Casa Verde e Amarela: aluguel social deve ser lançado no 2º semestre

Com o aluguel social, a meta é regularizar a situação fundiária até 2024. Está prevista a concessão de um voucher mensal para complementar aluguel. Confira.

Aluguel social no programa Casa Verde e Amarela: moradias subsidiadas pelo governo brasileiro

Uma das modalidades previstas corresponde à construção de um parque habitacional. - Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil

Conforme dados da Fundação João Pinheiros, o déficit habitacional no Brasil já chegou a 5,9 milhões de moradias. Esse número diz respeito às pessoas que não têm onde morar, bem como aquelas que vivem em locais inapropriados para moradia ou gastam valores excessivos em aluguel. Para regularizar a situação, o governo pretende implementar a política do aluguel social a partir do segundo semestre de 2021.

Esse é um dos pilares do programa Casa Verde e Amarela, que substituiu o Minha Casa, Minha Vida. O objetivo será de encontrar mais de uma estratégia para os problemas relacionados com o déficit habitacional no país. “Não podemos pensar em uma única solução para problemas diversos”, informou o secretário Nacional de Habitação, Alfredo Eduardo dos Santos.

Modalidades do aluguel social no Casa Verde e Amarela

Com o aluguel social no Casa Verde e Amarela, o propósito será de pensar em diversas estratégias para combater os níveis de déficit habitacional, não apenas em relação às moradias subsidiadas pelo governo. Os detalhes foram informados pelo secretário Nacional de Habitação, Alfredo Eduardo dos Santos, em entrevista para a TV Brasil no último domingo (23/05).

Uma das modalidades previstas corresponde à construção de um parque habitacional. Outra medida diz respeito à concessão de voucher para que as unidades familiares possam complementar o valor referente ao aluguel. “Assim vamos atender famílias para que possam despender menos [com aluguel] e possam economizar para dar o próximo passo”, informou o secretário durante a entrevista.

A política do aluguel social deverá ser lançada a partir do segundo semestre de 2021. Por conseguinte, a ideia será de regularizar a situação habitacional de 2 milhões de famílias até 2024. “Essas famílias não têm a segurança da posse. Não tem a tranquilidade de continuar investindo adequadamente no seu imóvel pois têm sobre sua cabeça uma espada: que algum dia pode vir alguém e despejá-la”, disse.

A entrevista completa está disponível no canal “TV Brasil” pelo YouTube. Confira abaixo, na íntegra:

Bruno Destéfano
Redator
Nasceu no interior de Goiás e se mudou para a capital, Goiânia, no início de 2015. Seu objetivo era o de cursar Jornalismo na UFG. Desde o fim de sua graduação, já atuou como roteirista, gestor de mídias digitais, assessor de imprensa na Câmara Municipal de Goiânia, redator web, editor de textos e locutor de rádio. Escreveu dois livros, sendo um de ficção e outro de não-ficção. Também recebeu prêmios pela produção de um podcast sobre temas raciais e por seu livro-reportagem "Insurgência - Crônicas de Repressão". Atualmente, trabalha como redator web no site "Concursos no Brasil" e está participando de uma nova empresa no ramo de marketing digital.

Compartilhe

Especial Auxílio Emergencial

Veja mais »