Censo Demográfico 2021 depende de progresso da vacinação, diz IBGE

O IBGE informou que o Censo Demográfico, mesmo se for retomado em 2021, depende do avanço da vacinação contra a COVID-19 no país. Saiba os detalhes.

Censo Demográfico em 2021: logo do IBGE em fundo branco

O IBGE levantou a possibilidade de promover o Censo no primeiro semestre de 2022. - Foto: Reprodução/IBGE

Na última sexta-feira, dia 07 de maio, o Supremo Tribunal Federal (STF) começou a avaliar a determinação do ministro Marco Aurélio Mello, que prevê a realização do Censo Demográfico ainda em 2021. A justificativa é de que o cancelamento viola a Constituição Federal. Por outro lado, o IBGE informou que a realização da pesquisa, mesmo que seja confirmada, depende do avanço da vacinação contra a COVID-19.

O instituto, em ofício encaminhado para o STF, comunicou que a população, caso não esteja plenamente vacinada, poderá sofrer resistência para receber os recenseadores. Esse seria um grande obstáculo para garantir a realização do Censo Demográfico em 2021. Além do mais, o IBGE também apontou o contexto de pandemia e a possível dificuldade para realizar as provas no mês de julho.

"A mais plausível [das possibilidades] é a realização nos mesmos períodos do plano original - com a coleta de dados nos meses de agosto a outubro, mantendo-se, assim, os mesmos prazos planejados para a operação de 2020, com ajustes na cadeia de treinamento", diz o ofício, que foi assinado por Maria Vilma Salles Garcia, coordenadora do Censo Demográfico.

O IBGE também levantou a possibilidade de promover o Censo no primeiro semestre do próximo ano, mesmo que isso comprometa os planejamentos iniciais. Vale lembrar que o certame, que continua temporariamente cancelado, abrange 204.307 vagas para Agente Censitário Municipal (ACM), Agente Censitário Supervisor (ACS) e Recenseador.

Concurso IBGE para Censo 2021 segue sem previsão orçamentária

No dia 23 de abril, o governo comunicou que o Orçamento de 2021 não conta com os recursos necessários para a realização do Censo Demográfico em 2021. Isso quer dizer que, mais uma vez, o concurso IBGE poderá ser adiado por tempo ainda indeterminado. As informações foram confirmadas pelo secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues.

"Não há previsão orçamentária para o Censo. Portanto, ele não se realizará em 2021. As consequências e gestão para um novo Censo serão comunicadas ao longo deste ano, em particular em decisões tomadas na Junta de Execução Orçamentária", disse. Por outro lado, o ministro Marco Aurélio Mello determinou que o concurso para o Censo seja realizado ainda em 2021.

Ele explicou que o cancelamento fere as disposições da Constituição Federal. Mais novidades sobre o assunto deverão ser divulgadas ao longo das próximas semanas. O Cebraspe, inclusive, já começou as tratativas com o Ministério da Economia para reavaliar o calendário de atividades do certame, que contempla 204.307 vagas.

Mesmo com o possível cancelamento do Censo em 2021, as demais seleções do IBGE não tiveram mudanças no cronograma porque não dependem do Orçamento. Dessa maneira, continua mantido o calendário de eventos para as vagas destinadas aos cargos de:

  • Agente de Pesquisa e Mapeamento: 5.623 vagas para nível médio, com remunerações de R$ 1.387,50. As provas foram aplicadas no dia 02 de maio de 2021;
  • Supervisor de Coleta e Qualidade: 552 vagas para nível médio completo, com remunerações de R$ 3.100,00. As provas foram aplicadas no dia 02 de maio de 2021;
  • Agente de Pesquisa por Telefone: 300 vagas para quem tem nível médio e experiência em teleatendimento/telemarketing (ativo ou receptivo). Remunerações de R$ 1.345,00 para jornadas de 30 horas semanais. As provas serão provavelmente aplicadas no dia 16 de maio de 2021;
  • Supervisor de Pesquisas: 25 vagas para quem tem nível superior em Gestão, Suporte Gerencial ou Tecnologia da Informação e Comunicação. Remuneração é de R$ 5.100,00. As provas foram aplicadas no dia 09 de maio de 2021.
Bruno Destéfano
Redator
Nasceu no interior de Goiás e se mudou para a capital, Goiânia, no início de 2015. Seu objetivo era o de cursar Jornalismo na UFG. Desde o fim de sua graduação, já atuou como roteirista, gestor de mídias digitais, assessor de imprensa na Câmara Municipal de Goiânia, redator web, editor de textos e locutor de rádio. Escreveu dois livros, sendo um de ficção e outro de não-ficção. Também recebeu prêmios pela produção de um podcast sobre temas raciais e por seu livro-reportagem "Insurgência - Crônicas de Repressão". Atualmente, trabalha como redator web no site "Concursos no Brasil" e está participando de uma nova empresa no ramo de marketing digital.

Compartilhe

Especial Auxílio Emergencial

Veja mais »