devem atender aos critérios previstos na medida provisória de nº 1039. A principal das regras continua a mesma: renda per capita de até meio salário mínimo e total de até três salários mínimos.

Abaixo, você confere o calendário da segunda parcela do auxílio emergencial 2021.

Calendário antecipado da segunda parcela do auxílio emergencial 2021

Em relação à segunda parcela do auxílio emergencial 2021, recebem os beneficiários do CadÚnico e inscritos no programa desde 2020, além dos novos aprovados em 12 e 27 de abril de 2021.

Confira as datas antecipadas pela Caixa:

Mês de aniversárioData de depósitoData para saque
Janeiro16/0531/05
Fevereiro18/0501/06
Março19/0502/06
Abril20/0504/06
Maio21/0508/06
Junho22/0509/06
Julho23/0510/06
Agosto25/0511/06
Setembro26/0514/06
Outubro27/0515/06
Novembro28/0516/06
Dezembro30/0517/06

Calendário da segunda parcela do auxílio emergencial para Bolsa Família

Para os beneficiários do Bolsa Família, a segunda parcela do auxílio emergencial 2021 começará a ser paga no dia 18 de maio. As datas foram organizadas de acordo com o último dígito do Número de Identificação Social (NIS).

Assim como no ano passado, as unidades familiares vão receber o valor mais vantajoso dentre o auxílio emergencial e o Bolsa Família. Acompanhe, abaixo, quando a segunda parcela será depositada para esse público:

Número final do NISDatas de pagamento
NIS 118 de maio de 2021
NIS 219 de maio de 2021
NIS 320 de maio de 2021
NIS 421 de maio de 2021
NIS 524 de maio de 2021
NIS 625 de maio de 2021
NIS 726 de maio de 2021
NIS 827 de maio de 2021
NIS 928 de maio de 2021
NIS 031 de maio de 2021

Auxílio emergencial: Caixa libera Pix da segunda parcela

Assim que a segunda parcela for liberada, os beneficiários do auxílio emergencial poderão fazer transferências via Pix. A Caixa, em contrapartida, explicou que não será possível enviar dinheiro para contas de mesma titularidade.

A medida visa evitar descontos ou compensações de dívidas, que podem diminuir o valor do auxílio emergencial. Veja como fazer Pix com o valor da segunda parcela do auxílio emergencial:

  • Entre no Caixa Tem (Android e iOS) e toque na opção “Pix”, que fica no menu do app;
  • Toque em "pagar" e escolha como pretende transferir a segunda parcela do auxílio emergencial (chave Pix ou QR Code);
  • Se optar pela chave PIX, informe qual você quer usar (e-mail, telefone, chave aleatória ou CPF/CNPJ). Caso escolha QR Code, aponte a câmera do seu aparelho celular para o quadrado onde está o código;
  • Digite, no aplicativo Caixa Tem, qual valor que você irá transferir. Limite de R$ 600 por operação e R$ 1.200 por dia;
  • Os dados de pagamento serão apresentados logo em seguida. Se tudo estiver dentro dos conformes, toque em "Sim, digitar senha".

Calendário das demais parcelas para quem não faz parte do Bolsa Família

Ao que tudo indica, o governo brasileiro está estudando a possibilidade de prorrogar o auxílio emergencial 2021. A ideia é de conceder novos pagamentos até o final do ano, bem como ampliar o número de beneficiários. Por enquanto, a previsão continua a mesma: quatro parcelas no primeiro semestre de 2021.

Veja o calendário dos demais repasses que ainda vão ser efetuados (integrantes do CadÚnico e inscritos no auxílio desde 2020, além dos aprovados em 12 e 27 de abril de 2021):

3ª parcela do auxílio emergencial para quem não faz parte do Bolsa Família

Mês de aniversárioData de depósitoData para saque
Janeiro20/0613/07
Fevereiro23/0615/07
Março25/0616/07
Abril27/0620/07
Maio30/0622/07
Junho04/0727/07
Julho06/0729/07
Agosto09/0730/07
Setembro11/0704/08
Outubro14/0706/08
Novembro18/0710/08
Dezembro21/0712/08

4ª parcela do auxílio emergencial para quem não faz parte do Bolsa Família

Mês de aniversárioData de depósitoData para saque
Janeiro23/0713/08
Fevereiro25/0717/08
Março28/0719/08
Abril01/0823/08
Maio03/0825/08
Junho05/0827/08
Julho08/0830/08
Agosto11/0801/09
Setembro15/0803/09
Outubro18/0806/09
Novembro20/0808/09
Dezembro22/0810/09

Auxílio emergencial: calendário das demais parcelas para Bolsa Família

Assim como aconteceu nos pagamentos anteriores, o calendário para Bolsa Família segue as datas tradicionais do programa. Ou seja? Sempre nos últimos 10 dias úteis de cada mês. Veja o cronograma para as demais parcelas do auxílio emergencial (3ª e 4ª):

3ª parcela do auxílio emergencial para Bolsa Família

Número final do NISDatas de pagamento
NIS 117 de junho de 2021
NIS 218 de junho de 2021
NIS 321 de junho de 2021
NIS 422 de junho de 2021
NIS 523 de junho de 2021
NIS 624 de junho de 2021
NIS 725 de junho de 2021
NIS 828 de junho de 2021
NIS 929 de junho de 2021
NIS 030 de junho de 2021

4ª parcela do auxílio emergencial para Bolsa Família

Número final do NISDatas de pagamento
NIS 119 de julho de 2021
NIS 220 de julho de 2021
NIS 321 de julho de 2021
NIS 422 de julho de 2021
NIS 523 de julho de 2021
NIS 626 de julho de 2021
NIS 727 de julho de 2021
NIS 828 de julho de 2021
NIS 929 de julho de 2021
NIS 030 de julho de 2021

Público-alvo e valores do auxílio emergencial em 2021

De acordo com as novas regras, o auxílio emergencial conta com valores variáveis em 2021. As mães chefes de família vão receber parcelas de R$ 375, enquanto os que moram sozinhos terão direito aos pagamentos de R$ 150.

Já os demais beneficiários, com mais de um membro no grupo familiar, farão jus às cotas médias de R$ 250. E em relação aos beneficiários do Bolsa Família? Nesse caso, será depositado o valor mais vantajoso dentre o programa em questão e o auxílio emergencial.

Vale destacar que, na nova rodada de pagamentos, não haverá possibilidade de acumular os repasses. O auxílio emergencial será limitado para uma pessoa de cada unidade familiar. Veja, abaixo, quem terá direito ao auxílio emergencial de 2021:

  • 28.624.776 beneficiários não inscritos no CadÚnico e já cadastrados nas plataformas digitais da Caixa;
  • 6.301.073 integrantes do CadÚnico;
  • 10.697.777 atendidos pelo programa Bolsa Família.

Em ocasiões anteriores, o ministro Paulo Guedes ressaltou a importância de implementar recursos para os cidadãos mais pobres.

"Se nós quisermos reduzir a pobreza e a miséria no Brasil, você tem que dar o dinheiro direto para os mais desfavorecidos. (...) Agora, o auxílio emergencial acabou seguindo também uma linha semelhante que é botar o dinheiro onde está o mais pobre e não nos intermediários", Guedes disse.

Quem não tem direito ao auxílio emergencial de 2021?

Conforme as regras previstas na medida provisória de nº 1.039, os beneficiários devem atender a alguns critérios para receber a segunda e as demais parcelas do auxílio emergencial.

A elegibilidade será reavaliada mensalmente pela Dataprev, no sentido de verificar se os cidadãos continuam tendo direito aos repasses.

Confira, abaixo, quem não vai receber as parcelas do auxílio emergencial em 2021:

  • Tenha vínculo de emprego formal ativo;
  • Esteja recebendo benefícios previdenciário, assistencial, trabalhista ou de programa de transferência de renda federal (menos abono salarial e Bolsa Família);
  • Tenha renda familiar mensal per capita superior a meio salário mínimo;
  • Seja membro de família que tenha renda mensal total superior a três salários mínimos;
  • Seja residente no exterior;
  • No ano de 2019, tenha recebido rendimentos tributáveis superiores ao valor total de R$ 28.559,70;
  • Tinha, em 31 de dezembro de 2019, a posse ou a propriedade de bens ou direitos, inclusive a terra nua, de valor total superior a R$ 300.000,00;
  • No ano de 2019, tenha recebido rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma tenha sido superior a R$ 40.000,00;
  • Tenha sido declarado, no ano de 2019, como dependente na condição de: cônjuge; companheiro com o qual o contribuinte tenha filho ou com o qual conviva há mais de cinco anos; filho/enteado com menos de 21 anos; ou filho/enteado com menos de 24 anos que esteja matriculado em instituição de nível médio técnico ou superior;
  • Esteja preso em regime fechado;
  • Tenha seu CPF vinculado, como instituidor, à concessão de auxílio-reclusão;
  • Tenha menos de 18 anos de idade (menos no caso de mães adolescentes);
  • Possua indicativo de óbito nas bases de dados do governo;
  • Tenha seu CPF vinculado, como instituidor, à concessão de pensão por morte de qualquer natureza;
  • Esteja com o auxílio emergencial de 2020 cancelado no momento da avaliação para as novas parcelas;
  • Não tenha movimentado os valores relativos ao auxílio emergencial de 2020;
  • Seja estagiário, residente médico ou residente multiprofissional;
  • Seja beneficiário de bolsa de estudo da Capes, do CNPq ou de outras bolsas de estudo concedidas por órgão público.
Bruno Destéfano
Redator
Nasceu no interior de Goiás e se mudou para a capital, Goiânia, no início de 2015. Seu objetivo era o de cursar Jornalismo na UFG. Desde o fim de sua graduação, já atuou como roteirista, gestor de mídias digitais, assessor de imprensa na Câmara Municipal de Goiânia, redator web, editor de textos e locutor de rádio. Escreveu dois livros, sendo um de ficção e outro de não-ficção. Também recebeu prêmios pela produção de um podcast sobre temas raciais e por seu livro-reportagem "Insurgência - Crônicas de Repressão". Atualmente, trabalha como redator web no site "Concursos no Brasil" e está participando de uma nova empresa no ramo de marketing digital.

Compartilhe

Especial Auxílio Emergencial

Veja mais »